O lanche da última viagem

Em tempos de pandemia global, não viajamos tanto quanto costumávamos no mundo pré-2020. Mas sei que, aos poucos, as pessoas estão voltando a viajar, por isso aqui está o post falando sobre o lanche que veio comigo do Brasil dias atrás, como prometido.

A ideia é usar isso como ponto de partida pra falar sobre autonomia alimentar e convidar a expandir o olhar quando pensando nessa categoria que chamamos de “lanche”. Mas antes, deixa eu recomendar um post que escrevi há exatos 10 anos falando sobre como ser uma pessoa vegana em viagens. O post se chama “Vegano na estrada” e é puro Papacapim vintage! A maneira como eu escrevia era diferente e leitoras raízes vão perceber que minha escolha de palavras mudou, que hoje uso o feminino como plural – e como genérico- e que não falo mais de “comida vegana” (veganas são as pessoas, a comida é vegetal). Acho uma delícia ter um blog há tanto tempo, pois tenho o registro escrito (e em fotos) da evolução do meu pensamento e do meu trabalho como militante antiespecista. O post está cheio de dicas preciosas pra quem acabou de chegar no veganismo, ou já está aqui há um certo tempo, mas ainda passa perrengue em viagens.

Depois de ler esse post didático escrito por uma versão mais fofa de mim mesma (porque 10 anos mais jovem e meu grau de fofura deu uma baixada boa entre o meu eu de 29 anos e o meu eu atual, prestes a completar 40), voltemos pro lanche da foto acima. Eu ia fazer uma viagem de 24 horas, que envolvia dois aviões e muito tempo de espera no meio. Ali tinha: tofu mexido com tomate, batata doce e banana da terra cozidas, pão com pasta de pimentão vermelho, couve refogada e quiabo grelhado, duas tapiocas com coco (uma delas foi recheada com pasta de amendoim e banana antes de ser embalada), uma maçã e uma barra de chocolate amargo (85% de cacau). Seguem as explicações.

Eu precisava de uma refeição sólida + alguns lanches nutritivos pra chegar do outro lado do Atlântico alimentada. Eu tinha pedido uma refeição 100% vegetal no avião (tem que reservar na hora de comprar a passagem, seja pela internet ou através de uma agente de viagem), mas como geralmente é muito ruim, prefiro sair de casa preparada. Na hora de montar lanches pra viagem penso em coisas que eu gosto muito de comer, porque minhas viagens são tão cansativas que acho importante inserir um pouco de alegria nelas na forma de comida. Fico tão feliz ao abrir a marmita e me deparar com comida que eu amo, ainda mais quando estou exausta e com as costas doendo do tempo passado sentada em poltronas apertadas. Outro critério importante: a comida não pode estragar com facilidade nem fazer lambança na hora de ser degustada (coisas com muito molho ou caldo estão banidas). Percebi que muita gente acha que é proibido levar comida pro avião, mas no Brasil é de boas e em quase todos os outros lugares é possível. Tem países onde não dá pra entrar com fruta fresca, ou com líquidos que tenham mais de 100ml (a Europa é assim, seja o líquido em questão uma bebida ou um produto de higiene pessoal), mas as regras variam de acordo com o país e eu não sou o Google pra saber de tudo (viu como deixei de ser fofa?). Faça uma pesquisa aí pra saber o que você pode ou não levar com você na hora de atravessar os controles de segurança nos aeroportos no exterior.

As refeições vegetais servidas durante o voo SP-Paris (com a Latam) realmente eram muito ruins, mas a comida que eu estava carregando na bolsa foi mais que suficiente pra me alimentar durante todo o tempo que fiquei no ar e em aeroportos.

Agora uma palavrinha sobre o que consideramos “lanche”. Pretendo aprofundar essa assunto em um outro post, mas por hora vamos combinar que o agroalimentar colonizou nossa mente de tal maneira que agora a maior parte das pessoas acredita que “lanche” só pode ser o que vem em um pacote preparado pela indústria. Tem que ser algo pronto e ultraprocessado, como biscoitos recheados, iogurtes de beber, barras ultra açucaradas, achocolatados em caixinhas, salgadinhos… Não estou dizendo que ninguém deve comprar lanches prontos, principalmente se não tiver tempo pra preparar algo em casa. Estou dizendo que ao entender “lanche” como uma refeição pequena, e não uma categoria de alimentos ultraprocessados, faz com que as possibilidades se expandam, trazendo mais diversidade e autonomia pra nossa alimentação. Batata doce cozida? Pode ser lanche. Tapioca com coco? Também. Uma fruta fresca? É lanche! O resto do quiabo com coco ou do creme de milho e cebola do almoço? Podem ir pra dentro de um pão e se tornarem lanche. Esse lanche que você está vendo na foto, por exemplo, foi improvisado horas antes da viagem com as comidas que fui encontrando na geladeira. Tá sentindo as possibilidades se multiplicando?

