O quarto e o quinto tour Papacapim na Palestina aconteceram em fevereiro e março. Mais uma experiência transformadora, pras pessoas que participam do tour e pra mim mesma. As participantes terminam o tour meio sequeladas ou, como disse meu amigo Rogério, “acordadas”! Reviver, de novo e de novo, a montanha russa de emoções provocadas pelas atividades do tour e explicar, de novo e de novo, a injustiça e violações dos direitos humanos cometidas pela ocupação israelense na Palestina é doloroso pra mim. Claro que a dor que sentimos não pode nunca, nem de longe, ser comparada à dor vivida pelo povo palestino, mas não deixa de ser uma vivência difícil pra nós. Planejar esses tours exige meses de trabalho, muitas horas respondendo emails e tirando dúvidas de pessoas interessadas em participar, semanas coordenando as atividades com as pessoas palestinas que nos guiam e participam da programação… No final das contas acompanhar os grupos durante 11 dias é a menor parte do trabalho, mas é a parte que provoca um esgotamento físico e emocional que me obriga a ficar de cama por alguns dias depois de cada tour.

IMG_7647

Apesar disso tudo, esse é o trabalho mais gratificante dentre todos os trabalhos que faço. Poder sensibilizar pessoas sobre uma questão tão importante, poder levar solidariedade às palestinas que lutam incansavelmente por justiça, apoiar a economia local, que está sendo estrangulada pela ocupação, tudo isso não tem preço.  Também considero o trabalho mais importante que realizo no terreno dos direitos humanos, que é uma parte enorme do meu ativismo.

IMG_7499

IMG_8099

A programação muda um pouco a cada ano, dependendo da disponibilidade das pessoas palestinas que me ajudam a realizar esse projeto, da época do ano e dos eventos acontecendo por aqui durante a viagem. Além das atividades que sempre fazem parte do programa, pois são essenciais pra compreender o que acontece aqui, como a visita do campo de refugiados de Aida, onde os grupos ficam hospedados, o tour político da região de Belém (muro, colônias ilegais, estradas, sistema de apartheid), tour de Hebron (colônias e checkpoints dentro da cidade), cidade antiga de Belém e Jerusalém, tem também palestras com organizações de direitos humanos palestinas que oferecem apoio legal a prisioneiros políticos (Addameer) e refugiados (Badil), palestra com a única organização local de direitos animais, que faz um trabalho interseccional e também trabalha com direitos humanos (Palestinian Animal League), visita à Universidade Al Quds e conversa com estudantes e professoras…

IMG_7627

IMG_8076

E tantas outras coisas, tantos encontros com pessoas incríveis que estão resistindo e lutando de maneira tão corajosa. Como meu amigo Marwan, que ajuda agricultores a replantar oliveiras e reconstruir casas demolidas pelo governo israelense. Baha, que organiza tours políticos incríveis pra ativistas. Minha querida amiga Draguista, que coordena um projeto de mulheres bordadeiras no campo de refugiados de Deheisha. Sahar, que luta pela desmilitarização da sociedade israelense. Tali, outra amiga israelense, que promove a campanha BDS. Fatima, diretora do projeto de mulheres Beit Al Karama, em Nablus e Islam, diretora do projeto de mulheres Noor, no campo de refugiados de Aida.

IMG_8234

IMG_8145

IMG_7601

IMG_7659

IMG_7652

Tem também a parte mais turística, pois descobrir as belezas naturais da Palestina é um dos objetivos do tour. Como a trilha de seis horas no deserto de Jericó e visita dessa que é a cidade mais antiga do mundo que nunca deixou de ser habitada, mergulho no mar morto, o monastério de Mar Saba, no deserto da Judeia. Teve também uma tarde no hammam (banho turco), com direito a sauna e massagem, um tour gastronômico em Nablus, aula de culinária tradicional com um projeto de empoderamento de mulheres… E falando em comida, teve a parte comestível do tour.

IMG_7648
IMG_8213
IMG_7553

O lado gastronômico do tour é muito importante por dois motivos. Primeiro porque faz parte da minha missão divulgar as delícias da culínaria tradicional palestina. Uma das ferramentas da limpeza étnica que Israel vem fazendo contra a população palestina desde que foi criado na maior parte da Palestina histórica, em 1948, é apagar ou se apropriar da cultura desse povo. Podemos ver isso claramente com a culinária. Quantas vezes ouvi pessoas dizendo que hummus e falafel são israelenses, quando a verdade é que povos árabes já comiam essas duas preparações muito antes de 1948. Segundo porque é comum pessoas veganas sofrerem com falta de opção de comida vegetal e gostosa quando viajam e eu queria que esse tour fosse exatamente o contrário.

