Melancia

As primeiras melancias do ano apareceram na feira algumas semanas atrás e desde então tem sempre uma na minha geladeira. Acho melancia perfeita como ela é, mas de tanto dar de cara com essa fruta (sempre que abro a geladeira, o que acontece dezenas de vezes por dia), acabei tendo umas ideias. Por exemplo, descobri que ao juntar um pouquinho de hortelã picada e um fio de suco de limão sobre cubos de melancia, a fruta ganha um sabor todo especial e se torna uma sobremesa ainda mais refrescante. A inspiração veio da minha limonada rosa (se você ainda não experimentou aqui vai um conselho: prepare essa delícia assim que as melancias aparecerem na sua cidade) e acabei criando a versão sólida dessa receita. Mas minha vontade de inovar não parou por aí.

Continuar lendo “Melancia”

Rolinho primavera com papel de arroz

recheio

Quando eu morava em Paris costuma ir sempre ao restaurante chinês da minha rua, que preparava deliciosos rolinhos primavera com papel de arroz, broto de soja e outros vegetais. Na primeira vez que vi os rolinhos achei engraçado, pois no Brasil eu só conhecia os rolinhos primavera fritos. Mas quando provei a versão com papel de arroz achei bem mais saboroso do que a versão frita. Depois de ter me tornado vegana tive que dizer adeus aos rolinhos, pois todos os que vi nos restaurantes chineses tinham camarão. Então decidi que tinha que fazer os meus próprios rolinhos em casa.

Continuar lendo “Rolinho primavera com papel de arroz”

O que fazer com as sobras de fermento natural

crumpets

Se você, assim como eu, usa fermento natural (levain) pra fazer o seu pão, provavelmente já se perguntou se não tinha uma maneira de resolver o problema do desperdício cada vez que ele é alimentado. Pequena explicação pra quem nunca cuidou de um fermento natural: é preciso alimenta-lo todos os dias (com água e farinha), mas pra não acabar com uma quantidade gigantesca de fermento (depois de cada ‘refeição’ ele dobra de tamanho) precisamos antes descartar metade do fermento. Funciona assim: toda as noites jogo metade do meu fermento fora, depois junto água e farinha à metade que ficou no potinho, misturo bem e deixo descansar. No dia seguinte ele dobrou de tamanho e preciso jogar metade fora novamente antes de alimenta-lo mais uma vez. E por aí vai…

Continuar lendo “O que fazer com as sobras de fermento natural”

Como preparar batata

batatas

Faz tempo que não publico um post da série “Como preparar…”. Por um momento eu achei que esses posts eram simples demais pra interessar vocês. Mas algumas pessoas mencionaram a utilidade dessa série quando perguntei o que vocês gostariam de ver aqui em 2013, então ela está de volta. Meu leitores têm níveis diferentes de habilidade na cozinha, alguns são super avançados e outros são debutantes, então vou continuar misturando receitas elaboradas com algumas bem simples, pra que o Papacapim seja interessante pra todos.

Continuar lendo “Como preparar batata”

Essa é a minha preferida

salada de beterraba e nozes1

Vocês sugeriram que eu publicasse mais receitas de sobremesas e cá estou eu com uma receita de salada (e isso logo depois de ter publicado uma receita de sopa!)… Mas o que posso fazer? Tem gente que saliva com tortas de chocolate e cheesecakes, outros com beterraba e sopas.

Continuar lendo “Essa é a minha preferida”

Mais receitas pra um churrasco vegano

Uvas assadas com alecrim e figos grelhados.

Como prometi no post de ontem, aqui vão mais receitas (inéditas) pra fazer no churrasco e deixar todo mundo com vontade de provar a sua comida. Essas são minhas receitas “pra churrasco” preferidas e gosto tanto que às vezes as preparo em casa, no forno. Tenho a sorte de ter um forno com a função “grill” (ele tem fogo embaixo e em cima), então asso minhas preparações e nos últimos minutos acendo o grill pra deixar a comida bem gratinada.

Continuar lendo “Mais receitas pra um churrasco vegano”

Como preparar vagem

Vagem refogada

Vagem é um dos meus legumes preferidos, mas infelizmente é um dos que são mais mal tratados nas cozinhas que visitei. Na França, onde eles comem muita vagem, esse legume é cozinhado (na água ou no vapor) até ficar tão mole que até uma pessoa sem dente consegue mastiga-lo. Além da textura ser desagradável quando ele é cozinhado dessa maneira, a maior parte do sabor vai embora (sem falar nas vitaminas perdidas).

Continuar lendo “Como preparar vagem”

A salada de Lila

Salada de batata com maçã e azeitona, ou “a salada de Lila”.

