O lanche da última viagem

Em tempos de pandemia global, não viajamos tanto quanto costumávamos no mundo pré-2020. Mas sei que, aos poucos, as pessoas estão voltando a viajar, por isso aqui está o post falando sobre o lanche que veio comigo do Brasil dias atrás, como prometido.

A ideia é usar isso como ponto de partida pra falar sobre autonomia alimentar e convidar a expandir o olhar quando pensando nessa categoria que chamamos de “lanche”. Mas antes, deixa eu recomendar um post que escrevi há exatos 10 anos falando sobre como ser uma pessoa vegana em viagens. O post se chama “Vegano na estrada” e é puro Papacapim vintage! A maneira como eu escrevia era diferente e leitoras raízes vão perceber que minha escolha de palavras mudou, que hoje uso o feminino como plural – e como genérico- e que não falo mais de “comida vegana” (veganas são as pessoas, a comida é vegetal). Acho uma delícia ter um blog há tanto tempo, pois tenho o registro escrito (e em fotos) da evolução do meu pensamento e do meu trabalho como militante antiespecista. O post está cheio de dicas preciosas pra quem acabou de chegar no veganismo, ou já está aqui há um certo tempo, mas ainda passa perrengue em viagens.

Depois de ler esse post didático escrito por uma versão mais fofa de mim mesma (porque 10 anos mais jovem e meu grau de fofura deu uma baixada boa entre o meu eu de 29 anos e o meu eu atual, prestes a completar 40), voltemos pro lanche da foto acima. Eu ia fazer uma viagem de 24 horas, que envolvia dois aviões e muito tempo de espera no meio. Ali tinha: tofu mexido com tomate, batata doce e banana da terra cozidas, pão com pasta de pimentão vermelho, couve refogada e quiabo grelhado, duas tapiocas com coco (uma delas foi recheada com pasta de amendoim e banana antes de ser embalada), uma maçã e uma barra de chocolate amargo (85% de cacau). Seguem as explicações.

Eu precisava de uma refeição sólida + alguns lanches nutritivos pra chegar do outro lado do Atlântico alimentada. Eu tinha pedido uma refeição 100% vegetal no avião (tem que reservar na hora de comprar a passagem, seja pela internet ou através de uma agente de viagem), mas como geralmente é muito ruim, prefiro sair de casa preparada. Na hora de montar lanches pra viagem penso em coisas que eu gosto muito de comer, porque minhas viagens são tão cansativas que acho importante inserir um pouco de alegria nelas na forma de comida. Fico tão feliz ao abrir a marmita e me deparar com comida que eu amo, ainda mais quando estou exausta e com as costas doendo do tempo passado sentada em poltronas apertadas. Outro critério importante: a comida não pode estragar com facilidade nem fazer lambança na hora de ser degustada (coisas com muito molho ou caldo estão banidas). Percebi que muita gente acha que é proibido levar comida pro avião, mas no Brasil é de boas e em quase todos os outros lugares é possível. Tem países onde não dá pra entrar com fruta fresca, ou com líquidos que tenham mais de 100ml (a Europa é assim, seja o líquido em questão uma bebida ou um produto de higiene pessoal), mas as regras variam de acordo com o país e eu não sou o Google pra saber de tudo (viu como deixei de ser fofa?). Faça uma pesquisa aí pra saber o que você pode ou não levar com você na hora de atravessar os controles de segurança nos aeroportos no exterior.

As refeições vegetais servidas durante o voo SP-Paris (com a Latam) realmente eram muito ruins, mas a comida que eu estava carregando na bolsa foi mais que suficiente pra me alimentar durante todo o tempo que fiquei no ar e em aeroportos.