IMG_8205

IMG_8223

IMG_8243

IMG_8187

Não vou mentir, essa viagem é extremamente dura pro emocional da gente. Comida é uma maneira de não só se conectar com a cultura local e voltar a ter aquelas experiências gastronômicas inesquecíveis que tínhamos quando viajávamos na nossa época pré-vegana, mas também serve de reconforto no meio de toda a injustiça que presenciamos. Minha amiga Camila, que participou do tour de março e que adora comida tanto quanto eu, falou que todo dia passava da tristeza à alegria justamente por causa dessa combinação na nossa programação diária. A comida era uma tentativa de curar um pouco a dor que nossa alma sentia.

IMG_8216

IMG_8111

IMG_7731

IMG_7746

Pra quem mandou email perguntando quando serão as próximas viagens gostaria de explicar que esse tour é um projeto especial que faço somente quando condições favoráveis se reúnem. Nunca sei quando será o próximo, nem mesmo se haverá mais algum tour no futuro. Uma coisa é certa, esses foram os únicos tours de 2017. Nessa minha vida de nômade só consigo planejar um ano por vez e 2018 ainda é um mistério pra mim. Mas se acontecer mais algum tour ano que vem, será provavelmente no segundo semestre. Quem quiser colocar seu nome na lista de pessoas interessadas, e ser avisada de primeira mão, antes do anúncio do tour aparecer aqui no blog, basta enviar um email pra papacapimveg@gmail.com. Mas não prometo nada.

IMG_8232

IMG_7789

IMG_8079

Termino agradecendo a participação de cada pessoa que me deu a honra de sua presença no tour. Obrigada por terem se interessado pela Palestina, por terem vindo até aqui mostrar a solidariedade de vocês e por terem confiado em mim e acreditado no meu trabalho. E aqui vai a missão pós-tour que dou a todas as participantes: compartilhem o que viram e viveram aqui com o máximo de pessoas possível, sejam ativistas por justiça na Palestina da maneira que melhor couber no estilo de vida que levam e sejam a voz das palestinas que vocês encontraram aqui, presas na máquina cruel e injusta da ocupação militar israelense, na comunidade de vocês.

Semanas atrás postei no IG a foto do pudim de chocolate e tahina que ando fazendo com frequência por aqui e, como sempre acontece quando tem chocolate envolvido, muitas pessoas pediram a receita. Ela é antiga (postei sete anos atrás), mas a novidade aqui é a tahina. Descobri recentemente que chocolate e tahina é uma das melhores combinações dos todos os tempos. Não sei por que demorei tanto pra juntar A mais B, já que anos atrás comi uma barra de chocolate amargo coberta com gergelim e achei divino! Só quando vi uma sorveteria vegana em Seattle fazendo sorvete de chocolate e tahina que me dei conta que deveria começar a colocar tahina em todas as minhas confecções achocolatadas.

Esse pudim é muito simples. Das sobremesas que faço pras pessoas de casa, mas raramente pra visitas. O sabor da tahina é suave e quase imperceptível. O que esse ingrediente faz aqui é complementar o sabor do chocolate e acrescentar um “je ne sais quoi” à receita. Claro que a qualidade da tahina utilizada é crucial aqui, por isso escolha a melhor possível (mais sobre isso abaixo). Recentemente quebrei minha regra “pras visitas, não” e servi esse pudim pra uma amiga de passagem. Como ela adorou, me animei mais ainda pra compartilhar a receita aqui.

Notas sobre tahina, pois me fazem as mesmas perguntas sempre, então vou logo antecipando as respostas.

1-Tahina é a mesma coisa que tahine. As duas grafias são aceitas (eu que decidi). Em Árabe é “tahiniya”, então nos dois casos a gente tá fazendo uma aportuguesação da palavra. Prefiro com “a” porque fica mais próxima da palavra original.

2- Tahina vendida em supermercados e lojas de produtos naturais são geralmente feitas com gergelim integral, com casca. Isso modifica muito o sabor e deixa a tahina bem amarga (e mais escura). Aqui no Oriente Médio tahina é sempre feita com gergelim descascado. Vamos cair na real, gente. A quantidade microscópica de fibras que a casca do gergelim vai trazer pra sua dieta vai fazer uma diferença igualmente microscópica. Nesse caso a palavra “integral” não faz diferença nenhuma. Aliás se você for uma pessoa vegana, já deve estar ingerindo fibras suficientes. E se não estiver, coma mais feijão e não casca de gergelim! E a diferença no sabor entre tahina de gergelim integral e descascado é gigante.

3- Não tenho nenhuma marca pra recomendar aí no Brasil. Sei que meu amigo Josias, do Empório Pura Vida (Recife) vende a melhor tahina que já comprei aí. Pra quem mora em outras cidades, procure tahina em lojas de produtos árabes. A tahina libanesa é uma das melhores e a regra geral é: quanto mais clara e fluida, mais suave o sabor.

4- Sim, você pode tentar fazer tahina em casa processando gergelim ligeiramente torrado (facilita a liberação do óleo), mas eu só aconselho se você não encontrar tahina onde mora. As máquinas usadas pra moer gergelim são feitas especialmente pra não esquentar a semente. Aqui na Palestina a melhor tahina é feita de maneira tradicional, num moinho de pedra e isso faz uma diferença enorme no sabor, além de deixar a textura muito mais lisa. O processador da sua casa vai esquentar o gergelim (e o óleo que ele carrega) e o sabor não será o mesmo. Também adoro fazer tudo em casa, mas em alguns (poucos) casos, os resultados caseiros deixam muito a desejar e aí é melhor deixar o trabalho com especialistas.

