Gelato de chocolate

Aqui no blog eu prefiro publicar receitas simples, que usam ingredientes facilmente encontrados, por isso hesitei bastante antes de dividir a receita de hoje.  Mas esse gelato criado acidentalmente é tão gostoso que seria um crime guardá-lo só pra mim.

Uma noite eu queria uma sobremesa gelada. Decidi pegar meu liquidificador e ir misturando um pouco disso, um pouco daquilo… Coloquei tudo no congelador e esperei a mistura congelar parcialmente. Eu tinha feito uma porção bem pequena e meia hora depois minha sobremesa estava pronta. Provei e pensei: “Tem potencial”. Então fui adaptando a receita, juntando outros ingredientes e, três tentativas depois (tenho que agradecer minhas cobaias pelas dicas), nasceu um gelato de chocolate vegano que deixaria minha nona italiana orgulhosa, caso eu tivesse uma. A textura é perfeita: densa e ultra cremosa, como todo bom gelato. O curioso é que embora tenha uma quantidade significativa de banana, o que predomina é um sabor de chocolate ao leite, que lembra um certo picolé famoso que eu adorava quando criança (ainda existe “chica bon”?).

Sempre adorei sorvete mas no dia que provei gelato descobri que existia algo ainda melhor.  Se você não sabe qual a diferença entre os dois aqui vai uma explicação rápida. Sorvete tem mais gordura e, durante o processo de congelação, recebe quase o dobro de ar do que gelato. Resultado: o sabor do gelato é mais intenso, já que não tem uma quantidade excessiva de gordura pra “cobrir” o sabor dos outros ingredientes, e a textura é mais densa, já que tem menos ar. Outra diferença entre os dois é que sorvete é servido congelado, enquanto que gelato é servido em uma temperatura ligeiramente mais alta, logo é mais macio (e dificil de ser degustado sem se lambuzar).

Depois de triturado pra quebrar os cristais de gelo, pronto pra voltar pro congelador.

Eu ganhei uma máquina de fazer sorvete da madrinha de Anne no natal, mas quis experimentar fazer gelato sem máquina pois sei que pouca gente possui esse equipamento. A máquina congela a mistura mexendo o tempo todo, o que quebra os cristais de gelo e deixa o gelato/sorvete cremoso. Mas é possível atingir um resultado parecido sem máquina. É importante usar uma boa dose de gordura já que além de dar cremosidade, gordura não congela (na receita uso castanhas de caju). Um pouco de álcool é bem vindo, pois álcool também não congela, contribuindo pra diminuir a cristalização da mistura. Porém o mais importante é quebrar os cristais de gelo que se formam enquanto o gelato congela. Parte do problema foi resolvido usando banana congelada, que além transformar imediatamente a conscistência, deixando-a parecida com “sorvete mole”, funciona como emulsificante, encorpando a mistura. Tudo isso com um grande bonus: o açúcar da fruta que adoça o gelato de maneira natural. Depois é só passar o gelato pronto no liquidificador, pra quebrar os cristais de gelo que possam ter se formado.

Como eu disse mais acima, gelato não é servido totalmente congelado, mas é difícil  controlar a temperatura dentro de um congelador doméstico. Por isso recomendo não colocar o gelato diretamente sobre o gelo (coloque-o sobre a grelha do congelador, se o seu tiver uma, ou sobre outro recipiente pra impedir o contato direto com o gelo) e servir assim que atingir a conscistência ideal: quase congelado mas ainda cremoso. Se sobrar gelato pra ser servido mais tarde, lembre de tirá-lo do congelador alguns minutos antes de degustá-lo.

Quanto ao ingrediente difícil de encontrar, eu estava falando das quatro tâmarazinhas que entram na receita. Tâmara é um concentrado de açúcar natural (e de nutrientes), perfeito pra adoçar sobremesas, e tem um sabor que lembra caramelo (por isso o apelido de “caramelo da natureza”). Aqui onde moro tem tâmaras por toda a parte, mas sei que no Brasil além de ser mais difícil de encontrar, elas custam uma fortuna. Nunca testei a receita sem as tâmaras, mas acredito que xarope de agave funcione como substituto. Claro que as tâmaras não são usadas só pra adoçar, elas acrescentam um suave sabor camarelizado que adoro, mas tenho certeza que o gelato ainda será delicioso sem elas. Se quiser um sabor de chocolate mais intenso, simplesmente elimine as tâmaras que o doce da banana é sufuciente pra adoçar o gelato.

