Sinto que preciso de férias

Salada morna de cogumelo e milho

Recuperei um pouco da energia gasta durante a maratona culinária da semana passada, mas como trabalho nos sábados (dia de aula de culinária no campo de refugiados) só tenho uma folga por semana, no domingo, e nunca parece suficiente. Sinto que preciso de férias. Mais precisamente de uma rede, uma água de coco, um cachorro embaixo da rede (ajuda muito a relaxar) e vários dias de ócio. Adoro a Palestina, no momento não gostaria de morar em nenhum outro lugar do mundo, mas pra manter a sanidade mental é preciso sair daqui de vez em quando. Por isso daqui a um pouco mais de uma semana vou bater asas novamente.

No estado de cansaço em que me encontro, e com a temperatura subindo vertiginosamente, acho que não vou preparar nada muito elaborado nos próximos dias. Mas alguns dias atrás, antes de fazer a loucura de cozinhar 17 pratos diferentes em 3 dias, improvisei essa deliciosa salada pro almoço aqui de casa. Tudo começou sem muita pretensão. A ideia era usar os restos da geladeira pra dar espaço pros ingredientes da maratona que viria, mas ficou tão bom que acabei repetindo a salada dois dias depois.

Ela não é uma das minhas saladas que valem por uma refeição. Pra complementar o prato, sirva com uma leguminosa (como meu purê de feijão branco) e, se a fome estiver grande, com um cereal também. Minha maneira preferida de comer essa salada é acompanhada de pão integral tostado com hummus. A refeição fica leve, mas completa e nutritiva, e só precisa de alguns minutos pra ficar pronta. Perfeita pros (muitos, muitos) dias de calorão que virão.

 

Salada morna de cogumelo e milho

Essa salada fica uma delícia com alguns croûtons de pão integral (ensino como fazer croûtons aqui). Claro que se estiver servindo esse prato com pão (ou outro cereal), os croûtons são dispensáveis. A salada é mais gostosa morna, então é importante usar folhas e tomates em temperatura ambiente. Se puder usar uma variedade maior de folhas, melhor ainda.

1 cebola pequena, em fatias

2 dentes de alho, ralados/amassados

2x de cogumelos frescos, do tipo champignon, em fatias

1x de milho fresco ou congelado

1x de brócolis, cortado em pedaços pequenos

2x de tomate cereja, cortados ao meio

2x de alface, rasgada

2x de rúcula

Azeite, sal e pimenta do reino

Vinagrete

3cs de azeite

2cs de vinagre balsâmico

1/2cs de mostarda de Dijon

Sal e pimenta do reino

Aqueça um pouquinho de azeite e doure a cebola. Junte o alho, o milho e o brócolis, cubra e deixe cozinhar em fogo baixo até os legumes ficarem macios. Junte o cogumelo e refogue mais alguns minutos. Quando os cogumelos amolecerem e todo o líquido tiver evaporado desligue o fogo, tempere com sal e pimenta do reino e deixe amornar. Misture bem todos os ingredientes da vinagrete. Coloque a alface e a rúcula em uma saladeira, cubra com os tomates cereja e os legumes mornos. Despeje a vinagrete por cima, mexa bem e sirva imediatamente. Rende 2-4 porções.

 

8 comentários em “Sinto que preciso de férias

  1. Olá, Sandra!
    Sim, você precisa e merece férias! Espero que se divirta e descanse bastante, pois suas atividades têm enriquecido a vida de muita gente e agora é hora de recarregar as baterias…
    Mas antes do tchau gostaria de contar que a semana passada recebi em minha casa uma amiga que não come produtos de origem animal por estar em tratamento médico. Na verdade ela era convidada do meu irmão, aí ele lembrou de mim para preparar as refeições para ela, e na dúvida sobre o que preparar, ele foi categórico: “faz a Misturinha da Papacapim!”
    Esclareço: Papacapim, para todos aqui em casa, é você. Não adianta falar que Papacapim é o blog. Para eles o nome é muito legal, eles adoram usar. E “Misturinha” é a sua ultra apreciada Salada Refeição. Eu fiz. Resultado: almoço, jantar e “saideira” de Salada Refeição. Para você ter uma ideia do sucesso, gastei 500 gramas (crus) de mix de cereais. Escusado é dizer que declinei de todas as honras de cozinheira, transferindo-as para você.
    Foi muito gratificante ter agradado o paladar de alguém que passa por restrições alimentares. Por isso, repito, com um amigável tapinha em suas costas: vá, menina, vá para suas férias e seja feliz!

    1. Saiba que sua família não é a única a me chamar de Papacapim. Tem gente que começa os comentários assim “Oi, papacapim!” Mas eu também adoro o nome do blog e podem me chamar de dona Papacapim que eu respondo:-)

      Quer dizer que minha salada virou “misturinha” na sua casa? Você serve como mistura, acompanhada de outras coisas? A receita com grão de bico e algas ou você criou sua própria receita? Estou curiosíssima pra descobrir os detalhes de sua misturinha!

      Entendo sua alegria em poder proporcionar prazer gustativo pra uma pessoa que, como você disse, passar por um período de restrições alimentares. Essa é a prova que a dieta vegetal não é limidada, muito pelo contrário! Mostrar isso é exatamente o objetivo desse blog então só posso te agradecer por levar essa mensagem até a sua família e amigos.

      E não precisa se despedir agora, vou aparecer mais algumas vezes aqui antes de sair de férias 🙂

      1. Que bom que você ainda vai estar por aqui! (Estava com saudades antecipadas!) E que bom também que você não leva a mal que a chamem de Papacapim.. eu acho super legal o nome!
        Quanto à “Misturinha”, o nome surgiu porque, antes de servir a salada pela primeira vez, expliquei a todos os princípios de anatomia da dita cuja, conforme você havia explicado em seu post: folhas, leguminosa, cereal (proteína vegetal perfeita), vegetal cozido, vegetal cru, semente, noz, frutinha, óleo, algo doce e algo azedo no molhinho, pronto!
        Um dos pratos mais deliciosos que já provei!
        Já fiz de todo jeito, sempre respeitando os princípios básicos porque quero uma refeição realmente nutritiva. A que servi a semana passada fiz com mix de cereais (arroz integral, quinoa, aveia integral, trigo integral), grão de bico, tomate, broto de feijão, maçã, semente de linhaça, brócolis chinês, avelã picadinha e alface americana. Temperei com aceto balsamico, óleo de oliva e sal.
        Também fiz legumes no vapor e bolinhos fritos de aveia, que permaneceram quase intocados. O nome Misturinha vem daí, uma mistura de alimentos nutricionalmente corretos que dá certo!
        Já fiz com algas, achei maravilhosamente marinho, mas como o povo aqui de casa acha por demais exótico, eu só uso as algas no meu prato.
        É isso! (Obrigada por perguntar!)

Deixe uma resposta