Como preparar abobrinha

abobrinha

Abobrinha está longe de ser o meu legume preferido. Na verdade é um dos que menos gosto. Acho o sabor sem graça e por ser um legume que tem muita água (o que faz com que o sabor seja tão suave) a textura depois de cozida quase nunca me agrada. Mas existem maneiras de se livrar de uma parte da água e concentrar o sabor da abobrinha. A minha preferida é corta-la me fatias finas, regar com sal e azeite e assar no forno médio-alto até ficar ligeiramente caramelizada.

abobrinha

Também gosto de dourar as fatias na frigideira (com um pouco de azeite, sem nunca acrescentar água (abobrinha já tem água suficiente) pra não diluir o sabor e manter uma textura mais firme.

Ontem almocei com uma amiga em Jerusalém e ela preparou abobrinha de uma maneira inédita pra mim: com leite de coco. Nunca tinha me ocorrido misturar esse legume, que geralmente associo com a culinária italiana e palestina, com leite de coco, que uso nos pratos brasileiros e asiáticos. Mas a minha amiga cozinha muito bem e pelo jeito é chegada numa fusion food. No início achei a mistura ousada, mas depois de provar me apaixonei pelo prato. Como além de inusitada e deliciosa essa receita é facílima, eu precisava dividi-la com vocês.

abobrinha com leite de coco

Abobrinha com leite de coco

Adaptei ligeiramente a receita da minha amiga: juntei coentro e um pouquinho de limão, porque acho que eles são o complemento ideal pro leite de coco, e juntei uma pitada de pimenta calabresa pra deixar a mistura mais quente. Claro que vocês podem fazer sem a pimenta (tem quem não goste de ardor) e sem o coentro (por mais estranho que isso possa parecer pra mim, tem um pessoal que detesta essa erva).

600g de abobrinha (do tipo italiana), cortada em meias-luas finas

1 cebola grande, picada

4-6 dentes de alho, picados/ralados

3x de leite de coco

1cs de azeite

Sal, pimenta calabresa, pimenta do reino e noz-moscada

Suco de limão e um punhado de coentro

Aqueça o azeite em uma frigideira grande e funda e doure a cebola. Junte o alho, cozinhe mais 30 segundos e acrescente a abobrinha. Deixe cozinhar em fogo médio-alto durante alguns minutos, mexendo de vez em quando (fique de olho pra não deixar queimar). Quando uma parte da abobrinha estiver bem dourada junte o leite de coco e os temperos. Usei uma pitada generosa de noz-moscada, pimenta do reino e calabresa, mas tempere de acordo com o seu gosto. Deixe cozinhar mais alguns minutos, até uma parte do leite de coco evaporar e a abobrinha ficar bem macia. Desligue o fogo e junte um pouco de suco de limão (usei 1cs) e um punhado de coentro picado. Prove e corrija o sal, se necessário. Rende 4 porções como acompanhamento.

*Algumas sugestões pra servir: acho que essa abobrinha deve ficar arretada no recheio do meu omelete de grão de bico, mas também fica ótima servida com arroz (melhor se for basmati ou tai). Minha amiga serviu a abobrinha acompanhando gnocchi (eu disse que ela era chegada em misturar culinárias diferentes) e ficou supimpa.

Mais algumas receitas de pratos com abobrinha:

 antipasto beringela abobrinha copie

 Antipasto de abobrinha (e beringela, com alho e hortelã)

Espaguete com abobrinha grelhada e espinafre

Espaguete com abobrinha grelhada, espinafre e alho

 Espaguete de abobrinha com pesto de tomate

Espaguete de abobrinha com pesto de tomate (receita crua e sem glúten)

E antes de me despedir, agradeço a todos que deixaram comentários no meu último post. Adorei receber os parabéns de vocês e espero poder comemorar muitos outros aniversários do blog. E o azeite de Tawfic está a caminho, Ju.

46 comentários em “Como preparar abobrinha

  1. Tenho uma receita de um cozido de abobrinha e milho com leite de coco que também é uma delicia! Aqui em casa acompanha muito bem os dias que nao tem arroz integral (ou outro grão comprado em mercado), uma salada. É satisfação da barriga garantida! Rsrs

  2. Sandra, eu faço uma massa com molho apimentado de tomates, cebolas e abobrinhas em meias luas finas ligeiramente grelhadas (ainda al dente), que fica divino! Foi uma invenção em dia de despensa vazia. rsrs Beijos!!

  3. Como a própria ju disse, somo leitores quitos, mas a partir de agora é obrigação agradecer ao tempo que tu dedicas a nós, já que se sente o carinho em cada post, em cada prato, Esse espaguete com alho, que cara mais linda!!! beijos!