Agora uma palavrinha sobre o que consideramos “lanche”. Pretendo aprofundar essa assunto em um outro post, mas por hora vamos combinar que o agroalimentar colonizou nossa mente de tal maneira que agora a maior parte das pessoas acredita que “lanche” só pode ser o que vem em um pacote preparado pela indústria. Tem que ser algo pronto e ultraprocessado, como biscoitos recheados, iogurtes de beber, barras ultra açucaradas, achocolatados em caixinhas, salgadinhos… Não estou dizendo que ninguém deve comprar lanches prontos, principalmente se não tiver tempo pra preparar algo em casa. Estou dizendo que ao entender “lanche” como uma refeição pequena, e não uma categoria de alimentos ultraprocessados, faz com que as possibilidades se expandam, trazendo mais diversidade e autonomia pra nossa alimentação. Batata doce cozida? Pode ser lanche. Tapioca com coco? Também. Uma fruta fresca? É lanche! O resto do quiabo com coco ou do creme de milho e cebola do almoço? Podem ir pra dentro de um pão e se tornarem lanche. Esse lanche que você está vendo na foto, por exemplo, foi improvisado horas antes da viagem com as comidas que fui encontrando na geladeira. Tá sentindo as possibilidades se multiplicando?

Escritos pra lembrar que estamos no mês da visibilidade lésbica

Agosto é o mês da visibilidade lésbica no Brasil e todo ano eu escrevia um post sobre o tema no Instagram. Mas o Instagram desativou a minha conta por lá (entenda o ocorrido aqui), então o post desse ano será aqui. E olha que feliz: escrever no blog significa que quem decide o número de caracteres sou eu e poderei publicar um texto do tamanho que o coração mandar. Como eu já escrevi bastante sobre vivência lésbica, lesbofobia e a alegria de ser lésbica por lá, e que esse material foi deletado junto com a minha conta, resolvi trazer uma parte pra cá. Seria uma pena perder as conversas que tivemos por lá e que tocou e fez refletir muita gente. Então você vai encontrar aqui reflexões e relatos pessoais que postei nos stories, textos curtos que estavam no feed mais alguns parágrafos inéditos.

Continuar lendo “Escritos pra lembrar que estamos no mês da visibilidade lésbica”

Almoços

É uma história que aconteceu há muitos anos, mas nunca esqueci. Eu estava no Sertão, visitando uma tia. Eu tinha me tornado vegana há pouco tempo e comer na casa de familiares ainda causava uma certa tensão. Não do meu lado, mas do lado da família, que não sabia mais o que cozinhar pra mim. Eu repetia que bastava fazer o de sempre: feijão, arroz, macaxeira, tapioca, cuscuz, batata doce… Sempre repito que o Nordeste é o melhor lugar do mundo pra ser vegana, pois a base da nossa cultura alimentar é vegetal. Mas lá estava eu, na cozinha da tia, na hora do almoço, depois dela ter me dito, mais uma vez, que não sabia o que cozinhar pra mim. Ela tinha preparado feijão verde, arroz, batata doce e macaxeira cozidas, salada crua e maxixe. Também tinha preparado uma galinha. Quando terminei de encher o meu prato, que estava abarrotado de comida e lindamente colorido, minha tia olhou pra ele com cara de tristeza, suspirou e disse: “Achou alguma coisa pra colocar no prato, minha filha?” 

Continuar lendo “Almoços”

Feijão de mãe

Esse texto é sobre duas coisas diferentes, mas que se encontram no final. 

Uns dias atrás eu estava reunida com boa parte da minha família, numa casa de praia aqui do lado de Natal. Eu estava preparando o almoço com a minha cunhada e discutíamos sobre o que nós consideramos como essencial em termos de conhecimento culinário. Concordamos que qualquer pessoa no nosso território (o Nordeste) deveria saber preparar o essencial da nossa cultura alimentar: 1- feijão, 2- arroz, 3- cuscuz e 4- tapioca. Assim a pessoa garante sua autonomia alimentar no café, almoço e jantar. O resto (legumes refogados, salada, uma pasta pra passar na tapioca) também é importante, tanto pra ter uma alimentação diversificada quanto pra garantir refeições saborosas, mas deve ser construído em cima dessa base. Isso deve ser adaptado em função da sua cultura alimentar, obviamente. Tapioca não faz sentido pra todo mundo e talvez aí onde você mora o seu “essencial” seja diferente. 

Continuar lendo “Feijão de mãe”

Tudo vai mudar (anúncio importante)

A vida tem dessas ironias. 

