Durante a procura por apartamento aqui em Paris, um dos meus critérios de busca era ter fogão a gás. Em uma cidade onde quase todas as cozinhas são equipadas com placas elétricas, um fogão a gás é algo extremamente raro. Meu lar atual tem placas elétricas modernas (funciona por indução, seja lá o que isso quer dizer), mas apesar de preferir cozinhar com fogo, acabei me resignando. Sinto que tem algo de estéril em uma cozinha fria, onde não tem chama. (Crudívoras, não me detestem!) Talvez eu ainda me sinta muito apegada ao ato primitivo de reunir a comunidade ao redor do fogo e preparar o jantar enquanto se conta histórias. Talvez seja porque sou cozinheira e sei que não ter acesso à uma chama limita a gama de preparações culinárias possíveis (não posso preparar meu amado muta’bal, por exemplo). Mas o que tenho por enquanto são duas bocas elétricas e já adaptei minhas refeições ao que está ao meu alcance no momento.

Porém tem algo que está me fazendo muita falta na cozinha: um forno. Além de não ter gás, minha micro cozinha francesa não tem forno. A pessoa que nos alugou o apartamento não cozinhava (“Eu tomo sucos verdes” – ela explicou), por isso equipar sua cozinha com um forno era um despropósito.

Quando o verão chega e as temperaturas se tornam insuportáveis aqui (tenho péssimas lembranças dos meus verões parisienses), não faço questão nenhuma de ligar o forno. Posso passar semanas comendo saladas e frutas frescas. Mas a perspectiva de atravessar os meses frios do ano sem um gratinado, sem uma torta, sem uma lasanha me entristece. Nem gosto tanto de bolos, mas só porque agora não tenho forno passei a ter vontade de fazer meu bolo de melado e especiarias ou o bolo de laranja de Lu.

Além de desejar comida de forno durante o inverno, tem algo reconfortante em assar alimentos quando está frio e cinzento lá fora. Mas vou ter que enfrentar a chuva, o céu nublado e o frio intenso dos meses que virão sem a ajuda do aroma de algo assando no forno pra aquecer a casa e levantar nossos ânimos.

Então quando estive na casa do meu sogro umas semanas atrás aproveitei pra usar o forno em todas as refeições. Fiz até uma versão do bolo de Lu que ficou ainda melhor do que a original. Mas o que eu gostaria de compartilhar hoje é algo muito mais simples, porém não menos saboroso.

Gosto de assar quase todo tipo de legume, mas dependendo da estrutura do legume em questão o método de preparo varia um pouco. Legumes que crescem embaixo da terra, como batata, batata-doce, beterraba, cenoura etc. são densos (tem pouca água) e se beneficiam muito de um pré-cozimento na água antes de ir pro forno. Já legumes mais moles (cheios de água), como abobrinha, pimentão, tomate, berinjela e cebola, devem ir direto pro forno.

As receitas de hoje são tão ridiculamente simples que nem chegam a ser receitas. São métodos de cozimento que podem ser aplicados à uma infinidade de legumes. Mas o resultado é tão saboroso que vale a pena compartilhar as informações com vocês. E convenhamos que nunca em lugar nenhum alguém comeu algo delicioso e depois disse: “Que delícia! Uma pena que é tão simples.”

Talvez muitas pessoas me lendo agora já preparem batata e abobrinha assim em casa, mas pra todas as outras, vocês não podem viver mais nem um dia sem provar esses legumes preparados dessa maneira. Se você tem a sorte de ter um forno em casa, aproveite.

Batata assada

Descasque as batatas e corte em pedaços médios. Veja as fotos acima pra entender o formato dos pedaços. Cortados assim eles tem mais lados, o que faz com que tenha mais superfície pra dourar e fiquem mais crocantes. Se você não tem ideia do que estou falando deixe pra lá e corte sua batata como quiser. O importante é que os pedaços tenham mais ou menos o mesmo tamanho, pra que possam cozinhar por igual.

Coloque os pedaços de batata em uma panela e cubra com água fria. Salgue generosamente. Quando a água ferver desligue o fogo e escorra as batatas. Isso faz com que o amido da batata cozinhe ligeiramente e coagule, fazendo com que ela asse melhor (mais dourado e mais crocância) depois.

Transfira as batatas pré-cozidas pra uma placa/forma grande o suficiente pra que tenha um pouco de espaço vazio entre os pedaços. Regue com azeite (não precisa ser extra-virgem), mais uma pitada de sal e misture bem pra que o azeite envolva todos os pedaços. Leve ao forno alto até as batatas ficarem bem macias (espete uma faca pra testar). Se seu forno tiver a função “grill” esse é o momento de utiliza-la. Alguns minutos são suficiente pra deixar as batatas bem douradas (não se afaste da cozinha, já que elas podem passar de douradas pra queimadas em pouco tempo).

Retirte as batatas do forno e tempere com pimenta do reino e ervas frescas (tomilho ou alecrim amam batatas).

Abobrinha assada

Lave e corte a abobrinha (do tipo italiana) em rodelas finas. Use um fatiador se você não tiver muita habilidade com facas. Arrume as fatias de abobrinha em fileiras (veja a foto acima) bem apertadas. Enquanto assam parte da água da abobrinha evapora, fazendo com que as fatias encolham, por isso pode colocar as fileiras coladas umas nas outras (elas se separam enquanto assam e a parte exposta vai dourar). Regue as fileiras de abobrinha crua com azeite e tempere com sal. Leve ao forno alto até que a parte superior das fatias fique dourada. O tempo de cozimento varia dependendo do seu forno, então eu te digo: fique de olho na sua abobrinha e você saberá quando ela estará pronta. Se tiver a função “grill” no seu forno, use durante os últimos minutos. Usei o “gril” nessas duas receitas, por isso o dourado está tão lindo.

Retire do forno e tempere com pimenta do reino e ervas frescas (tomilho é sempre bom, mas manjerona e orégano também são uma delícia aqui).