Maxixada

Há muitos anos declamei aqui o meu amor por maxixe na forma de pirão. Maxixe é um legume um pouco esquecido e que aparece mais em feiras do que em supermercados (mais um motivo pra não frequentar supermercados). O pirão ainda é um dos meus pratos preferidos, mas descobri recentemente (graças à minha irmã Lu) que maxixe com leite de coco também é um desbunde!

Repare que tudo com leite de coco fica melhor. Repare também que a receita do que a gente começou a chamar de “maxixada” (tradução: maxixe no coco) lá em casa é mais uma versão da fórmula “legumes + leite de coco + coentro”. Que você use banana da terra ou caju (e chame de “moqueca”), quiabo ou maxixe, os ingredientes da base e o preparo são os mesmos. Mas apesar de compartilhar os elementos, o resultado final é sempre distinto, já que o ingrediente principal muda. E digo mais. Se estamos repetindo essa fórmula, mudando somente o ingrediente principal, é por uma razão: é sempre uma delícia!

Continuar lendo “Maxixada”

Os últimos dois meses

Voltei. Leva sempre alguns dias pra que eu possa chegar completamente. O que me lembrou agora daquela cena do filme “O homem que enganou o diabo”, quando o diabo quer aparecer pro herói do filme e ameaça dizendo: “Eu vou cair”, aí o herói responde: “Então caia!” e o diabo começa a cair, do teto, aos pedaços… primeiro um braço, depois uma perna. Nisso o herói perde paciência e diz: “Caia logo todo!” Essa sou eu, chegando aos pedaços e perdendo paciência, querendo chegar logo toda, inteira, de uma vez. Mas não dá pra apressar essas coisas. Tem a mudança de fuso horário, sim, mas é algo muito mais complexo. No momento o corpo parece estar aqui, mas a cabeça está tardando a chegar.

Continuar lendo “Os últimos dois meses”

Ela pode ficar ainda melhor

Estou escrevendo essas linhas diretamente do aeroporto de Guarulhos, onde espero a conexão que me levará de volta pra casa, em Paris. A estada natalense acabou e antes de fazer um post mais detalhado sobre os dois meses que passei em terras potiguares, aqui vai a continuação do último post. Sabe aquela tapioca com coco deliciosa que ensinei? Ela pode ficar ainda melhor. Seguem as explicações.

Continuar lendo “Ela pode ficar ainda melhor”

Tapioca com coco

Quantas tapiocas posso comer antes de voltar pra França? Volto pra casa daqui a alguns dias e quando o momento de ir embora se aproxima minha obsessão com comida tradicional, aquela que cresce por aqui e que faz parte da minha cultura alimentar, só aumenta. Tenho que comer todos os mamões e mangas que passar pela minha frente. Cuscuz com leite de coco toda noite. Pãozinho de macaxeira no lanche. E tapioca, muita tapioca!

Continuar lendo “Tapioca com coco”

Escritos pra lembrar que estamos no mês da visibilidade lésbica

Agosto é o mês da visibilidade lésbica no Brasil e todo ano eu escrevia um post sobre o tema no Instagram. Mas o Instagram desativou a minha conta por lá (entenda o ocorrido aqui), então o post desse ano será aqui. E olha que feliz: escrever no blog significa que quem decide o número de caracteres sou eu e poderei publicar um texto do tamanho que o coração mandar. Como eu já escrevi bastante sobre vivência lésbica, lesbofobia e a alegria de ser lésbica por lá, e que esse material foi deletado junto com a minha conta, resolvi trazer uma parte pra cá. Seria uma pena perder as conversas que tivemos por lá e que tocou e fez refletir muita gente. Então você vai encontrar aqui reflexões e relatos pessoais que postei nos stories, textos curtos que estavam no feed mais alguns parágrafos inéditos.

Continuar lendo “Escritos pra lembrar que estamos no mês da visibilidade lésbica”

Macaco

A estrada que vai pro povoado onde o meu pai mora, no Sertão potiguar, passa por algumas das cidades com os melhores nomes que conheço. Tem “Cachoeira do Sapo” e, logo depois, “Caiçara do Rio do Vento”, que é o nome de cidade mais poético que já ouvi (embora um rio do vento é um rio que secou e isso, no Sertão, é drama, não poesia). Quando eu era criança misturava os nomes dessas duas cidades e durante anos pensei que tinha uma “Cachoeira do Rio do Vento”. Lembro de imaginar como devia ser lindo uma cachoeira onde, ao invés de água, caía vento. Aqui no RN tem também outro nome de cidade ótimo: “Santo Antônio do Salto da Onça”. Diz meu pai que o salto que essa onça deu foi tão incrível que passou a ser o nome da cidade, embora oficialmente o lugar se chame apenas “Santo Antônio”. 