Eu não sou de me entusiasmar facilmente com sobremesas, mas confesso que essa daqui merece palmas: absolutamente deliciosa e totalmente natural. Quando foi a última vez que você se deparou com uma sobremesa que faz salivar e ao mesmo tempo é saudável, sem colesterol, sem nenhum produto de origem animal, sem açúcar, cheia de vitaminas, minerais e fibras? Eu não gosto de dar ordens, mas às vezes é necessário: levante-se dessa cadeira agora e vá pra cozinha fazer esse gelato. Depois não precisa mandar flores pra me agradecer (não é ecológico e Anne é alérgica a polen) mas outros presentes são bem vindos.

 

Gelato vegano de chocolate

As melhores tâmaras são macias e suculentas. Se suas tâmaras estiverem meio secas e duras, deixe-as de molho em água morna por 1 hora. Se for substituir as tâmaras por xarope de agave, acredito que 4cs sejam suficientes. Use o melhor cacau que encontrar, puro e sem açúcar. Vai fazer uma grande diferença no sabor final. O único imperativo pra fazer essa receita é ter um liquidificador potente. Se seu liquidificador não tritura bem e deixa pedaços de fruta inteiros mesmo nas vitaminas, esqueça essa receita ou compre um liquidificador digno desse nome. Não quero fazer propaganda aqui, mas minha cunhada jura que os daquela marca que começa com “ar” e termina com “no” são os melhores de todos.

 3/4x de castanha de caju (crua*), de molho por 8 horas

1 1/2x de água

4x de banana congelada em rodelas

4 tâmaras

2cs 3cs de cacau em pó de ótima qualidade**

2cc extrato natural de baunilha

2cs de rum

Escorra as castanhas e triture no liquidificador com a água até elas se dissolverem completamente. Dependendo da potência do seu liquidificador vai levar de 30 segundos a alguns minutos então seja paciente. Esfregue um pouco do líquido entre os dedos: quando não sentir mais grânulos está pronto. Reserve (deixe o leite dentro do liquidificador). Remova os caroços das tâmaras e pique-as grosseiramente. Despeje as tâmaras picadas e o resto dos ingredientes no liquidificador (junto com o leite de castanhas) e triture até ficar homogêneo. Você vai precisar desligar o liquidificador algumas vezes e mexer tudo com uma espátula, empurrando o gelato na direção das hélices. A mistura deve ficar com aparência de sorvete mole e não deve ter nenhum pedacinho de banana inteiro. Transfira o gelato pra um recipiente de plástico com tampa e coloque no congelador. Quando estiver quase completamente congelado, despeje pedaços do gelato no liquidificador e triture novamente, pra quebrar os cristais de gelo. Mais uma vez você precisará desligar o motor algumas vezes e empurrar a mistura com uma espátula na direção das hélices. Despeje o gelato no recipiente de plástico e coloque de volta no congelador até ficar firme o suficiente pra servir. Esse gelato é super cremoso se servido poucas horas depois de ter sido preparado, mas pode ser conservado no congelador durante alguns dias (deixe alguns minutos em temperatura ambiente antes de servir). Esqueci de medir, mas acho que rende aproximadamente 1l.

*Teoricamente castanhas de caju nunca são cruas, já que é preciso assá-las pra extraí-las da casca, mas me refiro aqui à castanhas que não foram torradas, aquelas branquinhas e sem sal.

**Quando postei a receita tinha preparado o gelato com um cacau que comprei na França e que era super ultra concentrado. Fiz a receita novamente usando um cacau normal (comprado aqui em Belém) e o resultado foi bem menos intenso. Acho que 3cs é a quantidade certa se você estiver usando um cacau comum.