IMG_1368

Pudim de chocolate e tahina

Conheço pessoas que evitam usar amido de milho porque o milho no Brasil é sempre transgênico e aplaudo essas pessoas. Então quem quiser pode substituir esse ingrediente por polvilho doce ou araruta. Fica um pouco menos firme, pois percebi que polvilho e araruta não se comportam exatamente da mesma maneira que amido de milho, mas nada que comprometa a receita. Faço essa receita com xarope de bordo, que tem um sabor maravilhoso, mas sei que é caro e difícil de encontrar no Brasil. O melhor substituto pra ele aqui é xarope de agave (sabor neutro) ou melado (sabor mais forte). Além de adoçar, o xarope/melado deixa a consistência mais próxima de um flan. Não me perguntem que ciência é essa, mas o xarope/melado é essencial pra dar viscosidade e sempre que faço essa receita só com açúcar de coco a textura fica mais compacta e menos “pudim”.

2 cs (rasas) de amido de milho (leia acima)

2 cs de cacau (puro, sem açúcar)

2x de leite vegetal

2 cs de xarope da agave, de bordo (maple) ou melado de cana

Açúcar de coco a gosto (uso 1cs)

Uma pitada de sal

1/2 cc de extrato natural de baunilha (opcional, uso as sementes de um favo de baunilha)

80 g de chocolate 70%

2 colheres sopa de tahina (clara e líquida)

Em uma panela pequena dissolva o amido de milho (ou polvilho/araruta) e o cacau em uma quantidade pequena de leite vegetal. Mexa bem pra dissolver tudo. Junte o resto do leite vegetal, o açúcar de coco e o sal e leve ao fogo baixo, mexendo sem parar com uma colher de pau. Assim que começar a ferver e engrossar levemente desligue o fogo. Junte a baunilha e o chocolate em pedacinhos e misture devagar até derreter completamente. Acrescente a tahina e misture delicadamente. É importante usar uma tahina fluida e líquida, pois se for muito compacta não vai dissolver de maneira homogênea e a textura ficará granulosa. Prove e decida se está doce o suficiente. Se achar necessário acrescente mais açúcar de coco à mistura ainda quente e mexa bem pra dissolver. Divida o pudim em copinhos (gosto de usar xícaras de café), cubra com filme ou papel alumínio e leve à geladeira por 12 horas antes de servir. Rende de 4 a 8 porções, dependendo do tamanho dos seus copos e de quanto de pudim você quiser oferecer pra cada convidada. Se conserva alguns dias na geladeira.

No início do passado fui morar em Beirute por três meses. Sempre tive vontade de visitar a cidade, conhecer as belezas do Líbano e provar a maravilhosa culinária libanesa na fonte. Aproveitei pra fazer um curso de Árabe escrito e foi uma experiência muito enriquecedora, em todos os sentidos. Já cheguei em Beirute decidida a fazer um Guia Vegano da cidade, pra compartilhar os tesouros gastronômicos que eu iria descobrir por lá. Levei um ano pra realizar o guia e hoje, pensando sobre o porquê disso, me dei conta que o fato de ainda não ter digerido completamente minha vivência em Beirute estava criando essa resistência. Quando me perguntam: “O que achou de Beirute?” nunca sei o que responder. A cidade é muito interessante, com lugares lindos e outros ainda carregados de cicatrizes da guerra civil, as pessoas são calorosas e simpáticas e a comida é a melhor parte de tudo, mas… Tem um “mas” gigante.

A desigualdade social. As condições de vida nos campos de refugiados palestinos, como Sabra e Shatila. A situação de 1.5 milhões de refugiados sírios, parte deles palestinos refugiados pela segunda vez, tratados como cidadãos de segunda categoria pelo governo e pela sociedade libanesa. A obsessão com as aparências traduzida no uso excessivo de cirurgia plástica. As trabalhadoras domésticas vindas da Ásia e África que vivem em um regime de escravidão moderna. O sectarismo da sociedade libanesa. A impressão que todo mundo se tolera, mas não esqueceu as disputas do passado e que uma nova guerra civil pode explodir a qualquer minuto. O sistema político extremamente complicado e que não represente a população. A corrupção escancarada em todos os setores da vida política e civil.

De uma certa maneira, o Líbano tem muitas semelhanças com o Brasil, mas talvez por ser tão menor (o Líbano é metade de Sergipe em área!) tudo fica muito mais concentrado e visível. Não entendam mal, adorei os meses que passei lá e recomendo muitíssimo uma visita a Beirute. Tenho até planos de voltar no futuro. Mas foram experiências tão contrastadas que não sei o que fazer de tudo que vi, ouvi e vivi.