Continuar lendo “Macaco”

Querida pessoa vegetariana que gostaria de se tornar vegana um dia

Você, amiga vegetariana, que diz concordar com os princípios do veganismo e que tem condições materiais de escolher o que come, mas ainda “come algo com queijo quando não encontra opções veganas”. Seja na rua, no restaurante, nas festas de família, nas viagens, na casa das amigas… Muitas vezes até mesmo na própria casa. Chega mais que eu gostaria de ter uma conversa com você. 

Continuar lendo “Querida pessoa vegetariana que gostaria de se tornar vegana um dia”

Pela canjica e pela nossa cultura alimentar

Canjica é um daqueles pratos que causam confusão. O que eu, e minhas conterrâneas potiguares, chamamos de canjica é conhecido como “curau” em outras regiões. Já o que a galera dessas outras regiões chama de “canjica” eu chamo de “mungunzá”. Vivendo em um país do tamanho de um continente, essas variações lexicais são mais que normais. Eu chamo canjica, você chama curau, ela chama de mingau de milho e tá tudo bem.

Continuar lendo “Pela canjica e pela nossa cultura alimentar”

Guisado cubano

Minha irmã caçula, Lu, já apareceu nesse blog várias vezes. Na verdade, quem aparece são as receitas dela. O bolo de laranja dela mudou a vida de muita gente que acreditava que tinha alguma incapacidade genética pra fazer bolos. E convenceu outro tanto de que é possível fazer bolo fofinho sem ovo. Tem também o hummus cubano, que ela me ensinou ano passado e que eu compartilho desde então com todas as pessoas que cruzam o meu caminho. Sucesso absoluto de público e de crítica.

Continuar lendo “Guisado cubano”

Almoços

É uma história que aconteceu há muitos anos, mas nunca esqueci. Eu estava no Sertão, visitando uma tia. Eu tinha me tornado vegana há pouco tempo e comer na casa de familiares ainda causava uma certa tensão. Não do meu lado, mas do lado da família, que não sabia mais o que cozinhar pra mim. Eu repetia que bastava fazer o de sempre: feijão, arroz, macaxeira, tapioca, cuscuz, batata doce… Sempre repito que o Nordeste é o melhor lugar do mundo pra ser vegana, pois a base da nossa cultura alimentar é vegetal. Mas lá estava eu, na cozinha da tia, na hora do almoço, depois dela ter me dito, mais uma vez, que não sabia o que cozinhar pra mim. Ela tinha preparado feijão verde, arroz, batata doce e macaxeira cozidas, salada crua e maxixe. Também tinha preparado uma galinha. Quando terminei de encher o meu prato, que estava abarrotado de comida e lindamente colorido, minha tia olhou pra ele com cara de tristeza, suspirou e disse: “Achou alguma coisa pra colocar no prato, minha filha?” 

Continuar lendo “Almoços”

Feijão de mãe

Esse texto é sobre duas coisas diferentes, mas que se encontram no final. 

Uns dias atrás eu estava reunida com boa parte da minha família, numa casa de praia aqui do lado de Natal. Eu estava preparando o almoço com a minha cunhada e discutíamos sobre o que nós consideramos como essencial em termos de conhecimento culinário. Concordamos que qualquer pessoa no nosso território (o Nordeste) deveria saber preparar o essencial da nossa cultura alimentar: 1- feijão, 2- arroz, 3- cuscuz e 4- tapioca. Assim a pessoa garante sua autonomia alimentar no café, almoço e jantar. O resto (legumes refogados, salada, uma pasta pra passar na tapioca) também é importante, tanto pra ter uma alimentação diversificada quanto pra garantir refeições saborosas, mas deve ser construído em cima dessa base. Isso deve ser adaptado em função da sua cultura alimentar, obviamente. Tapioca não faz sentido pra todo mundo e talvez aí onde você mora o seu “essencial” seja diferente. 

Continuar lendo “Feijão de mãe”

Creme de milho e cebola

Eu tenho uma pequena lista de assuntos sobre as quais eu gostaria de escrever. Aconteceu muita coisa nos últimos dias que me fizeram refletir e uma das razões que me levam a alimentar esse blog é ter um espaço pra compartilhar essas reflexões (minha pobre família já não aguenta mais minhas palestras cotidianas). Mas aí eu estava encarregada do fazer o almoço hoje e fiz algo tão gostoso que pensei que falar de qualquer outra coisa antes de compartilhar a receita seria um erro. 

Continuar lendo “Creme de milho e cebola”

Jardins da Comuna – Ep 6

Lembram da luta pra salvar os jardins operários de Aubervilliers, a cidade na periferia norte de Paris onde moro? Um oficial de justiça esteve na ocupação semana passada e deu um ultimato: os lotes devem ser liberados até o dia 15 de julho. Estou acompanhando daqui, com o coração na mão, as ações de resistência das camaradas que ficaram defendendo esse território, incluindo Anne, minha esposa.