  4. Ah, Sandra não consigo mais viver sem seu blog!

    Eu ao contrario de vc AMO abobrinha, adoro usar de recheio para quiche ou tortas salgadas.
    Vou tentar fazer essa receita para rechear o omelete de grão de bico!

    Aliás, acho que não comentei nesse post da omelete, mas preciso te agradecer por essa receita, é divina.
    Descobri que dá para congelar a massa,
    quando estou com pressa pego um potinho descongelo no micro e frito rapidinho!!!
    É pratico e me faz ficar longe das comidas industrializadas.

    Parabéns pelo aniversário do blog!
    Que você seja muito feliz sempre!

  5. No ano passado, estive em Minas Gerais, e almocei num restaurante self-service que tinha um prato à base de abobrinhas refogadas com farinha de milho flocada. Não sei o nome do prato, nem como se prepara, mas achei deliciosa – a farinha de milho absorveu todo o sumo da abobrinha, não deixando escapar nada. Se tiver algum leitor mineiro, pode me esclarecer qual prato é esse?

    1. Deve ser um Virado, nesse caso, Virado de Abobrinha! É muito comum aqui em Minas, é feito com o legume refogado, com alho cebola e temperos à gosto, adicionando-se a farinha de milho no final. Fica legal também com vagem, couve, cenoura… Eu adoro

      1. Isso mesmo! no Paraná também é muito comum fazer “virado” com legumes refogados, inclusive com feijão, fica uma delícia! e fica melhor ainda com limão!

    2. Oi Yoko, esse prato que vc descreveu é realmente muito comum aqui em Minas. O nome, como o prato, é simples: farofa de abobrinha. Eu faço aqui em casa quase toda semana e gosto de incrementar com cenoura, milho verde, tomate, etc. Dei uma olhadinha do Google e encontrei varias receita. Achei que vc gostaria dessa. Ela é feita com farinha de milho, mas se vc preferir é só substituir pela de mandioca, que, aliás, é a minha preferida. Existe também uma versão não vegana na qual entra ovos mexidos, tambem muito apreciada por essas brandas. Espero ter ajudado. Aí vai o endereço: http://nacasinhadapaty.blogspot.com.br/2010/09/farofa-de-abobrinha.html

  6. Olá, Sandra

    Tantas opções para a abobrinha – legume meio sem graça – como bem você disse.
    No entanto, mágicas são feitas na sua cozinha e tudo fica prá lá de bom!!
    Obrigada pelas dicas. Estas receitas são muito versáteis e acabam sempre salvando a gente naqueles dias de pouca inspiração.

    Abraços,
    Vagaluminha

    1. Deve ser um Virado, nesse caso, Virado de Abobrinha! É muito comum aqui em Minas, é feito com o legume refogado, com alho cebola e temperos à gosto, adicionando-se a farinha de milho no final. Fica legal também com vagem, couve, cenoura… Eu adoro 🙂

  7. Em Portugal, chamamos courgette!
    Eu adoro! Um dia envio-lhe uma receita de bolo de courgette com cenoura (tem ovos). Se sentir motivada até o podia adapatar a vegano.

    Parabéns pelo blog.

    Mencionei no meu blog o seu, espero que não se importe, caso contrário elimino a publicação, ou parte dela.

    Cumprimentos

    Rakel

    1. Olha que coincidência: eu provei um bolo de abobrinha (courgette é abobrinha em Francês, não sabia que em Portugal vocês usavam essa palavra) e adorei. Vou tentar fazer uma versão um pouco mais saudável (a que provei não tinha ovos, mas tinha muito açúcar), e vegana, claro, e se der certo publico por aqui. Se quiser deixar sua receita aqui, vai me ajudar na inspiração:)

      E sobre ter mencionado o blog, não tem problema nenhum.

  8. Eu gosto tanto de abobrinha que chega a ser estranho. Abobrinha, berinjela e abacate eu comeria todos os dias, haha.
    Faço assim, rodelas finas no fatiador, refogo no azeite com alho e cebola por poucos minutos – poucos mesmo, desligo o fogo antes de começar a soltar água. Deixo tampado por mais uns minutos, que o calor/vapor termina de cozinhá-las sem que ela fique com aquele gosto de que perdeu toda a água.

    Essas suas receitas do antipasto e do espaguete estão entre minhas favoritas aqui, fácil e gostoso 🙂

  9. Durante longo tempo me abstive de saborear a dita cuja, também a considerava ‘sem graça’… porém quando quis parar de comer carne, aí fui em busca da mesma. Preparo-a hoje juntamente com o arroz, fritando-a picadinha juntamente com alho poró, erva doce, salsão, cebola e 1 cenoura (para dar cor). Fica muito bom, pois alia-se a secura do arroz com a umidade da abobrinha e há um equilíbrio gostoso. Ah, por cima, após pronto, coloco um pouco de cheiro verde picadinho. Divino!