No último post contei que há alguns meses as tarefas da militância tinham se multiplicado de tal modo que eu já não conseguia produzir conteúdo no Instagram nem aparecer aqui no blog com a frequência que eu gostaria. Eu estava aguentando o tranco porque sabia que era uma situação temporária, pois no início de julho eu viria pro Brasil e, deixando as tarefas lá em Paris, eu teria mais tempo pra compartilhar receitas e histórias nos dois canais que uso pra fazer isso (IG e blog). 

Continuar lendo “Tudo vai mudar (anúncio importante)”

Bilhete pras pessoas que apoiam o meu trabalho

Ano passado tomei coragem e lancei uma campanha de financiamento contínuo no Apoia-se Era algo que eu pensava em fazer há tempos, pois seguir produzindo conteúdo (receitas, artigos, reflexões, entrevistas) aqui e no Instagram exige bastante tempo e eu sempre tinha que escolher entre seguir fazendo isso (trabalho não remunerado) ou usar meu tempo fazendo outras atividades que me permitissem pagar os boletos e colocar o tofu na mesa. A campanha de financiamento contínuo foi a maneira que encontrei, por enquanto, de seguir servindo minha comunidade e ao mesmo tempo ser remunerada pelo trabalho feito.

Continuar lendo “Bilhete pras pessoas que apoiam o meu trabalho”

Saudade de casa

Felizmente daqui a exatamente um mês estarei no Brasil novamente. Fazendo comida nessa cozinha, deixando recados pra galera da preguiça nos azulejos, cuidando da minha mãe, passeando toda tarde com ela, minha tia e sobrinha e voltando pra casa com as mãos cheias de frutas colhidas pelo caminho. Quer dizer, em julho não tem caju nem manga, né?

Continuar lendo “Saudade de casa”

Jardins da Comuna – Ep 5

Uma visita aos jardins com Lucas

No último episódio eu dei a palavra à algumas das jardineiras e jardineiros que cultivam a terra nos Jardins Operários de Aubervilliers. Aquelas falas precisaram passar por mim, que fiz a tradução e hoje eu queria que vocês ouvissem diretamente um dos jardineiros que fala Português.

Começamos a conversa no lote dele e seguimos papeando enquanto passeávamos pelos jardins. Foi difícil fazer esse episódio, pois naquele dia as máquinas entraram nos jardins, as maquinas que vieram executar o plano de destruição de 4mil m2 das hortas, que serão substituídas por um centro aquático, ligado à uma piscina de treinamento pras Olimpíadas de Paris de 2024. 

Continuar lendo “Jardins da Comuna – Ep 5”

Molho de amendoim e gengibre

Eu tinha planejado publicar essa receita semana passada, mas a situação de violência colonial israelense na Palestina ocupada explodiu novamente e desde então falar de qualquer outra coisa se tornou absurdo. Quem me acompanha no Instagram viu que compartilho informações e artigos por lá diariamente, na maior parte do tempo traduzidos de outras línguas. É um trabalho intenso, mas a Palestina não deixou de estar no centro da minha militância quando eu saí de lá.

Então vamos fazer assim. Por hora, passem no meu Instagram pra acompanhar os acontecimentos na Palestina. E sigam as outras pessoas/coletivos/mídias de confiança que recomendo por lá. E aqui, focaremos na comida, pelo menos por enquanto.

Continuar lendo “Molho de amendoim e gengibre”

Jardins da Comuna – Ep 3 e 4

Ep 3—“Devastação 2024”

(áudio passarinhos cantando)

No último episódio falei sobre a orquestra de passarinhos que anima os Jardins Operários e eu não podia deixar de trazer essa melodia pra vocês. Mas estamos na periferia norte de Paris, então o canto dos pássaros, incluindo do galo que mora nos jardins, vem acompanhado do barulho de  carros, buzinas e das construções ali por perto. 

Eu comecei a frequentar os Jardins Operários no meio do ano passado, quando o Coletivo de Defesa dos Jardins foi criado. Não é difícil entender a importância dessas hortas na segurança alimentar das famílias que cultivam ali, mas só quando passei a conversar com as jardineiras e jardineiros, pude ter noção do que os jardins realmente significam pra elas. E isso vai muito além da possibilidade de ter verduras frescas na mesa. 

