Archives for posts with tag: torta

torta de chocolate e café

Quando contei sobre os quitutes que apareceram na nossa mesa no natal, mencionei uma torta de chocolate, café e caramelo que comemos no almoço do dia 25. Foi a única sobremesa que fiz durante as festas, pois entre os aperitivos, entradas e pratos, nunca sobrava espaço no meu estômago pra sobremesa. Mas na categoria “sobremesa”, minhas tortas são até bem leves, pois gosto de fazer a massa quase sem doce nenhum e colocar uma camada fininha de recheio. E como a avó de Anne almoçaria conosco naquele dia, fazer uma sobremesa especial era importante pra mim.  Quando perguntaram se ela queria provar a minha torta vegana ela respondeu “Claro!”, mesmo depois do almoço pesado e de já ter engolido um pedaço de tronco de natal. Ela adorou a torta e perguntou, intrigadíssima, com é que eu conseguia fazer aquilo sem manteiga e sem creme. Eu adoro impressionar vovós…

Essa torta segue o mesmo estilo do meu pavê trufado de chocolate amargo e morango e da minha torta de chocolate, banana e amendoim. O denominador comum entre essas três sobremesas é a combinação de tofu sedoso e chocolate amargo (ou meio amargo). Se você ainda não descobriu as maravilhas que o tofu sedoso pode fazer na cozinha, isso precisa mudar urgentemente.

Sempre que posto uma receita com tofu, aparecem comentários de leitores tofufóbicos dizendo que ainda hesitam em preparar algo com ele. Amigos, eu também já fui assim, mas é preciso superar a tofufobia, pois ele é um ingrediente extremamente versátil e, se preparado corretamente, muito saboroso.

Pros noviços em matéria de tofu, aqui vão alguns esclarecimentos. Resumindo bastante, tofu pode ser firme, regular e sedoso (mole). Essa denominação tem a ver com o tempo de drenagem do tofu: quanto mais tempo ele fica na prensa, mais água escorre e mais firme se torna a textura. O tofu sedoso é o único que não é drenado, por isso tem uma concentração de água bem mais elevada e a textura de um pudim firme. Na hora de escolher procure uma loja de produtos japoneses (ou lojas macrobióticas), pois eles fazem o melhor tofu sedoso, e compre o mais fresquinho que encontrar (confira a data de fabricação). Se não estiver escrito na embalagem se ele é firme ou mole, peça ajuda ao vendedor. Tofu mole/sedoso pode substituir o creme e os ovos em algumas sobremesas, se transformando em deliciosos pavês, tortas e mousses. Se o sabor do tofu te assusta, nada tema! Misturado com ingredientes saborosos e intensos, como chocolate, e depois de descansar uma noite na geladeira (importante!) ele desaparece sem deixar vestígios. Quem experimentou minhas receitas de sobremesa com tofu sedoso pode confirmar.

Se você liquidificar tofu sedoso ele se transforma em um creme mais ou menos espesso, dependendo do tofu utilizado (alguns são mais firmes que outros). Mas a verdadeira alquimia acontece quando misturamos esse creme com chocolate derretido e deixamos a mistura descansar na geladeira. A manteiga de cacau presente no chocolate vai se solidificar e a mistura ganhará uma consistência de creme/mousse. Dependendo da quantidade de líquido que você acrescentar à receita, esse creme/mousse poderá ser bem firme ou bem cremoso.

Quando fiz essa torta, queria um recheio cremoso e sedoso, pra contrastar com a massa crocante. Por causa da falta de tempo usei uma massa semi-folhada vegana comprada pronta. Apesar de prática, esse é um produto que só usaria em emergências. Mas você pode, e deve, usar uma massa feita em casa, com carinho e ingredientes naturais.

Quando fiz essa torta acrescentei uma camada de creme de Speculoos. Speculoos é um biscoito tradicional belga, que tem um leve sabor de caramelo, complementado por um toque de canela. A versão creme desse biscoito, pra passar no pão, virou coqueluche lá na Europa e anda destronando aquela famosa pasta de chocolate e avelãs em alguns lares. Essa pasta é vegana (assim como os biscoitos) e depois de ouvir tantos elogios resolvi experimentar. O sabor é idêntico ao biscoito, que adoro, mas o doce é multiplicado por três. Pra mim é intragável, mas pra quem gosta de doces, esse creme tem tudo pra conquistar. Porém não sei se ele é vendido no Brasil…

Como disse, usei um pouco de creme de Speculoos na torta, tomando o cuidado de fazer o recheio bem amargo pra compensar, mas isso é totalmente desnecessário. A receita abaixo é pra fazer uma versão chocolate-café, uma das minhas combinações preferidas. Se você ainda não começou a usar tofu sedoso em sobremesas, espero que essa receita te dê o empurrãozinho final. Além de ser extremamente prático (um ingrediente só pra substituir ovos e laticínios em sobremesas? O que mais pedir?), ele é capaz de fazer sobremesas veganas tão gostosas quando as tradicionais e com o bônus de ser menos calórico, pobre em gorduras e rico em proteínas. Acho que mesmo os onívoros deveriam começar a prestar mais atenção nele…

