Harira (sopa marroquina com grão de bico e lentilha)

De todos os países que visitei até hoje, o que mais me marcou gastronômicamente foi sem dúvida nenhuma o Marrocos. Eu adorei as cores, as paisagens e o calor do povo, mas foram os aromas e os sabores desse país que realmente me impressionaram. Me senti tão bem entre montanhas de especiarias, frutos e frutas secas nos suks de Fez e Marrakesh, gostei tanto dos chás com hortelã fresca tomados em frente ao mar de Tanger, das delícias típicas como couscous, bisteeya e tajine que comecei a cultivar um sonho tão exótico quanto o festival de sabores que minhas papilas tinham descoberto: morar em um país árabe. Mal imaginava eu que anos mais tarde o sonho se tornaria realidade na Palestina.

Durante os trinta dias que passei lá provei dezenas de especialidades locais e tentei acumular o máximo de informação possível sobre a maneira como aquela comida deliciosa, colorida e requintada era preparada. Completei minha formação com “aulas” de culinária dadas pela mãe e irmãs de um amigo marroquino que me hospedou em Casablanca e comecei a reproduzir na minha cozinha alguns dos pratos que mais gostei. Na época que visitei o Marrocos eu ainda tinha um regime onívoro e os pratos que preparo hoje precisaram passar por algumas modificações. Mas acredito que consegui veganizar tudo sem no entanto perder a essência marroquina que tanto me encantou naquelas receitas.

A sopa de hoje é um exemplo disso. Harira é um prato preparado durante o Ramadã, o mês de jejum e reza que faz parte da religião islâmica. Durante um mês inteiro os muçulmanos jejuam (nada de comida nem água) entre o nascer e o pôr do sol.  No final do dia, quando as mesquitas anunciam o pôr do sol e a comida e bebida voltam a ser autorizadas, os marroquinos quebram o jejum com um prato de harira, que eles degustam acompanhada de tâmaras secas. Não era Ramadã quando visitei o Marrocos, mas pude experimentar a famosa sopa (que é preparada em alguns restaurantes o ano todo) na praça Jemaa Al-Fna, no coração de Marrakesh. Lembro de não ter gostado muito, afinal a receita original é feita com ovelha e nas poucas vezes que comi essa carne achei o cheiro fortíssimo e o sabor desagradável. Felizmente a versão vegana é bem melhor que a original, em todos os sentidos.

Se você nunca provou comida marroquina aqui está a receita ideial pra começar a explorar essa culinária fantástica. Ela é fácil de preparar, usa ingredientes encontrados em qualquer supermercado e traz uma pitada de exotismo que faz do prato algo especial sem no entanto assustar aqueles que tem um certo receio em provar comida estrangeira. Isso sem falar que essa sopa é um prato completo (combina leguminosas, cereais e legumes), delicioso e capaz de trazer reconforto no final de um longo dia, de jejum ou de trabalho.

Harira

Como cada ingrediente tem um tempo de cozimento diferente, é essencial respeitar a ordem em que eles são acrescentados à sopa. Já que você vai cozinhar grão de bico pra essa receita, aproveite pra cozinhar uma quantidade maior e congelar o resto pra utilizar mais tarde (pra não se perder nas contas: 1x de grão de bico cru é igual a 3x de grão de bico cozido). Se puder, não deixe de experimentar harira acompanhada de tâmaras secas, como fazem os marroquinos (uma colherada de sopa, uma mordidinha na tâmara…). O doce da fruta realça o sabor da sopa.

3 cs de azeite

3 cebolas picadinhas

6 dentes de alho picados

1x de grão de bico, de molho uma noite

1x de lentilha

2 cubos de caldo de legumes (de preferência sem conservantes)

1kg de tomate picado

2 cs de extrato de tomate

1 folha de louro

2cc de cominho

1cc de semente de coentro em pó

1/3x de arroz (branco ou integral)

1 cs de amido de milho

1 maço de coentro

Sal, pimenta do reino a gosto

Suco de um limão

Escorra o grão de bico (que deve ter ficado de molho por 12 horas) e cozinhe em uma panela de pressão coberto com bastante água até ele ficar macio mas “al dente”, entre 40 minutos e 1 hora. Quanto mais velho o grão de bico, mais tempo ele leva pra cozinhar então teste depois de 40 minutos e cozinhe mais um pouco se precisar. Em uma panela grande, refogue a cebola no azeite. Quando estiver transparente acrescente o alho e refogue mais dois minutos. Junte o grão de bico cozido, a lentilha, o caldo de legumes, os tomates picados, o extrato de tomate, o cominho, o coentro em pó e 3 litros de água. Tampe e deixe ferver (em fogo médio/baixo) até a lentilha ficar quase totalmente cozida, mais ou menos meia hora. Acrescente o arroz e ferva mais 15 minutos, ou até o arroz cozinhar. Se o arroz for integral, coloque-o na panela ao mesmo tempo que a lentilha pois ele demora mais pra cozinhar do que o arroz branco.  A sopa vai ficar bem encorpada, com pouco caldo. Quando tudo estiver cozido dissolva o amido de milho em 2cs de água fria, junte à sopa e deixe ferver mais dois minutos, mexendo de vez em quando. Acrescente o coentro picado, corrija o sal e junte uma pitada generosa de pimenta do reino. Desligue o fogo e deixe a sopa repousar coberta  por 10 minutos. Junte o suco de limão e sirva acompanhada de tâmaras e mais limão. Serve 8 porções. Se sobrar sopa você é uma pessoa de sorte: ela fica ainda mais gostosa no dia seguinte.