Continuar lendo “Jardins da Comuna – Ep 3 e 4”

Jardins da Comuna (Ep 1 e 2)

Dentre as várias lutas que participo aqui no território onde moro (periferia norte de Paris), a luta pela preservação dos Jardins Operários é uma das mais importantes. Por isso nasceu a ideia de um projeto colaborativo com a Biblioteca Terra Livre: um diário sonoro de resistência, que vai ao ar no podcast Antinomia.

Essa é a história de um pequeno grupo de operárias aposentadas e trabalhadoras, a maioria vinda da imigração, lutando pra defender o último pedaço de terra agrária de seu território contra o racismo ambiental, a gentrificação e a especulação imobiliária na periferia de Paris.

Continuar lendo “Jardins da Comuna (Ep 1 e 2)”

Cuidado na militância

Se o tema do último post foi “tarefas militantes”, pra mostrar como elas são diversas e ao alcance de todas as habilidades físicas e intelectuais e disponibilidades, hoje a conversa é sobre cuidado na militância. 

A sexta começou como é de costume por aqui. Café da manhã, meditação, um pouco de exercício, trabalho on-line…. À tarde as tarefas do fim de semana começavam, mas…

Continuar lendo “Cuidado na militância”

Sobre as tarefas da militância

Existe uma certa confusão sobre o que é militar, ser militante ou o que seria uma “militância revolucionária” e isso acaba afastando muitas pessoas da militância. Porque se por um lado tem quem ache que não possui as habilidades certas pra contribuir com a luta, por outro lado essa visão puramente estética da militância (o cara forte, que sabe de cor os escritos dos barbudos e bigodudos, que coloca fascista pra correr e peita a polícia nos protestos), que é bem pouco representativa da realidade, acaba convencendo muitas pessoas que militância não é pra elas.

Continuar lendo “Sobre as tarefas da militância”

O que podemos aprender com menus franceses antigos

Uns dias atrás eu estava no interior da França, visitando o meu sogro, e pedi pra ele me mostrar os cardápios antigos que ele herdou da mãe. O pai dele era chef e tinha um restaurante com uma estrela Michelin. A avó materna dele também era chef, também tinha um restaurante e também tinha uma estrela. Uns anos atrás ele me mostrou um cardápio de 1920 e fiquei impressionada com a quantidade de comida, mas, principalmente, com o número de animais servidos numa mesma refeição. A mãe dele gostava de guardar tanto os menus que a mãe e o esposo preparavam em seus restaurantes respectivos, quanto menus de lugares onde ela comia. Ela deixou esse mundo há alguns anos e meu sogro guarda preciosamente a caixa cheia com as dezenas de menus que ela colecionou durante a vida.

Continuar lendo “O que podemos aprender com menus franceses antigos”

Falar da luta antiespecista com camaradas de esquerda. E um bolo.

De cara, já aviso que não tenho a resposta. Vim aqui compartilhar minhas experiências militando dentro de um coletivo anticapitalista de tendência anarquista, na esperança de que elas possam inspirar quem está numa situação parecida.

Esse mês faz um ano que o nosso coletivo, as Brigadas de Solidariedade Popular (BSP), foi criado. Era o início da pandemia de Covid 19 e estávamos atravessando o primeiro lockdown na França. A primeira BSP apareceu em Milão, uma iniciativa de militantes antifascistas. Com o objetivo de organizar a solidariedade popular diante da crise sanitária e alimentar, as BSP logo se espalharam por uma parte da Europa. A BSP de onde eu moro, na periferia norte de Paris, foi a primeira da França e também veio da militância antifascista. Outras surgiram logo em seguida, fazendo com que a França fosse o país com o maior número de Brigadas. Um ano depois, poucas continuam ativas. A nossa nunca deixou de organizar atividades de solidariedade e seguimos mais ocupadas do que nunca. Isso se explica, de uma parte, pelo fato do território onde estamos ser o cantão mais pobre da França inteira. A crise alimentar e econômica, que já existia pré-Covid, nunca parou de aumentar por aqui. A longevidade do nosso coletivo também tem outra razão: o compromisso das militantes que o compõe, que ja vinham da luta antifascista, antiracista, feminista….mas não antiespecista. 