Update: Quer fazer seu tofu (macio ou firme) em casa? Lina, do blog Aroma de Café, postou a receita bem explicadinha. Vai lá!

 torta chocolate café caramelo 2

Torta vegana de chocolate e café

Você pode usar sua receita de massa pra torta preferida aqui. A massa dessa torta de maçã também ficaria ótima com esse recheio. Outra opção é esquecer a massa e usar biscoitos do tipo maizena, transformando a torta em um delicioso pavê. Nas fotos a torta está decorada com migalhas de biscoito Speculoos, mas você pode usar raspas de chocolate ou migalhas de outro biscoito. Ou optar pelo minimalismo e não usar decoração nenhuma. Se você só encontrar chocolate meio-amargo (com menos de 60% de cacau), acrescente 1cs rasa de cacau ao recheio, pra intensificar o sabor do chocolate.

200g de tofu sedoso

150g de chocolate amargo de ótima qualidade (60% ou 70% de cacau)

Sementes de um favo de baunilha (ou 1cc extrato natural)

½ xícara de café de água quente

1cc de café solúvel (ou substitua a água e o café solúvel por uma dose de café expresso)

Açúcar mascavo a gosto (usei xarope de bordo)

1 receita de massa pra torta (veja sugestões acima)

Prepare a massa que escolher e asse em uma forma rasa (usei uma forma de quiche- redonda e bem rasa- de 28cm de diâmetro o que fez com que a camada do recheio ficasse bem fina, como mostra a foto acima). Enquanto a massa esfria prepare o recheio. Derreta o chocolate em banho-maria. Coloque o tofu, o chocolate derretido, a baunilha e o café solúvel dissolvido na água quente no liquidificador e triture até a mistura ficar totalmente homogênea e cremosa. Prove e se achar necessário, adoce com açúcar mascavo a gosto (não esqueça de triturar novamente pra dissolver o açúcar). Despeje o recheio sobre a massa assada e fria, cubra com papel filme ou papel alumínio e deixe descansar uma noite na geladeira. Se preferir fazer a versão pavê, prepare o recheio como indicado, forre uma travessa pequena com biscoitos do tipo maizena, cubra com a a metade do recheio, faça outra camada de biscoitos e cubra com o resto do recheio. Deixe descansar na geladeira, coberto, durante uma noite antes de servir. Rende 6-8 porções.

Torta de maçã (a melhor de todas)

Dizem que os ciclos dos planetas têm uma influência na nossa vida. Saturno leva vinte nove anos pra dar uma volta completa ao redor do sol. Quando alguém completa vinte nove anos acontece o famoso “retorno de Saturno”, a primeira grande crise da vida adulta. É quando começam aquelas cobranças do estilo “Já conseguiu um diploma?”, “Já comprou uma casa?”, “Já casou?”, etc.  É quando as pessoas sentem aquela vontade urgente de mudar de vida. Meu vigésimo nono aniversário aconteceu algumas semanas atrás. Um belo dia de novembro acordei e tinha vinte nove anos. Olhei ao redor e esperei a crise.  Felizmente, ao fazer a análise desses vinte nove anos de existência, o saldo foi positivo. Realisei o grande sonho da minha vida, que era fazer faculdade no exterior. Descobri o que realmente quero fazer da vida e joguei fora o diploma da faculdade. Visitei vários países. Matei meu pai (foi Freud que mandou e é no sentido figurado) e perdoei minha mãe por não ter sido a mãe que eu sonhei em ter (quanto a me perdoar por não ser a filha que ela sonhou em ter, essa será minha missão durante os próximos vinte e nove anos). Fiz as pazes com meu corpo. Encontrei o amor da minha vida e tratei logo de casar com ela pra não perdê-la de vista. Não tenho casa, nem carro, nem sequer cartão de crédito e tudo que possuo cabe em uma mala (tirando minha vaquinha Macabéa), mas se engana quem pensa que isso me preocupa. Achei o meu lugar no mundo e sou muito feliz.

