Biscoitos de aveia, tahina e passas

Depois de mais de quatro anos de veganismo eu não sinto falta de (quase) nenhum produto de origem animal. Mas de vez em quando me sinto tentada a quebrar meu veganismo não por sentir desejo de comer algo não vegano, mas por pura preguiça. Explico. Por mais que eu adore cozinhar, às vezes gostaria de comer algo que não tenha sido preparado por mim. Isso me pouparia o trabalho, a limpeza da cozinha, a lavagem de louça…  Nesses momentos já me aconteceu de entrar em uma mercearia, ver um biscoito escocês ou um sorvete americano que eu adorava quando era onívora e sentir a tentação de comprá-los. Existem versões veganas desses itens por aqui, mas a qualidade é tão pobre, e a lista de produtos químicos tão longa, que nunca tenho vontade de comê-los. Geralmente saio correndo da mercearia pra não ter que escutar a briga do anjinho do ombro direito com o diabinho do ombro esquerdo. Felizmente assim que coloco os pés fora da mercearia me dou conta que o que me empurrava pra aquele biscoito não era a vontade de comê-lo (dificilmente algo industrializado, mesmo vegano, agrada o meu paladar), mas sim a preguiça de cozinhar.

Vivi a situação acima sábado passado. Fazia tempo que eu queria comer um biscoitinho crocante, daqueles que pedem pra ser mergulhados no café ou no chá, e depois de ter encarado a caixa de biscoito escocês por alguns segundos voltei pra casa obstinada a deixar a preguiça de lado e criar o biscoito dos meus sonhos: integral, sem açúcar, sem farinha de trigo, sem ingredientes duvidosos, vegano e gostoso. Além disso ele precisava ficar pronto em pouco tempo, com o mínimo de trabalho e de louça suja.  Sábado, às cinco da tarde, todos os meus desejos (de biscoito) foram realizados.

Mas antes de correr pra cozinha pra preparar essa maravilha, preciso explicar a natureza desses biscoitos. Eles entram na categoria de doces saudáveis que tem gosto de… saudáveis. Não se deixe ludibriar pelo chocolate, a essência desse biscoito é natureba, puxando pro macrobiótico. Se ele fosse uma pessoa seria com certeza um hippie de camiseta tie-dye, morando em uma Kombi cheirando a incenso, estacionada em alguma praia do litoral baiano. O sabor característico da aveia domina, mas tem também um fundo de tahina (que tem aquele sabor forte que uns adoram e outros detestam) e pinceladas de passas. Eles são crocantes e a doçura é bem tímida, perfeitos pra acompanhar o cafezinho. Meus biscoitos de aveia têm poucas chances de agradar crianças e pessoas que preferem doces bem doces, mas eu gostei tanto deles que pensei que os leitores que têm um paladar parecido com o meu gostariam de provar essa receita.

Se você gosta de bolacha integral e tahina, se toma café sem açúcar e se fruta pra você é sobremesa, esse biscoitos vão agradar. Se, ao contrário, você adora biscoito recheado e cookies com gotas de chocolate, talvez essa receita seja muito tie-dye pra você. (Pra você não sair daqui sem receita, aconselho minhas trufas de bolo com avelã e uísque).

Biscoitos de aveia, tahina e passas

Pra fazer uma versão mais doce você pode servir os biscoitos com geleia no lugar do chocolate (passe a geleia somente no momento de servir, pra não amolecer os biscoitos). As tâmaras podem ser substituídas por 4cs de melado (mel de engenho, melaço). Nesse caso o sabor será um pouco diferente, pois o melado é mais marcante do que as tâmaras. A tahina que uso aqui é bem fluida. Se a sua for do tipo espessa, use somente 3cs e acrescente mais 1cs de água. Se biscoitos integrais, sem açúcar e com manteiga de oleaginosas te interessa, Márcia publicou uma receita de bolachas de manteiga de amêndoa que é da mesma família desses biscoitos.

1x de farinha de aveia (eu  trituro aveia em flocos no liquidificador)

1cs de linhaça moída

1cs de maisena

1/3cc de bicarbonato de sódio

1/4x de passas

3 tâmaras

4cs de tahina

1/4x de água

20g de chocolate amargo (entre 50 e 70% de cacau)

Misture os cinco primeiros ingredientes e reserve (se seu bicarbonato tiver umas pedrinhas, passe-o por uma peneira fina pra desmanchar). Remova o caroço das tâmaras e amasse com um garfo até obter uma pasta. Se suas tâmaras estiverem ressecadas e duras, cubra com água quente e deixe de molho durante meia hora antes de amassá-las. Misture com a tahina e a água e bata bem (com o garfo) até ficar homogêneo. Você também pode fazer isso em um mini processador: coloque as tâmaras e a tahina e triture até virar uma pasta, em seguida acrescente a água aos poucos, com o motor ligado. Despeje essa mistura sobre os ingredientes secos e mexa bem. A massa deve ficar bem espessa e densa. Unte uma placa de assar biscoitos com um pouquinho de óleo (uso um pedaço de papel toalha pra espalhar o óleo e criar uma película finíssima) e distribua colheradas da massa formando dez montinhos. Molhe os dedos com água (pra massa não colar) e achate os montinhos formando os biscoitos. Asse em forno baixo, sem pré-aquecer, durante aproximadamente 20 minutos, ou até ficar bem dourado nas bordas e na parte de baixo. Retire do forno e, usando uma espátula de metal, descole os biscoitos com cuidado e vire-os pra assar do outro lado. Deixe mais 5 minutos no forno, ou até os biscoitos ganharem uma cor dourado-amarronzada. Pique o chocolate e distribua sobre os biscoitos quentes. Quando tiver derretido, use uma faca arredondada pra espalhar o chocolate. Deixe os biscoitos esfriarem completamente antes de servir. Se quiser que o chocolate endureça, coloque os biscoitos alguns minutos no congelador. Rende 10 biscoitos.