Continuar lendo “Jardins da Comuna – Ep 6”

…mas tem quiabo também

Na última vez que estive aqui, no final do ano passado, Fábio, um dos feirantes da CECAFES (Cooperativa Central de Comercialização da Agricultura Familiar de Economia Solidária, do lado da CEASA), que é onde minha irmã Lu compra frutas e verduras pra nossa família, nos contou que preparava quiabo no leite de coco. Dessas coisas lindas que acontecem quando você conhece as pessoas que vendem (no caso da CECAFES, que plantam) a comida que você come: trocamos dicas e receitas. Eu nunca tinha ouvido falar dessa maneira de preparar quiabo, mas como adoro esse vegetal, fiquei curiosa pra testar a versão dele. Acontece que eu gosto tanto de quiabo grelhado que sempre que tinha quiabo em casa eu grelhava o danado e acabei voltando pra França sem preparar o tal do quiabo no coco. Já Lu, mais aventureira em se tratando de quiabo, resolveu seguir a dica de Fábio e foi um sucesso absoluto com a minha família (todo mundo adora quiabo aqui).

Continuar lendo “…mas tem quiabo também”

Tudo vai mudar (anúncio importante)

A vida tem dessas ironias. 

No último post contei que há alguns meses as tarefas da militância tinham se multiplicado de tal modo que eu já não conseguia produzir conteúdo no Instagram nem aparecer aqui no blog com a frequência que eu gostaria. Eu estava aguentando o tranco porque sabia que era uma situação temporária, pois no início de julho eu viria pro Brasil e, deixando as tarefas lá em Paris, eu teria mais tempo pra compartilhar receitas e histórias nos dois canais que uso pra fazer isso (IG e blog). 

Continuar lendo “Tudo vai mudar (anúncio importante)”

Bilhete pras pessoas que apoiam o meu trabalho

Ano passado tomei coragem e lancei uma campanha de financiamento contínuo no Apoia-se Era algo que eu pensava em fazer há tempos, pois seguir produzindo conteúdo (receitas, artigos, reflexões, entrevistas) aqui e no Instagram exige bastante tempo e eu sempre tinha que escolher entre seguir fazendo isso (trabalho não remunerado) ou usar meu tempo fazendo outras atividades que me permitissem pagar os boletos e colocar o tofu na mesa. A campanha de financiamento contínuo foi a maneira que encontrei, por enquanto, de seguir servindo minha comunidade e ao mesmo tempo ser remunerada pelo trabalho feito.

Continuar lendo “Bilhete pras pessoas que apoiam o meu trabalho”

Saudade de casa

Felizmente daqui a exatamente um mês estarei no Brasil novamente. Fazendo comida nessa cozinha, deixando recados pra galera da preguiça nos azulejos, cuidando da minha mãe, passeando toda tarde com ela, minha tia e sobrinha e voltando pra casa com as mãos cheias de frutas colhidas pelo caminho. Quer dizer, em julho não tem caju nem manga, né?

Continuar lendo “Saudade de casa”

Jardins da Comuna – Ep 5

Uma visita aos jardins com Lucas

No último episódio eu dei a palavra à algumas das jardineiras e jardineiros que cultivam a terra nos Jardins Operários de Aubervilliers. Aquelas falas precisaram passar por mim, que fiz a tradução e hoje eu queria que vocês ouvissem diretamente um dos jardineiros que fala Português.

Começamos a conversa no lote dele e seguimos papeando enquanto passeávamos pelos jardins. Foi difícil fazer esse episódio, pois naquele dia as máquinas entraram nos jardins, as maquinas que vieram executar o plano de destruição de 4mil m2 das hortas, que serão substituídas por um centro aquático, ligado à uma piscina de treinamento pras Olimpíadas de Paris de 2024. 

Continuar lendo “Jardins da Comuna – Ep 5”

Molho de amendoim e gengibre

Eu tinha planejado publicar essa receita semana passada, mas a situação de violência colonial israelense na Palestina ocupada explodiu novamente e desde então falar de qualquer outra coisa se tornou absurdo. Quem me acompanha no Instagram viu que compartilho informações e artigos por lá diariamente, na maior parte do tempo traduzidos de outras línguas. É um trabalho intenso, mas a Palestina não deixou de estar no centro da minha militância quando eu saí de lá.

Então vamos fazer assim. Por hora, passem no meu Instagram pra acompanhar os acontecimentos na Palestina. E sigam as outras pessoas/coletivos/mídias de confiança que recomendo por lá. E aqui, focaremos na comida, pelo menos por enquanto.

Continuar lendo “Molho de amendoim e gengibre”