Eu adoro cozinhar, mas na lista de pratos que mais gosto de preparar, bolo está provavelmente em último lugar. Só faço bolo quando alguém pede e foi o que aconteceu hoje. Uma amiga vegana sugeriu que eu preparasse um bolo pra uma amiga onívora que vive fazendo piada do nosso regime vegetal. A vegana já não aguenta mais a chacota feita pela onívora e, como se isso não bastasse, ela incentiva os três filhos a zombar de comida vegana na frente dela. Como hoje é o aniversário de doze anos do filho mais velho da amiga onívora, a amiga vegana insistiu pra que eu fizesse um bolo ultra-maravilhoso-delicioso pra família onívora ver o quanto a comida vegetal é saborosa e deixar a gente em paz de uma vez por todas. Como a amiga onívora, e o marido, se empolgaram pra experimentar o meu bolo e que as intenções da amiga vegana eram nobres, aceitei fazer esse sacrifício terrível que é passar o dia inteiro mergulhada em chocolate (estou enjoadíssima até agora!).  Eu sei que muita gente adora isso, mas se eu tiver que escolher entre o melhor bolo de chocolate do mundo e um prato de sopa, escolho o prato de sopa sem pestanejar.

Ainda não sei se o meu bolo fez a família onívora mudar de opinião sobre comida vegetal, mas decidi uma coisa: independente do resultado da boa ação da amiga vegana, nunca mais vou fazer bolo de chocolate. Fiz alguns bolos deliciosos desde que me tornei vegana (outros nem tanto) e consegui conquistar o estômago de vários onívoros pelo caminho, mas a gente só faz bem aquilo que realmente gosta. Nesse caso eu deveria dizer que a gente só cozinha bem aquilo que gosta de comer. A montanha de louça suja e o enjoo que me causa o malvado não compensam. Gosto de degustar uma sobremesa bem feita ocasionalmente, mas do tipo sorvete, pudim, torta ou crumble e geralmente à base de frutas. Esses são os únicos tipos de doce que vou preparar quando não estiver fazendo algo salgado. Au revoir, bolos de chocolate! E já que não vamos mais vê-los aqui no blog, aproveito a despedida pra tirar do baú os melhores bolos de chocolate que fiz nos últimos anos.

Chocolate recheado com morangos e creme. Fiz pra minha colega Cida, em Londres. A decoração linda foi feita pelo nosso amigo Welder, que é chef (eu não tenho capacidade de fazer algo tão elaborado).

Chocolate, café e whisky. Quase uma trufa gigante! Esse foi o bolo que conquistou minha família francesa quatro anos atrás.

Mais um bolo de chocolate, café e wisky (são os meus preferidos). O melhor bolo que já fiz na vida! Mas improvisei a receita e não anotei nada, ou seja, esse bolo se perdeu pra todo o sempre…

Pra fazer o bolo de hoje usei uma receita da chef vegana americana Fran Costigan, a “rainha da sobremesa vegana”. O bolo ficou perfeito: rico em cacau, fofinho e úmido. Só achei doce demais, mas como minha tolerância pra doce é limitadíssima, acho que só será um problema pras minhas papilas. Como não fiz nenhuma modificação na receita original, não vou reproduzi-la aqui. Basta consultar essa página e a receita é sua. Está em Inglês, mas nada que o Google Tradutor não possa resolver em segundos. Porém tem um ingrediente impossível de achar no Brasil: xarope de bordo. Ele tem um sabor especial que deixa o bolo mais gostoso, mas imagino que melado pode ser um substituto interessante, embora ele tenha um sabor muito mais forte, que algumas pessoas não gostam. Acredito que também seja possível omitir o xarope de bordo e aumentar a quantidade de açúcar pra uma xícara (ao invés de meia xícara). Mas não posso garantir o sucesso dessas versões, já que não testei na minha cozinha.

Recheei o bolo com peras caramelizadas com baunilha, porque é época de peras aqui, e cobri tudo com ganache de chocolate, porque é minha cobertura preferida. Pra fazer o recheio descasquei peras bem maduras, cortei em fatias, aqueci um pouco de azeite na minha maior frigideira e cozinhei as peras até começar a caramelizar. Mexi de vez em quando, pra dourar de todos os lados, e deixei as peras ficarem bem bronzeadas. Depois de desligar o fogo juntei as sementes de um favo de baunilha. Fiz uma receita de bolo, mas assei em quatro formas pequenas ao invés das duas formas grandes sugeridas nos site. Em seguida cortei cada bolinho ao meio e fiz dois bolos, com quatro camadas cada um.  Pra isso usei 1,4kg de peras no recheio, mas se você seguir as instruções da receita original e fizer dois bolos grandes, provavelmente precisará de menos recheio. Pra cobrir os dois bolos derreti 200g de chocolate amargo (70% de cacau) com 8cs de leite de coco. Descobri que gosto mais da ganache com creme de leite de soja ou de aveia, então é isso que aconselho.  Mais uma vez, se estiver fazendo um bolo grande (ao invés de dois pequenos), provavelmente seja necessário menos ganache pra cobertura. Se quiser uma ganache menos amarga, use um chocolate menos forte em cacau. Decorei o bolo com avelãs tostadas, porque acho que combinam muito com chocolate e pera e gosto do contraste de texturas. E antes de me despedir de vez do assunto, uma última dica: bolo de chocolate é sempre melhor no dia seguinte, então prepare o seu na véspera, se possível.

Agora com licença que ainda tenho que limpar o chocolate da cozinha, e do corpo, antes do jantar. Que será sopa, obviamente!

PS Depois que escrevi esse texto ontem à noite recebi uma mensagem da amiga onívora, que é francesa, dizendo que o bolo era “excellent et magnifique”. Mesmo assim continuo decidida a enterrar minha carreira de fazedora de bolo de chocolate.