Um risotto pra Lobo

Risotto de cevada com espinafre e tomate seco

A melhor parte de ter um blog é que você acaba entrando em contato com muita gente bacana. Um dos meus primeiros “amigos de blog” foi Antônio Pasolini, conhecido na rede como Lobo Repórter. O fato de trabalharmos pela mesma causa, embora de maneiras diferentes, nos aproximou e desde então ele acompanha minhas receitas de lá e eu acompanho as notícias no seu ótimo blog de direitos animais de cá. Hoje é o aniversário dele e pra comemorar a data ele teve uma ideia super original: pedir aos amigos pra adotar uma dieta vegana durante essa semana (da segunda, dia 8, à sexta, dia 12) como presente. Vinte e sete amigos toparam o desafio e Lobo sugeriu o Papacapim como fonte de inspiração em matéria de receitas vegetais.

Ficaria extremamente feliz se hoje eu pudesse preparar um jantar especial pra ele e os amigos que embarcaram nessa aventura. Infelizmente enquanto nossa amizade continuar “virtual” o presente terá que ser virtual também. Essa foi a receita que criei dias atrás especialmente pra ele, mas que todos vocês podem fazer e se deliciar.

Quem ainda não conhece cevada precisa correr pro supermercado e levar um pacote pra casa. Esse cereal é gostoso, facílimo de preparar e extremamente rico em fibras. Por ter bastante amido, assim como o arroz de grão curto, ele fica ótimo como risotto. Dois anos atrás publiquei uma receita de risotto de cevada com tomate e abobrinha que é uma delícia, mas a receita de hoje é mais próxima de um risotto tradicional. Claro que “tradicional” na minha cozinha está longe de ser considerado tradicional por cozinheiros clássicos. Tanto os ingredientes quanto a técnica se afastam do risotto tradicional, mas o resultado é tão delicioso quanto, além de ter a imensa vantagem de ser menos trabalhoso. Cevada cozida tem uma textura interessante, mais firme do que arroz, mas ao mesmo tempo macia. É difícil descrever, só provando pra entender do que estou falando. E o trio creme-espinafre-tomate seco produz uma combinação maravilhosa de sabores.  Se você gostou do meu espinafre com creme, esse risotto será seu novo prato preferido.

Feliz aniversário, Lobo! Espero que você goste do risotto e se quiser provar esse e outros quitutes veganos feitos por mim, sabe que será mais que bem-vindo aqui na Terra Santa.

 

Risotto de cevada com espinafre e tomate seco

Cevada demora mais pra cozinhar do que arroz, mas é mais fácil fazer risotto com ela pois não tem perigo de passar do ponto: ela continua “al dente” mesmo depois de um longo cozimento. Se você não encontrar cevada, pode substitui-la por um arroz de risoto, mas essa receita é bem mais interessante com cevada. Se usar castanhas de caju como substituto pra creme de leite de vaca é algo novo pra você, ou se você tem medo da gordura das castanhas, você precisa ler esse post urgentemente.

1 cebola grande, picada

3 dentes de alho, amassados/ralados

1x de cevada (cevadinha)

1/2x de vinho branco seco

250g de espinafre, lavado e picado

2cs (bem cheias) de tomate seco, picado (de preferência o tipo que não é conservado no óleo)

1cs de azeite

1 cubo de caldo de legumes (sem conservantes)

1 litro de água

2/3x de castanha de caju (sem sal), de molho por 6 horas

1 1/2x de água

1/2cc de amido de milho (maisena)

Sal e pimenta do reino a gosto

Aqueça o azeite e doure a cebola. Junte o alho e deixe cozinhar mais alguns segundos. Acrescente a cevada, mexa bem e molhe com o vinho. Deixe evaporar totalmente e junte o caldo de legumes e 1 litro de água. Quando abrir fervura baixe o fogo e deixe cozinhar, semicoberto, até todo o líquido evaporar e a cevada ficar macia (ela continua um pouco firme mesmo depois de cozida). Se por acaso a água evaporar antes da cevada cozinhar, junte mais um pouquinho.

Bata a castanha de caju no liquidificador com 1 ½ x de água (pode usar a água do molho) e o amido de milho. A castanha deve se desintegrar totalmente, então seja paciente. Reserve.

Quando a cevada estiver macia e o líquido tiver evaporado, despeje o espinafre picado na panela, cubra e deixe cozinhar 30 segundos. Vai parecer que tem espinafre demais pra quantidade de cevada, mas esse legume reduz muito depois de cozido. Depois que o espinafre murchar junte o creme de castanha e o tomate seco e cozinhe mais 3-5 minutos, até o creme encorpar e o risoto ficar bem cremoso. Prove, corrija o sal e tempere com pimenta do reino a gosto. Deixe repousar 5 minutos, coberto, antes de servir. Rende 3-4 porções.

Nota: Risotto feito com arroz é melhor consumido imediatamente depois de preparado, mas eu gosto desse risotto ainda mais no dia seguinte, pois os sabores ficam mais intensos e a textura anda mais cremosa.

Sobre idéias e cevada

Risotto de cevada com tomate e abobrinha

Passo uma parte considerável do meu dia pensando em comida. Não em “comer comida”, mas sim em “preparar comida”. Certo, depois de preparar a comida ela acaba invariavelment no meu estômago, mas isso é uma consequência, não o objetivo. Fico pensando: “Se eu misturar isso com aquilo e salpicar um pouco daquilo outro…” E de repente surge uma idéia genial. Anoto então no meu caderno de “idéias comestíveis geniais”, pra não esquecer e poder preparar mais tarde. O engraçado é que às vezes, pesquisando nos blogs de cozinha ou lendo livros/revistas de culinária, me deparo com… a minha idéia genial. Alguém pensou nela antes de mim! Acho interessantíssimo isso de duas pessoas (ou mais) tão distantes fisicamente terem exatamente a mesma idéia. A receita de hoje é um exemplo disso. Mas deixemos de lado essa conversa metafísica e passemos ao que interessa aqui: comida.

Continuar lendo “Sobre idéias e cevada”