Mas é claro que você pode visitar a cidade e ter uma experiência radicalmente distinta da minha. Vi muitas pessoas estrangeiras que estavam ali pra aproveitar as praias, as belezas naturais, a comida, a hospitalidade e saíram encantadas com tudo. A maneira como você viaja é determinante aqui. Beirute tem restaurantes incríveis, bares, discotecas e festas pra todos os gostos e turistas podem voltar pra casa tendo visto só coisas lindas e maravilhosas. Mais uma semelhança com a nossa realidade brasileira. Porém a pessoa escrevendo esse guia não tem a pretensão de te dizer como viajar, isso vai depender dos interesses políticos (ou falta deles) de cada pessoa. Vou deixar tudo isso de lado aqui pra me concentrar na melhor parte da minha estada em Beirute: a comida. Mais precisamente, a comida vegana.

IMG_3391

Comecemos pelo começo. Beirute é extremamente vegan-friendly. Não que o veganismo seja algo muito popular por lá, embora tenha uma comunidade vegana na cidade, o que me deixou muito feliz. Mas simplesmente porque a culinária tradicional libanesa é riquíssima em vegetais. Até hoje ainda não encontrei um povo que soubesse tratar vegetais com mais amor e sabor do que libaneses. Lá legumes não são meros acompanhamentos de animais assados/grelhados/cozidos. Eles são a estrela de muitos pratos e o fato de ter uma população cristã ortodoxa aumenta a oferta de pratos vegetais ainda mais. Os cristãos ortodoxos fazem uma quaresma totalmente livre de animais e seus derivados, contrariamente aos cristão católicos que só retiram alguns animais do cardápio durante a quaresma. E mesmo assim é uma prática marginal entre os católicos hoje em dia, enquanto que praticamente todos os ortodoxos respeitam o regime 100% vegetal durante a quaresma. Então é muito fácil encontrar pratos veganos nos restaurantes da cidade e, como estive lá durante uma parte da quaresma, alguns restaurantes passam a servir um cardápio vegetal ainda mais longo nessa época do ano. Fica a dica: visitem Beirute durante a quaresma. Além de tudo ficar mais lindo na primavera, vocês vão se extasiar com a imensa oferta e a qualidade da comida nessa época do ano. Pensei até em fazer um tour gastronômico vegano da cidade, de tão maravilhosa que é a comida por lá.

Porém, preparem o bolso. Os preços estão mais perto da Europa do que do Oriente Médio. Nesse guia você vai encontrar lugares muito baratos, baratos e um pouco mais caros (pros padrões locais). Não visitei os restaurantes mais chiques e caros da cidade, primeiro porque minhas finanças não permitiram, mas também porque quanto mais chique o lugar, menor suas chances de achar comida vegana. Pois é. Pra grande felicidade das veganas, os lugares mais baratos têm mais opções veganas, pois são os restaurantes tradicionais e populares. Comer animais é coisa de rico!

IMG_0592

Em lugares mais descolados (entenda “hipsters”) você encontra um ou outro prato vegano, mas geralmente feitos com ingredientes vindos de longe (oi, quinoa!), então a conta vem sempre mais salgada. Incluí alguns desses lugares nesse guia, mas meu foco principal são lugares populares com comida tradicional. Porque ir parar no Líbano pra comer quinoa vinda do Peru não faz muito sentido pra mim, principalmente quando a culinária local, com ingredientes tradicionais, é tão deliciosa.

Importante! Os endereços nunca têm número, então você terá que localizar a rua e começar a perguntar aos passantes onde fica o restaurante procurado. Mas não se preocupe. As pessoas libanesas são extremamente gentis e adoram ajudar a gringaiada perdida.

IMG_0561

Gemayze/Mar Mikhael

Eu morei exatamente entre esses dois bairros e foi aqui qui fiz a maior parte das minhas explorações culinárias. É o local mais descolado/hipster da cidade e onde a juventude classe alta sai pra se divertir à noite. Mas vale a pena vir aqui durante o dia também, pois esses bairros, com suas escadarias coloridas, são super charmosos. A rua Gouraud, que se transforma em rua Armenia, é a principal e conecta os dois bairros. Ela abriga vários restaurantes, cafés e bares simpáticos. Todos os lugares abaixo estão concentrados em uma área bem pequena e dá pra ir andando de um endereço pro outro.

IMG_0569

IMG_2548

IMG_3934

IMG_3302

Le Chef (Rue Gouraud, Gemayze)

Meu restaurante preferido na cidade. Descobri por acaso, porque morava a poucos metros dali. É um lugar simples, que serve comida tradicional libanesa deliciosa por um preço imbatível. E durante a quaresma a variedade de pratos vegetais é ainda maior. Tem hummus, babaganoush, fatoush (salada de tomate e pepino com pedaços de pão frito) e tabule, mas o que mais gostei foram a sopa de lentilha coral (com muito limão e cominho), mussaka (berinjela frita servida com molho de tomate e grão de bico), as saladas cruas (sempre temperadas com melado de romã), o quibe de jerimum com acelga verde, feijão branco com tomate e as maravilhosas folhas de acelga recheadas (como folhas de parreira).