  10. Sandra, bom dia. Gostei desta receita de abobrinha. Lendo o modo de fazer, chamou-me a atenção a questão de aquecer o azeite. Há vários artigos e opiniões informando que o azeite, para preservar seus benefícios e não causar mal à saúde, não deve ser consumido aquecido. Quero ler sua opinião sobre isto. Muito grata. Leoni.

    1. Leoni, a verdade é que os artigos que você leu estão certos. Quando esquentamos azeite ele se oxida e deixa de ser saudável, mas como aqui na Palestina minhas opções são: azeite orgânico (delicioso e produzido localmente) ou óleo de soja importado (feito provavelmente com soja transgênica), prefiro fazer tudo no azeite. Assim apoio a economia local, consumo um produto orgânico e muito saboroso. Mas pra continuar aproveitando os benefícios do azeite cozinho com uma quantidade mínima e sempre rego minhas saladas e pratos prontos com azeite cru.

  11. Já estou pensando em coletar as receitas do papacapim para imprimir e deixar na cozinha! Tem sido uma leitura muito agradável e consigo encontrar os ingredientes aqui em Aracaju. Parabéns!

  12. Sandra, temos algo em comum, eu também não gosto muito de abobrinha! Na versão crua gosto, assada nunca experimentei (mas está na minha lista mental), mas cozida quase nem a posso ver. Porque quando comecei a mudar mais a minha alimentação, no verão de há 2 ou 3 anos, a minha mãe insistia que eu fizesse para jantar feijão vermelho com abobrinha e molho de tomate imensas vezes! Porque eram os vegetais que mais abundavam no quintal…
    Mas tenho de dar outra chance à abobrinha! Lá para junho experimento a tua receita com leite de coco com as minhas abobrinhas caseiras! 🙂

    1. Márcia, juro que a abobrinha assada se transforma completamente e fica deliciosa. Você precisa experimentar nesse verão, quando as abobrinhas invadirem o seu jardim novamente:)

  13. Vovó tava aqui hoje e fez a receita para mim, ficou muito gostosa. Desabafo: as receitas só não ficam gostosas na minha mão.

  14. oi querida, adorei a abobrinha, vou experimentar, aqui em casa não falta abobrinha, faço tudo com ela, pizza e macarronada usando a abobrinha como massa…adoro recheada…ontem em um restaurante comi refogada, e tive que repetir para descobri o que era o tempero diferente, coentro….hehehe…ak em casa não somos fã…mas estou descobrindo que no frango e no peixe fica muito bom…eu tinha horta e varias vezes plantamos errado, achando que era salsinha, só depois de grande é que percebíamos…e meu marido não gostava nem do cheiro…hoje já estamos tolerando…até tenho comprado…bjão…

      1. Sério? Estou tão feliz que minha “idola” sabe de mim e até lembra de mim quando faz post! Ganhei meu dia, minha semana, meu mês…
        (comentei de novo sobre não gostar pq achava q vc nunca nem tinha visto meus comentários!!!)

        Para mim, moqueca tem q ter coentro, mas como já devo ter comentado, coloco vários galhos, inteiros, amarrados e tiro antes de servir.

        Mas de tanto ver o coentro por aqui, insisti em colocar salsinha picadinha em alguns pratos e sabe que estou gostando… mas não pode ser na salada, tem que, no mínimo, colocar em cima de algo fumegante, como as sopas.

        1. Oxe! E você achava que eu não lia os comentários dos meu leitores, moça? E como eu haveria de esquecer alguém que detesta a erva que tem mais valor sentimental pra mim e uma das minhas preferidas?

          Diferente de você, eu adoro todos os tipos de ervas, tanto cruas como cozidas. Mas acho que é uma questão de costume…

  15. daqui um tempinho vou colher abobrinha direto do meu quintal. Então é uma dica preciosa!!!! Coentro é pouquíssimo usado aqui, não sei se encontro fresco pode ser seco?

  16. Certo dia, no meu sítio, sem outra opção para rechear uns pastéis, usei a bendita abobrinha. Como sou vegetariana, já torceram o nariz. Usei abobrinha refogada, com queijo branco e temperei com bastante pimenta, salsinha e outros. Não é que ficou uma delícia e eu só consegui comer unzinho…os de narizes torcidos ficaram de queixo caído. Adoroooo o blog!! Parabéns!

    1. Isso acontece bastante comigo: preparo algo veg e a população onívora da casa ataca minha criação e me deixa sem nada. E como não posso comer os pratos que eles preparam… Mas considero isso como um elogio, então não me importo muito de só comer um tiquinho do que preparo:)

Deixe uma resposta