Eu já falei muito da minha irmã caçula aqui no blog, mas acho que nunca mencionei que tenho mais duas irmãs. Ao contrário de Lu e eu, elas não sentem nenhum afeto pela cozinha e a mais velha, Lila, é famosa pela falta de talento nesse departamento (ela tem vários outros talentos, garanto). Na hora de preparar comida, o que ela faz cada vez mais raramente, Lila junta a falta de interesse com a falta de paciência, mistura o que vir pela frente, corta as verduras em quatro (e se justifica dizendo “estilo chinês!”) e o resultado, embora comestível, nunca impressiona ninguém. Como eu disse, ela tem outros talentos e nem todo mundo faz questão de brilhar na cozinha como eu.

Continuar lendo “A salada de Lila”

Como preparar milho

Hoje é oficialmente o último dia do verão nessa parte do mundo onde moro e é com tristeza que vejo a época do milho ir embora.  Nas últimas duas semanas eu trouxe pra casa todo o milho que meus braços podiam carregar e estou encantada com a versatilidade desse vegetal.  Ele pode ser preparado de várias maneiras, pode ser comido doce ou salgado, combina com inúmeros outros legumes… O milho seco se transforma em comidas que adoro (cuscuz, farinha, polenta, pipoca), mas é o milho fresco que ocupa um lugar especial no meu coração e é dele que quero falar hoje.

Continuar lendo “Como preparar milho”

Como preparar repolho

A série “Como preparar…” voltou. Escrevo esses posts pra ensinar o pessoal que não tem muita intimidade com legumes (ou com panelas, ou ambos), como preparar vegetais de maneira simples e saborosa.  Sei que tem muita gente precisando comer mais verduras e essa série é a minha contribuição pra deixar a sua dieta mais colorida.

Continuar lendo “Como preparar repolho”

Os tesouros do Alecrim

Aqui em Natal tem um bairro que concentra 40% do comércio varejista da cidade e que, justamente por isso, é extremamente caótico: o Alecrim. É a maior muvuca da cidade e um passeio naquele caos, embaixo do sol quente, que aqui na minha terra insiste em brilhar o ano inteiro, é garantia de voltar pra casa com dor de cabeça. Mas apesar disso gosto demais do Alecrim. Uma das razões é porque nesse bairro tem uma feira que acontece há mais de 90 anos, todos os sábados, a mais popular de Natal. Também tem uma loja de retalhos onde, depois de enfrentar os ácaros e mergulhar nas pequenas montanhas de tecidos, encontro verdadeiros tesouros. Na última vez que estive lá voltei com uma cortina de linho linda que está agora esperando pra ser transformada em calça pela minha irmã.

Continuar lendo “Os tesouros do Alecrim”

Convites

Couve flor com passas e alcaparras

Preciso dizer duas coisas pra vocês. A primeira é a seguinte: façam essa receita! Não tenho palavras pra descrever a deliciosidade desse prato. Couve-flor assada já é divina, mas misturada com alcaparras, passas e coentro é de cair pra trás! Já fiz esse prato com cuscuz marroquino (sêmola de trigo), mas dessa vez queria tentar uma versão sem glúten. Eu usei couve-flor crua no lugar de sêmola de trigo nesse tabule com resultados extremamente satisfatórios, então resolvi fazer isso mais uma vez. A couve-flor ralada substitui o grão com inúmeras vantagens. Além de não ter glúten, é uma maneira interessante de comer menos carboidrato e mais legumes. A dupla dose de couve-flor (crua e assada) criou um sabor mais complexo. Passas e alcaparras podem parecer uma combinação infeliz, mas elas pontuam o prato com notas doces e salgadas deixando esse humilde legume tão mais interessante! E o coentro nasceu pra ser comido com couve-flor, garanto (nem pense em substituí-lo por outra erva). Façam esse prato o mais rápido possível, vocês não vão se arrepender. A menos que você não goste de couve-flor. Ou de alcaparras. Nesse caso não posso deixar de sentir pena de você, que não provará dessa delícia…

Continuar lendo “Convites”

Sinto que preciso de férias

Salada morna de cogumelo e milho

Recuperei um pouco da energia gasta durante a maratona culinária da semana passada, mas como trabalho nos sábados (dia de aula de culinária no campo de refugiados) só tenho uma folga por semana, no domingo, e nunca parece suficiente. Sinto que preciso de férias. Mais precisamente de uma rede, uma água de coco, um cachorro embaixo da rede (ajuda muito a relaxar) e vários dias de ócio. Adoro a Palestina, no momento não gostaria de morar em nenhum outro lugar do mundo, mas pra manter a sanidade mental é preciso sair daqui de vez em quando. Por isso daqui a um pouco mais de uma semana vou bater asas novamente.