Porém me senti na obrigação de mudar alguma coisa na minha vida, em consideração a Saturno. Então decidi que não faria bolo de aniversário. Acho um absurdo ingerir aquela quantidade imensa de farinha de trigo e açúcar quando se tem tanta coisa mais interessante pra comer. Então resolvi criar a torta dos meus sonhos pra comemorar a mudança de idade e o novo ciclo. Eu tinha em mente uma torta de estilo européia, não essas confecções submersas em leite condensado e creme de leite que os brasileiros têm o (péssimo) hábito de consumir. Eu queria uma massa fina e crocante, com o mínimo de farinha possível e com amêndoas. Queria bastante recheio e o recheio tinha que ser maçã porque sobremesas com frutas são as minhas preferidas. As maçãs tinham que ser flambadas no rum, pois nada como um pouquinho de álcool pra transformar uma sobremesa simples em algo especial. E ao invés de fazer uma torta grande, queria tortinhas individuais pois comer uma mini-torta é mais gostoso do que comer uma fatia de torta. Precisei de quatro tentativas pra chegar ao resultado que eu estava procurando (por isso só estou publicando a receita agora) mas consegui fazer a torta de maçã perfeita, a melhor que já comi.

Nunca mais quero bolo de aniversário, a partir de agora só quero essa torta.

Torta de maçã n°29

A receita é longa porque explico cada passo em detalhes, mas fazer essas tortinhas é super fácil. Se quiser uma sobremesa ultra especial, sirva com sorvete de baunilha vegano. Iogurte de soja de baunilha também é um ótimo acompanhamento.

Massa:

1x de amêndoas em pó (mais ou menos 3/4x de amêndoas inteiras)

2/3x de farinha de trigo

2cc rasas de açúcar demerara

2 pitadas de sal

½ cc de canela

4cs rasas de óleo de coco gelado

2cs de água gelada

farinha de trigo pra polvilhar

um pouco de leite de soja pra pincelar (opcional)

Recheio:

4 maçãs grandes (ou 6 pequenas)

suco de limão

1cs de  óleo de coco

1cs de açúcar demerara

2cs de rum

canela

Massa:

Se não encontrar amêndoas em pó, triture ¾ x de amêndoas inteiras no liquidificador até atingir a textura de areia fina. Se alguns pedaços ficarem inteiros, pique-os o mais finamente possível com uma faca afiada. Misture as amêndoas em pó com a farinha de trigo, o açúcar, o sal e a canela. Junte o óleo de coco gelado e misture com um garfo até a massa atingir um aspecto granulado. Junte 2cs de água gelada e mexa com um garfo até todos os ingredientes se misturarem, depois use as mãos e amasse ligeiramente até ficar homogêneo. Forme uma bola, envolva a massa com um pedaço de filme plástico e coloque no congelador enquanto prepara o recheio.

Recheio:

Descasque as maçãs (eu gosto de descascar metade das maçãs e deixar a outra metade com casca: é mais bonito e a textura fica mais interessante), corte cada maçã em quatro e regue com um pouco de suco de limão pra impedir que elas escureçam. Corte cada pedaço de maçã em fatias finas e regue com mais suco de limão, se preciso. Derreta o óleo de coco em uma frigideira grande e funda (se for de ferro, melhor ainda). Despeje as fatias de maçã na frigideira e cozinhe em fogo baixo até a maçã ficar macia. Polvilhe o açúcar e mexa delicadamente pra não quebrar as fatias. Junte o rum e incline a frigideira sobre a chama do fogão pra flambar as maçãs. Quando a chama se apagar desligue o fogo e deixe esfriar. Se não conseguir flambar, ou se tiver medo de brincar com fogo, não tem problema. Deixe a frigideira no fogo por alguns minutos e o rum vai evaporar naturalmente.

Montagem:

Aqueça o forno em temperatura média. Espalhe bastante farinha sobre a superfície de trabalho. Retire a massa do congelador e, com uma faca, divida em quatro porções iguais. Pegue um pedaço e coloque os outros de volta no congelador. Estique a massa (com as mãos ou rolo), formando um círculo um pouco maior que um CD. A massa é grudenta e você vai precisar polvilhá-la com farinha pra que ela não grude nas suas mãos. Use uma faca longa e reta pra descolar a massa da superfície de trabalho e transferi-la pra uma placa de alumínio, ou forma rasa (não precisa untar). Coloque a forma na geladeira enquanto prepara as outras três mini-tortas. Como a massa é rica em óleo, é importante mantê-la gelada senão ela amolece demais e fica impossível de ser manipulada. Divida o recheio em quatro e disponha cada porção de maçã sobre os discos de massa, deixando 1,5cm de borda sem recheio. Dobre as bordas sobre as maçãs, formando um “muro” ao redor do recheio. Não precisa ser perfeito, o charme dessas tortinhas é o visual rústico. Pincele as bordas com um pouco de leite de soja (opcional, a vantagem de fazer isso é que a massa vai ficar mais douradinha) e polvilhe com canela. Asse as mini-tortas até a massa ficar bem dourada (no meu forno velhinho leva de 20  à 30 minutos, mas isso varia de acordo com a temperatura do seu forno). Sirva morna. Rende quatro mini-tortas.