133A4848

FullSizeRender 54

IMG_2945

Im Nazzieh (Rue Pasteur, Gemayze)

A cantina da escola de Árabe onde estudei (Saifi Institute), mas não precisa ser estudante pra comer lá. O lugar é aberto ao público o dia inteiro e você pode tomar café da manhã (tem man’oushe – pão libanês assado na hora, coberto com azeite e za’atar, um tipo de tomilho, hummus, café e chá), almoçar, jantar ou fumar um narguilê. Ou todas as todas as opções mencionadas. Foi o almoço mais barato que encontrei na cidade (mais barato que isso só sanduíche de falafel) e o cardápio tem várias opções veganas, como mudjadara (arroz com lentilha e cebola frita), sopa de lentilha, os traidicionais hummus e babaghanoush e mais alguns pratos típicos, dependendo do dia. A comida era boa, sem ser extraordinária, mas pelo preço cobrado você vai sair achando tudo ótimo. Menção especial pro foul (pasta de fava com azeite), que foi um dos melhores que comi por lá.

IMG_0578

Fern Ghattas (Rue Gouraud, Gemayze)

Um dos mais famosos man’ouches da cidade, no top 3 de todo mundo. Man’oushe é mais que um pão tradicional recheado com os mais diversos ingredientes, é uma instituição no Líbano. E esse lugar minúsculo, que funciona desde 1920, serve o melhor man’oushe que já comi até hoje. Os preços são camaradas (man’oushe é sempre uma opção barata), o atendimento é extremamente simpático e o cardápio indica claramente as opções veganas, o que terminou de conquistar o meu coração. Pessoas que evitam glúten se abster, obviamente, mas pra todas as outras esse lugar é imperdível! Os man’oushes veganos são: dois tipos de za’atar (libanês e sírio, que tem uma mistura especial de sementes e especiarias), za’atar/tomate/cebola e espinafre. Prove todos. Perfeito pro café da manhã ou lanche.

IMG_3414

IMG_3407

Enab (Rue Armenia, Mar Mikhael)

Um restaurante tradicional mais chique que os que indiquei acima, mas vale a pena ir pelo menos uma vez. Os preços são mais elevados, claro, mas você encontra alguns pratos vegetais mais sofisticados. Tudo que comi lá estava delicioso e não deixe de provar o muhamara (pasta de pimentão vermelho, nozes e melado de romã, bem apimentada), quibe de batata (de bandeja), as folhas de parreira recheadas e a limonada com manjericão (surpreendente).

IMG_2519

FullSizeRender 34

Urbanista (Rue Gourad, Gemayze)

Um café/restaurante que serve cappuccino com leite de soja, smoothies e alguns pratos veganos. Tem internet e mesas espaçosas, então muitas pessoas vão lá pra trabalhar. Os preços são mais elevados e a clientela é uma mistura de hipsters locais e estrangeiros.

IMG_0599

Oslo Ice Cream (Rue de Madrid, Mar Mikhael – próximo ao prédio da Eletricité du Liban)

Sorveteria artesanal com uma longa lista de sorbets (sorvetes à base de água, logo, veganos). Tem 17 sorbets, dos clássicos morango, framboesa, limão, manga e coco, aos sabores mais locais como rosa, romã, hortelã e toranja. Dá pra degustar no local ou levar um potinho (ou vários) pra casa.

IMG_0585

SoleInsight  (Vendome Stairs, Asharafiah)

Na Rue Armenia, depois de passar pelo restaurante Enab (à sua direita), continue andando mais um pouco até achar uma grande escadaria subindo à direita. No meio da escadaria tem um café mimoso, onde você pode descansar um pouco, tomar um café turco (ou algo mais forte) e curtir o ambiente relaxante. Tem sempre uma ou outra coisinha vegana pra beliscar (hummus, sopa) e algumas geleias ótimas pra você levar pra casa.

IMG_3361

Bourj Hammoud

Se você continuar andando na rua principal (Gouraud, que se transforma em Armenia) na direção do rio Beirute, você vai chegar na ponte que atravessa o rio. Do lado de lá da ponte fica Bourj Hammoud, conhecida como “a pequena Armênia”. É o bairro que acolhe a população armênia de Beirute, e o coração da comunidade armênia no Líbano, que chegou ali fugindo do genocídio cometido pela Turquia, quase 100 anos atrás. É um lugar fascinante, caótico e visualmente impactante. E pra fazer a visita valer ainda mais a pena, você poderá provar a autêntica culinária armênia no mais famoso restaurante do gênero na cidade.

