Sopa de cenoura e laranja

Há alguns dias comentei que um casal de amigos americanos veio jantar aqui em casa. Publiquei a sobremesa que servi pra eles aqui e hoje vou dividir com vocês a entrada que preparei naquele dia. Adoraria dividir a receita do prato principal, a verdadeira estrela da noite, mas isso terá que esperar até eu descobrir como fazer uma lasanha branca parecer apetitosa nas fotos (as tentativas que fiz até então foram desastrosas).

Mas antes de falar da sopa queria falar um pouco dos amigos. Uma das coisas que mais gosto aqui é poder encontrar gente do mundo inteiro e com horizontes tão diferentes. Você já ouviu falar nos “freegans”? Quem não conhece o freeganismo pode se informar com a mãe dos interessados. Vai lá, eu espero. Pois bem, esses amigos foram freegans durante anos nos EUA. Agoram que moram em Jerusalem, e trabalham em uma ONG internacional que cobre suas despesas com moradia e alimentação, eles abandonaram (temporariamente) esse modo de vida. Mas como a responsabilidade com o meio ambiente e o cuidado com a saúde ocupam um lugar essencial em suas vidas, eles continuam sem comer nenhum tipo de animal, com excessão das vezes em que são convidados e que a carne faz parte do menu. Eles se sentem mal quando recusam um prato preparado especialmente pra eles e preferem não ofender  o anfitrião. Eu encontro cada vez mais onívoros que tomaram consciência do que o consumo de carne significa (ruim pra saúde, péssimo pro meio ambiente) e que decidiram que carne pra eles é um luxo que deve ser aproveitado só de vez em quando. Tenho um amigo francês que seguiu o mesmo rumo e acabou levando a esposa também (Oi, Cédric! Oi, Lílian!). Encontrei alemães que só comiam carne se soubessem de onde ela vinha e tivessem a certeza que ela era orgânica e que o animal tinha sido criado em liberdade. Na prática isso significava que eles só comiam carne duas ou três vezes por ano, quando visitavam a fazenda dos pais.  O número de onívoros que não comem mais carne em casa, só quando vão ao restaurante, não pára de aumentar. Mesmo entre os “gourmets”, que sempre acreditaram que a carne ocupava o lugar principal na alta gastronomia, o consumo de carne está diminuindo e descobrir novas maneiras de utilizar vegetais virou tendência.

Fico muito feliz em ver que alguns onívoros estão adotando um consumo de carne responsável. Embora o meu coração deseje um mundo vegano, sei que pra muitas pessoas a idéia de nunca mais comer carne é simplesmente impensável. Aceito isso. Mas o que me deixa indignada são onívoros com comportamento de avestruz, que não sabem, não querem saber e têm raiva de quem tenta explicar que esse modo de vida é uma verdadeira catástrofe ambiental. Os “onívoros responsáveis” que conheço também adoram carne e apreciam um belo bife, exatamente como os “onívoros irresponsáveis/avestruzes”, mas eles deixam a razão, não o estômago, guiar suas escolhas. Sei que grande parte dos meus leitores não é veg, então gostaria de fazer um pedido: seja um onívoro responsável você também.

Agora voltemos à sopa do início do texto. Quando faço jantares em casa, geralmente sirvo salada ou algum tipo de patê e legumes crus na entrada. Porém fiz esse jantar naquela semana em que o aquecedor estava quebrado e fazia mais frio dentro de casa do que lá fora. Tudo que eu queria era uma sopinha pra aquecer o corpo. Como o prato principal era mais que robusto a sopa tinha que ser ultra leve. Sopa de cenoura e laranja foi a solução ideal: leve, saborosa e interessante o suficiente pra servir pra convidados. A combinação de sabores é inusitada, mas nossos amigos e eu adoramos. Já Anne não se entusiasmou tanto com a sopa, ela achou os sabores “estranhos”. Então fica o aviso: se for cozinhar pra pessoas que não são muito abertas à inovações gastronômicas talvez seja melhor escolher algo mais convencional.

Sopa de cenoura e laranja

Essa é uma sopa leve, perfeita pra servir antes de um prato robusto. Caramelizar a cenoura antes de acrescentar a água é essencial pois isso amplifia o seu sabor. A laranja se harmoniza perfeitamente com a cenoura e o resultado final é uma sopa intensa e viva.  Um prato extremamente simples mas interessante. Se você fizer essa sopa no verão sirva gelada em copinhos e você terá uma entrada refrescante.

1 cebola pequena

1 dente de alho

6x de cenouras em rodelas finas

1 litro de água

1 cubo de caldo de legumes (de preferência orgânico e sem conservantes)

Raspas de 1 laranja

Suco de 2 laranjas

2cs de azeite

Sal e pimenta do reino à gosto

Em uma panela grande, aqueça o azeite e refogue a cebola até ficar dourada. Junte o alho e a cenoura em rodelas, tampe e deixe cozinhar no vapor da panela, mexendo de vez em quando. Quando as cenouras estiverem ligeiramente caramelizadas (algumas vão pregar no fundo da panela, mexa bem pra desgrudá-las) junte o caldo de legumes e a água. Deixe cozinhar coberto até as cenouras amolecerem completamente. Deixe a sopa amornar e passe no liquidificador até ficar cremosa e sem nenhum pedacinho de cenoura visível. Devolva a sopa pra panela, junte o suco e as raspas de laranja e aqueça em forno baixo. Prove e junte uma pitada generosa de pimenta do reino e um pouco de sal, se achar necéssário (cuidado com o excesso de sal, o doce da cenoura e da laranja deve predominar). Serve 4-6 porções como entrada. Sirva em cumbucas pequenas e decore cada uma com folhas de salsinha.