Continuar lendo “Sinto que preciso de férias”

Resolvi fazer uma exceção

Salada de rúcula e morango com redução de vinagre balsâmico

Não publico muitas receitas de entradas (saladas ou sopas) porque no dia a dia prefiro preparar pratos completos. É mais prático, rápido e suja menos louça. Só faço saladas leves pra acompanhar pratos mais pesados, como minha lasanha preferida ou gratin dauphinois, e essas saladas são tão simples que não são exatamente uma receita. Geralmente rasgo uma grande quantidade de alface ou outra folha, tempero com azeite e um pouquinho de vinagre e pronto. Nem sal eu coloco. Mas hoje vez fiz uma saladinha bem fresquinha (não no sentido literal) e ficou tão boa que resolvi fazer uma exceção.

Continuar lendo “Resolvi fazer uma exceção”

Leguminosas e as suas vantagens

Purê de feijão branco com brócolis

Meu amor por feijão já foi declarado nos quatro cantos desse blog. Ele entra na lista das minhas cinco comidas preferidas e sempre me traz reconforto, o que só entende quem mora longe das terras tupiniquins há muitos anos. Mas além do sabor, que adoro, o que me atrai nos feijões e leguminosas em geral é o valor nutricional desse grupo de alimentos. Alguns dias atrás uma leitora (oi, Fernanda!) deixou um comentário interessante em um post onde eu dizia que feijão é pra mim o melhor substituto da carne. Ela escreveu: “Ano passado eu assisti à uma palestra do Dr Eric (Slywitch) no Ibirapuera onde ele mostrou, por uma série de estudos e gráficos, que o melhor substituto para carne realmente são os feijões, especialmente por suas qualidades/quantidades de proteínas biodisponíveis e ferro.” O Dr Slywitch é responsável por boa parte dos meus conhecimentos em nutrição vegana (se um dia eu tiver a honra de encontrá-lo pessoalmente preciso cozinhar um jantar pra ele como forma de agradecimento) e ele confirmou o que eu já tinha descoberto de maneira intuitiva.

Continuar lendo “Leguminosas e as suas vantagens”

O que fazer com restos de arroz

Arroz com tomate e milho

Além de não ser fã de macarrão, eu não gosto muito de arroz. Nem de batata, caso estejam interessados em saber. Meu desgosto por carboidratos brancos é geral e a razão não é, como alguns podem imaginar, porque eles são pobres do ponto de vista nutricional, mas sim porque são pobres do ponto de vista gustativo (na minha opinião). Mas a outra residente da casa adora arroz (e macarrão e batata), então sou obrigada a cozinhá-lo de vez em quando. Como só ela come, acaba sempre sobrando um pouco. No dia seguinte me deparo com aquele resto de arroz que não é suficiente pra duas porções, mas que precisa ser consumido. Pra resolver o problema faço salada de arroz (misturando com legumes crus e temperando com azeite e vinagre balsâmico), mas se o tempo estiver frio uso uma das duas receitas abaixo. O que mais gosto nessas receitas, além da praticidade e grande capacidade de adaptação, é que no final tem mais legumes do que arroz. Elas não pertencem à grande gastronomia, mas fazem parte de um grupo ainda mais bacana: o das receitas improvisadas, que limpam os restos da geladeira e transformam legumes solitários em uma refeição gostosa.

Continuar lendo “O que fazer com restos de arroz”

De passagem

Salada de beterraba e laranja

Pensei que seria uma boa ideia publicar uma receita antes do último post sobre organização na cozinha. Alguém podia estar com fome.

O tempo por aqui anda louquíssimo, com tempestade, ventania e uns granizos que parecem micro bolinhas de neve. Por conta disso a internet de casa está temperamental e só funciona se eu fizer muito carinho, disser que ela é linda e chamá-la pra fumar um narguilê na praça da natividade. Mesmo assim basta um ventinho pra ela mudar de ideia e ir embora de novo. E depois dos floquinhos de neve que caíram ontem durante a noite parece que ela saiu em busca de terras mais calientes. Estou escrevendo esse post em um café, no meio de uma nuvem de fumaça de narguilê, e preciso ser breve.

Continuar lendo “De passagem”

Só pela subversão

Desde que me mudei pra cá vi coisas extraordinárias acontecerem. Poderia escrever um livro (um dia, quem sabe), mas me contento, por hora, de escrever um post.

Alguns dias atrás minha grande amiga Johanna, que mora em Tel Aviv, ligou dizendo que tinha um amigo israelense precisando da minha ajuda e que era urgente. Ela não tinha tempo pra explicar, mas ele podia contar tudo direitinho. Fiquei surpresa, mas disse: “Pois não, pode falar pra ele me telefonar”. E fiquei matutando sobre esse pedido estranho. Por que cargas d’água um rapaz que não me conhecia precisava de minha ajuda? Conhecendo os amigos ativistas de Johanna, torci pra que não fosse algo ilegal, mesmo sabendo que meu espírito subversivo se deixaria convencer de qualquer coisa. Só confessei isso porque minha mãe não lê o blog e se lesse não entenderia, pois ela não sabe o que significa “subversivo”.

Continuar lendo “Só pela subversão”