IMG_3364

Onno Bistrot (Brad Street, Bourj Hammoud)

Achar esse lugar é um desafio, mas vale a pena procurar, se perder, pedir informação, se perder novamente… Pensamento positivo: assim você vai visitando o bairro. O local é famoso por ser o melhor restaurante armênio da cidade e apesar da culinária armênia ser extremamente carnívora (descobri lá, pois nunca tinha provado antes), tem opções veganas saborosas que valem a viagem. Pedi ajuda ao garçon e ele me aconselhou: quibe de lentilha coral (de bandeja e delicioso), berinjela recheada com verduras, arroz, grão de bico e nozes (a melhor berinjela recheada que já comi) e muhamara, que é um pouco diferente do muhamara que eu conheço. Continua sendo a base de pimentão vermelho assado, mas não é nada picante e tem um sabor de queijo envelhecido (como parmesão ou cantal) tão impressionante que tive que ir perguntar ao chef se aquilo era vegano, mesmo. Era. E com certeza tem ciência. Os preços são honestos e o atendimento é muito bom.

IMG_3141

IMG_2966

New Indo-Lankan (Daura)

Se você caminhar na rua principal de Bourj Hammoud, na direção de Daura, vai chegar em uma rotatória, embaixo de um viaduto. Na rua que parte à direita, logo em frente, tem uma loja de produtos indianos e um restaurante indiano no primeiro andar.  Esse é só para pessoas fortes. Quem tem exigências de higiêne elevadas deve passar direito, mas pra quem não se importa muito com isso e adora comida do sul da Índia (e cansou de comer hummus e man’oushe) esse lugar é um achado. Dosas (crepes de arroz e lentilha, recheados com legumes e especiarias e servidos com uma variedade de chutneys) deliciosas e a preço de banana. Na loja no andar de baixo eu comprava a mistura pra dosa (farinha de arroz e lentilha misturadas) e farinha de grão de bico pra fazer grãomelete.

Downtown/Ashrafieh

Essa parte da cidade fica colada à Gemayze, na direção oposta de Bourj Hammoud. O centro da cidade (Downtown) foi completamente destruído durante a guerra civil e foi reconstruído recentemente de maneira espetacular e que não agradou todo mundo. Confesso que não gosto muito desse bairro, que mais parece uma cidade cenográfica povoada com butiques de luxo. Mas tem um tesouro lá: Souk Al Tayeb (“souk” significa “feira” em Árabe). Ashrafieh é um bairro residencial gostoso de se passear, onde tem o melhor restaurante sírio da cidade (foi o que os sírios que conheci me disseram e eu acreditei, claro) e uma loja de produtos orgânicos que é uma verdadeira mina de ouro pra veganas.

IMG_0478

IMG_0490

IMG_2603

FullSizeRender 41

IMG_0494

IMG_2750

IMG_2608

IMG_0495

Souk Al Tayeb (Souks – Downtow)

O meu lugar preferido de todos! Uma feira de pequenos produtores, que acontece nos sábados das 9h às 14h, onde além de encontrar vegetais orgânicos, oleaginosas, geléias, especiarias e ervas você vai achar tesouros, muitos tesouros. Tem uma cooperativa de mulheres refugiadas sírias, que vende salgados deliciosos (com za’atar, espinafre, pimentão, nozes e pimenta, meu preferido). Várias mulheres vendendo sua arte comestível, como quibes veganos, folhas de acelga recheadas, melado de uva batido, doce de figo e gergelim… Sucos frescos e shots de grama de trigo (wheatgrass). Biscoitos veganos e sem glúten (e sem fermento/levedura!!!!) divinos da marca Bites of Delight. Tem biscoitos de cacau, café, canela, anis ou baunilha, e biscoitos salgados, com za’atar ou azeitonas. São todos maravilhosos, mas o de baunilha, de uma delicadeza poética, derreteu meu coração. E são feitos com ingredientes nutritivos como: feijão adzuki, sarraceno e óleo de coco. Pode soar pouco apetitoso, mas são os melhores biscoitos que já provei (veganos ou não, gluten-free ou não). Na feira tem também o camarada Rodrigue Harb, um vegano que faz queijo de amêndoas estilo coalhada seca no azeite (muito, muito bom) e uma pasta de chocolate chamada Chakala, adoçada com tâmaras. E tem o pessoal da Eshmoon que faz as coisas mais maravilhosas que já fizeram nessa Terra, umas preparações à base de chocolate (pastas, bolinhas, barras) com os melhores ingredientes possíveis (cacau em pó, manteiga de cacau, óleo, manteiga e néctar de coco, tudo orgânico). Praticamente tudo que elas fazem é vegano, com exceção dos produtos que levam mel. A pasta de chocolate e laranja (vaza desse mundo, Nutella!) e as pílulas de alfarroba (brigadeiro foi pra casa com vergonha depois de descobrir essas pílulas) sozinhas valem uma viagem à Beirute. E eu não estou nem exagerando. Visite a feira com fome, almoce por lá e tente se controlar pra não gastar todo o seu dinheiro, o da sua companheira e a herança da família que você ainda não recebeu com comida pra levar pra casa. Só não venha me culpar depois, é por sua conta e risco!

