No início da semana passada deixei Londres. Eu tinha ido pra lá com a intenção de ficar somente seis meses, então já cheguei com a data da partida programada. A experiência foi maravilhosa. Aprendi muito, melhorei minhas habilidades culinárias, conheci gente incrível e descobri lugares veganos deliciosos. E ainda tive o privilégio de ser temporariamente adotada e de dividir a cama com Danny, que aqueceu meus pés cansados nas noites frias inglesas.

No momento estou no interior da França, curtindo umas férias merecidas com Anne e admirando as vacas acima (elas são do vizinho, mas vivem espiando a gente por cima da cerca). Daqui a alguns dias irei pra Palestina, onde encontrarei os participantes do Tour Papacapim na Palestina. Vai ser uma aventura transformadora e a ansiedade está batendo no teto aqui no meu lado.

Fico pela Palestina até o final de dezembro, depois passarei novamente pela França e a próxima etapa por enquanto ainda é incerta. Mas tenho planos excitantes pra 2016. Vai ser lindo, vai ser colorido e vai ser delícia!

 E antes de ir embora (está quase na hora do chá e tem um pacote de Earl Grey pra lá de especial chamando meu nome) eu queria dividir algo com vocês. Na minha última semana em Londres deixaram o comentário mais hilário de todos os tempos aqui no blog.

Ultimamente começaram a aparecer comentários na página FB do blog me acusando de incentivar o ódio aos judeus. (Absurdo! Não preciso explicar pra vocês que denunciar a política discriminatória e os crimes cometidos por um país NÃO significa de maneira alguma criticar a religião dos cidadãos desse país, não é? E muitos dos meus amigos são judeus;) Tenho até uma ex namorada israelense E judia com quem que quase fazia um bebê israelo-brasileiro-judeu-cristão!) Tudo isso porque eu ouso postar notícias sobre as violações dos direitos humanos na Palestina. Nada muito original, só o mesmo disco arranhado de quem não tem argumento racional pra justificar o que é considerado ilegal/criminoso pelo direito internacional. Também apareceu um ou outro comentário de indivíduos carnistas, sem sentido algum. Ativistas por direitos humanos e por direitos animais conhecem bem essa história e esse tipo de comportamento não provoca mais nem indignação nem raiva na minha pessoa. Tenho zero tempo pra perder com isso.

 Mas o comentário que mencionei acima conseguiu juntar a hostilidade irracional e generalizada aos veganos com o ódio dos defensores dos direitos humanos que expõem os crimes cometidos por Israel na Palestina. Isso sim foi original! E o mais curioso é que o comentário foi deixado nesse post que escrevi anos atrás sobre os perigos da margarina! Então eu precisava dividir essa pérola com vocês (joguei o comentário na lixeira, estão vocês só vão encontrá-lo aqui):

“Pela ótica dos veganos tudo faz mal. Parece que as únicas coisas que não fazem mal para os veganos é maconha e dar o rabo. Palestina, hein? Só podia. Que Palestina? Não existe oficialmente um estado palestino. Sua vigarista.”

Eu disse que esse comentário foi deixado em um post sobre margarina? Hilário!