Durante essa temporada em Natal minha irmã Lu (a do melhor bolo de laranja do mundo) me apresentou uma receita da pasta de grão de bico com amendoim que passou a aparecer com muita frequência no meu café da manhã. Lu a chama de “hummus cubano”, pois aprendeu a fazer essa pasta em Cuba. Lá as pessoas contaram que como tahina (pasta de gergelim) é rara e cara, elas usam um ingrediente abundante na ilha: amendoim. Daquelas ideias geniais que fazem você pensar: “Por que eu não pensei nisso antes?” Obrigada, compas cubanas!⠀

Em Cuba o pessoal segue o modo de preparo tradicional, trocando apenas a tahina por pasta de amendoim. Quando voltou de Cuba, Lu começou a fazer assim em casa e acabou inspirando uma amiga daqui do RN a ir mais longe, usando o amendoim inteiro. Essa amiga deixa o grão de bico de molho com amendoim (torrado e sem pele), depois cozinha os dois juntos na pressão. Assim o amendoim fica macio e pode ser triturado até virar creme. Lu usa 1/3 de amendoim pra 2/3 de grão de bico (cru). Depois faz tudo igual, dosando os outros ingredientes de acordo com o gosto da freguesa. Dá pra usar só o amendoim e grão de bico, caprichando no azeite (dentro do hummus), já que a textura e sabor melhoram quando a quantidade de gordura aumenta. Mas essa pasta fica perfeita mesmo usando o amendoim inteiro junto com a pasta de amendoim. 

Antes que me perguntem se fiica com gosto de amendoim, deixa eu responder que sim, obviamente. Se você não gosta de amendoim, sugiro que faça outra receita. Opções não faltam na seção “patês, cremes e pastas” desse blog (clique na página “Receitas” e procure lá) .

E antes de ir pra receita, deixa eu dar umas explicações sobre  “hummus”.

Sempre que falo sobre essa comida tão popular na Palestina (e nos países vizinhos), chove perguntas sobre a pronúncia/grafia da palavra. Dependendo do país árabe, a primeira vogal é pronunciada “u”, “o” ou quase “a”. Segundo ponto: o “m” é duplo porque é pronunciado de maneira enfática (hum-mus), mas tudo bem se você falar um “m” simples. O que não é tudo bem é achar que o “h” é mudo (“umus). Não é. Lembrando que isso não passa de uma transcrição fonética da palavra em Árabe, já que essa língua tem um alfabeto diferente. O original é, na verdade, حمص

Então escolha a primeira vogal que preferir (descobri hummus na Palestina e como falam “u” sempre chamarei esse prato de hummus), fale um “m” duplo ou simples, mas não esqueça de pronunciar o “h” como o “r” de “rato” e lembre que é uma palavra paroxítona (rúmus ou rômus).

E, mais importante ainda: “hummus” significa “grão de bico” em Árabe, assim como a pasta feita com ele. Nunca tem confusão porque se você chegar num restaurante no Oriente Médio e pedir um prato de hummus todo mundo vai entender que você quer a pasta, não o grão. Inversamente, se você entrar num mercado e pedir 1 kg de hummus vão entender que você quer um saco do grão, não da pasta. Óbvio, né? 

Então bora respeitar a semântica da palavra (e a língua Árabe) e parar com essa história de “hummus de lentilha/feijão/beterraba/abóbora”! Não existe! Seria a mesma coisa que dizer “feijoada de grão de bico”. Chamem de pasta de X e fim de conversa. Hummus, só de hummus (grão de bico).

“E por que você está chamando essa receita de ‘hummus cubando’, então?”

Mesmo não sendo tradicional, não é sem sentido chamar essa receita de “hummus cubano”, ou de “hummus com amendoim” (o que, na tradução, seria “grão de bico com amendoim”). Já “hummus de lentilha” é semanticamente impossível, pois significa “grão de bico de lentilha”. Entendeu?

Hummus cubano (pasta de grão de bico com amendoim)

Essa receita faz uma quantidade pequena de hummus. Sinta-se livre pra dobrá-la se quiser hummus pronto na geladeira durante toda a semana.

1 xíc de grão de bico cru

1/3 xíc de amendoim torrado, sem pele

2 col. sopa de pasta de amendoim (pura, sem açúcar)

2cs de suco de limão (ou a gosto)

1 dente de alho picado (o tamanho fica a seu gosto)

Sal e pimenta do reino

Azeite pra servir

Uma pitada de summac (sumagre) ou páprica doce, pra decorar (opcional)

Deixe o grão de bico e o amendoim de molho em bastante água por 12 horas (de um dia pro outro). No dia seguinte descarte a água do molho e cozinhe os dois em água nova, com sal, até o grão de bico ficar bem macio. Uso a panela de pressão, pois grão de bico, se for cozido sem pressão, demora muito e vai usar todo o gás da sua cozinha. Reserve um pouco da água do cozimento.

No liquidificador, bata o grão de bico/amendoim cozidos com todos os outros ingredientes, menos o azeite e o summac. Acrescente colheradas do líquido de cozimento, até atingir a consistência deseja (cremosa e encorpada). Prove e corrija os temperos de acordo com o seu gosto. Sirva regado com azeite e, se quiser, polvilhado com summac (ou páprica doce). 

Guarde o hummus na geladeira, em um recipiente fechado. Se conserva vários dias na geladeira.