Falafel M. Sahyoun (Damascus Rd, na altura do cruzamento com a rua Syrian Patriarcat, perto de Downtown)

Tem falafel em cada esquina de Beirute, mas eu só vou indicar um: Sahyoun. Você não vai precisar de outro. Ninguém precisa de outro. Pessoas, eu comi muito falafel na vida, mas nada, nada, nem de longe se iguala ao que seu Sahyoun faz. O lugar abriu em 1935 e hoje é o filho do Sahyoun pai (o M é de Mustafa) que faz falafel. Cheguei sem muita expectativa, pois apesar de muitas libanesas terem recomendado o lugar eu pensava que já tinha comido tanto falafel bom na Palestina que nada ali podia me surpreender. Ledo engano! O lugar só vende um ítem: sanduíche de falafel. Nada mais. O falafel em si tem um tempero diferente dos outros que já comi e o sanduíche, no pão folha, vem com tomate, rabanete, uma floresta de salsinha e hortelã (faz toda a diferença) e é generosamente regado com molho de tahine (tahine, limão, água, sal) e, se a cliente quiser, molho de pimenta não muito forte. Minha nossa senhora das Quenturas, que coisa maravilhosa é aquela? Sahyoun filho faz falafel há mais de 50 anos e é uma simpatia só. Meu Árabe me ajudou a conquistar a afeição dele, que achou num primeiro tempo que eu tinha ascendência palestina ou libanesa. Falei: “Seu Sahyoun, libera a receita do seu falafel aí pra nós”. Ele sorriu e disse: “Esse segredo eu vou levar pro meu túmulo.” Então corre todo mundo lá enquanto seu Sahyoun ainda vive e se deliciem com essa maravilha. O preço, como é o caso de sanduíches de falafel em geral, é bem modesto.

IMG_3429

Bab Sharqk Le Jardin (Trabaud Street, Ashrafieh)

Eu nunca tinha provado comida síria na vida, mas já conhecia a reputação dessa culinária. Aqui no Oriente Médio, e fora dele, todo mundo diz que a cozinha mais refinada de todas é a síria. Com uma população síria tão grande, não é de se espantar que o número de restaurantes tradicionais desse país seja grande em Beirute. Só fui em um, pois depois de muito perguntar, me garantiram que era o melhor de todos. O restaurante em si é lindo, todo de pedra, com uma parte fechada e outra ao ar livre. Sentei embaixo de árvores frondosas e o serviço é impecável. O menu é imenso e tive que pedir ajuda ao garçon pra saber quais ítens eram veganos. Ele foi muito simpático e foi me dizendo todos os ingredientes dos pratos que eu poderia pedir. No final pedi um trio de pastas de legumes (a de alcachofra estava de cair da cadeira!) e um quibe de lentilha sublime. Do pouco que vi, me pareceu que a culinária síria é um pouco mais carnívora e menos veg-friendly que a libanesa, mas ainda assim recomendo o lugar. Os preços refletem a qualidade da comida e do serviço (mesma faixa de preço que Enab).

IMG_2549

A New Earth – loja de produtos orgânicos (Rue Zahret El Ihsan, Ashrafieh)

Fui pela primeira vez nessa loja porque Valentina, a amiga italiana com quem dividíamos o apartamento, recomendou. Ficava relativamente perto de casa e fui porque lojas de produtos orgânicos é o meu parque de diversões. Não esperava encontrar tantas opções veganas, incluindo as pastas e chocolates da Eshmoon e alguns queijos e iogurtes veganos (à base de amêndoas ou arroz). Também é o lugar pra comprar cosméticos orgânicos e sem crueldade. Os preços são elevados, então eu só comprava uns mimos de vez em quando, como condimentos que eu não encontrava em outros lugares: missô, levedura de cerveja maltada (nutricional), pasta de amêndoas, óleo de cânhamo, uma espécie de molho shoyu feito com coco…

Hamra

Esse é o centro comercial da cidade, a parte mais animada e movimentada. Tem restaurantes mais populares e alguns bares alternativos.

IMG_3503

IMG_2464 2

Mezyan (Rasamny Center, Main Street, Hamra)

Um restaurante muito simpático e espaçoso, o primeiro lugar onde comi quando cheguei na cidade. O cardápio tem várias opções veganas, todas marcadas com um V. Meus pratos preferidos lá: sopa de lentilha amarela com cominho (uma das melhores), abobrinha frita com molho de tahine (mtabbal kousa) e pasta de beterraba assada com tahine e alho (mtabbal beetroot). Os preços são honestos e o atendimento é de uma simpatia só. Quando contei pro garçon que era vegana ele trouxe o gerente que fez questão de me oferecer a pasta de beterraba, sua última criação, de graça, em troca da minha opinião sincera sobre o prato. Às vezes rola música ao vivo e outros eventos à noite.