Continuar lendo “Falar da luta antiespecista com camaradas de esquerda. E um bolo.”

Como fazer tapioca

Como boa nordestina, tapioca ocupa um lugar de destaque no meu coração. Se eu tivesse que escolher entre pão e tapioca, escolheria a segunda sem pestanejar.

Tapioca é uma iguaria preparada com goma de mandioca (a fécula da mandioca) e degustada no café da manhã, lanche e jantar. Pode ser doce, mas é mais comum salgada. Pode ser servida no leite de coco ou recheada com tudo que sua imaginação mandar. É uma comida tradicional no território onde nasci e foi uma das primeiras coisas que aprendi a fazer. Apesar de ser degustada em todo o Nordeste, parece que tem lugares onde ela é chamada de “beiju”. No RN beiju é outra coisa (também feito de goma, mas diferente).

Continuar lendo “Como fazer tapioca”

Vegana na periferia e no mercado do bairro

Incrível como um conceito tão simples, alimentação vegetal, pode causar tanta confusão. Vem daí o mito de que ser vegana é elitista, que só é possível pra quem tem muito dinheiro e acesso a lojas de produtos especializados. 

O Brasil voltou pro mapa da fome (de acordo com a FAO) e atualmente mais de 10 milhões de brasileiras sofrem com ela (Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE 2017-2018). Desertos alimentares (lugares onde a oferta de alimentos frescos é escassa – ou inexistente- e sobra ultraprocessado) é uma realidade pra muita gente. O Brasil é do tamanho de um continente, as culturas alimentares são diversas e o acesso a comida varia muito de um território pra outro. Mas sem querer ignorar essa realidade, se alimentar exclusivamente de alimentos vegetais já é uma possibilidade pra muito mais gente do que se imagina. 

Continuar lendo “Vegana na periferia e no mercado do bairro”

E se, na gramática, o genérico fosse feminino?

Sempre soube que a maioria das pessoas que acompanham o meu trabalho é mulher. Não tenho como saber exatamente quem é quem me lendo aqui no blog, mas no Instagram isso é possível e adivinha?  Menos de 15% das pessoas que acompanham o meu trabalho lá são homens. 

Naomi Mayer, cozinheira, cientista social e mestranda em antropologia, levantou uma questão importante essa semana no perfil dela no Instagram (Fome de Entender): homens têm dificuldade em aprender com mulheres. Quando perguntei às amigas que também produzem conteúdo informativo na internet, a resposta foi a mesma: o público delas é quase exclusivamente feminino.

Continuar lendo “E se, na gramática, o genérico fosse feminino?”

Perguntas frequentes sobre veganismo – parte II

No último post trouxe algumas das perguntas/afirmações que ando escutando com frequência de pessoas que comem animais e seus derivados. Agora chegou a hora de conversar com pessoas veganas ou que estão considerando o veganismo, mas ainda têm dúvidas.

“Não me sinto à vontade pra recusar carne em comunidades tradicionais.”

Chegar em territórios tradicionais pra veganizar pessoas cheira a colonialismo. A menos que você faça parte da comunidade em questão, não faça isso.

Continuar lendo “Perguntas frequentes sobre veganismo – parte II”

Perguntas frequentes sobre veganismo

Interessante como as perguntas que mais escuto, quando alguém, no meio de uma conversa, descobre que sou vegana, foram evoluindo com o tempo. Hoje em dia raramente escuto coisas como: “Mas você não tem pena das plantas?” ou “O ser humano é carnívoro!”, embora ainda apareçam aqui e ali. Acredito que isso mostra como o movimento vegano cresceu e foi ganhando espaço nas discussões políticas. Mas ainda tem muitas ideia erradas relacionadas a ele. Pra ajudar a jogar luz em algumas questões cruciais dentro do movimento antiespecista comecei uma série de posts no meu perfil no Instagram respondendo algumas das perguntas e afirmações que mais escuto no momento. Aos poucos vou trazer esse conteúdo pra cá também, pois sei que muita gente que me lê aqui não usa o Instagram.

Continuar lendo “Perguntas frequentes sobre veganismo”