Bardo (Mexico Street, Hamra)

Café/espaço de trabalho de dia e restaurante/bar durante a noite, é um dos (poucos) lugares alternativos de Beirute. E por “alternativo” eu quero dizer que pessoas alegres frequentam o lugar. E por “alegres” eu quero dizer pessoas como eu e a minha esposa. Entendidas entenderão. Fui lá pra procurar a minha turma e acabei comendo muito bem. Pedi ajuda ao garçon, pois não tem muitas opções veganas no menu, que é tão alternativo quanto o lugar (você não vai achar hummus aqui). Ele explicou direitinho quais pratos eu poderia pedir. Comi gyosa de berinjela com missô e mais umas coisinhas que esqueci e estava tudo delicioso. E o lista de vinhos servidos lá é impressionante. Gostei demais do lugar e vale a pena uma visita mesmo se você não fizer parte da minha turma.

Raouch

Essa é a parte mais turística de Beirute, onde fica a famosa Rocha dos Pombos e as praias mais visitadas. E também é lá que fica o restaurante com a melhor vista de todos.

IMG_2920

IMG_2931

IMG_3440

Manara Palace (Corniche, perto do farol Manara. Qualquer motorista de taxi conhece o lugar e pode te deixar na porta)

Esse restaurante imenso tem uma sala fechada (evite) e um espaço externo do lado do mar. O cardápio é tradicional (hummos e afins), gostoso e barato. É um local popular, que ainda não foi invadido por turistas. E a vista! A vista!!! Vou deixar as fotos falarem por mim.

E único lugar vegetariano/vegano da cidade (e que eu não visitei):

The Olive Tree (Sodeco Square, Bloco D, térreo, Ashrafieh)

Tem um café/restaurante totalmente orgânico, vegetariano e vegano, com opções sem glúten, que não usa nada refinado. Parece maravilhoso, mas eu nunca fui lá. Eu queria ter ido, mas o tempo foi passando e eu acabei indo embora da cidade sem ter passado por lá. Uma pena. Então não posso dizer se é bom, mas achei que deveria inclui-lo no guia, mesmo assim, e deixar vocês descobrirem (cada uma vai por sua conta e risco!).

IMG_2476

IMG_3431

Gostaria de terminar esse guia com algumas dicas não comestíveis. Se quiserem ver um filme, o Metropolis Cinema (Rue Michel Bustros, Achrafieh) tem sempre opções interessantes (filmes de arte, indies, cinema europeu obscuro, produções independentes). O Museu Sursok (Greek Ortodoxo Archbishopric Street – Ashrafieh) foi um dos lugares que mais gostei na cidade. O prédio é lindo, a coleção de arte moderna, feita principalmente por artistas libaneses, é muito interessante e a entrada é gratuita. A Corniche, que é o calçadão da praia em Beirute, merece ser visitada várias vezes, no final da tarde e à noite. E já que você está lá, olhando os locais irem e virem, ou fumarem narguilê de frente ao mar, prove as favas ou tremoço dos vendedores ambulantes que estão sempre por ali.

IMG_3003

IMG_3222

Eu dividi um apartamento enquanto morei lá, mas uma amiga ficou hospedada na Saifi Guest House, a pousada da nossa escola de Árabe, e gostou muito. Quem estiver procurando hospedagem relativamente barata, é pra lá que você deve ir. Fica muito bem localizada, em Ashrafieh, (de lá dá pra ir andando pra vários lugares que indiquei nesse guia) e fica em cima do restaurante Im Nazzieh.

IMG_3426

Se me perguntarem o que é o pior e o melhor de Beirute, diria o seguinte. Pior: os preços de tudo, mas principalmente de telefone (crédito pra celular) e internet, o cheiro (estive por lá durante uma greve de garis e o lixo se acumulava pelas ruas), o trânsito maluco e os carros sempre estacionados nas calçadas e os cortes diários de eletricidade. O melhor? Os tesouros escondidos em cada esquina (viagem com os olhos e a mente bem abertos), a gentileza das pessoas (duas me venderam fiado! Numa capital!!!) e a comida, claro. Comi em muitos lugares que não entraram no guia e tive várias surpresas boas. Como um café perdido no meio de um bairro residencial, longe do centro, que servia cappuccino  com leite de soja e sanduíches com queijo de amêndoas. Então não seja tímida, pergunte sempre o que tem de vegano no menu ou que pode ser veganizado na cozinha e garanto que você, amiga vegana, não só não passará fome em Beirute como voltará pra casa com as papilas encantadas.

133A3936

Se Beirute fosse um cheiro, eu diria: jasmim com lixo. Eu sei, eu sei, parece horrível falar assim de uma cidade tão linda, mas foi esse o aroma que ficou gravado na minha memória olfativa. Se Beirute fosse um sabor, seria man’oushe de za’atar com hortelã fresca, tomate e azeitonas pretas. Se Beirute fosse uma música, seria com certeza uma canção de Fairuz, a grande dama da música libanesa. Mas confesso que atualmene meu coração está pendendo pro lado de uma outra cantora de Beirute, Yasmine Hamdam, e é ela que escuto quando bate saudades da cidade (especialmente essa música).

Quer ver mais fotos de Beirute? Escrevi esse post ano passado e sugiro também dar uma olhada no meu Instagram, pois postei muitas fotos lá quando estava morando na cidade (procure a #papacapimbeirute).