No final de abril viajamos em lua de mel pela segunda vez. Dessa vez o destino foi São Francisco/EUA. A primeira lua de mel, anos atrás, foi na Irlanda e ainda sonho em voltar lá.

Anne sempre quis visitar São Francisco e apesar dos EUA nunca terem estado na minha lista de destinações sonhadas, SF era a única cidade de lá que me interessava. Ela sempre existiu na minha imaginação como um lugar alternativo, tolerante e totalmente diferente do resto do país. Minha irmã caçula, que morou dois anos nos EUA e visitou várias cidades lá, me falou que era exatamente isso. E o momento era perfeito. Anne já estava nos EUA, em uma turnê de um mês apresentando o último projeto dela sobre Gaza, Obliterated Families, e o final da turnê coincidia com o final do meu trabalho com os tours políticos/ativistas na Palestina. Decidimos então nos encontrar em SF, eu vindo da Palestina (com uma passagem por Paris) e ela de Seattle.

A cidade superou todas as minhas expectativas e vivemos momentos incríveis, visitamos lugares lindos, conhecemos pessoas que me tocaram profundamente, participamos de um grande protesto, junto com a comunidade de imigrantes, contra a política racista e islamofóbica de Trump, encontramos ativistas que lutam por justiça social e comemos muitíssimo bem. A receita de uma lua de mel perfeita na opinião de duas ativistas veganas.

Como acontece sempre que visito uma cidade pela primeira vez, decidi reunir minhas experiências em um Guia Vegano. Um aviso pra quem nunca leu um dos meus guias veganos antes: o que você vai ver aqui está longe de ser um guia turístico completo da cidade. O objetivo principal dessa série é descrever a cena vegana local e compartilhar meus lugares preferidos, além de uma ou outra experiência marcante que vivi por lá. É um relato pessoal, diferente do formato tradicional de guia turístico e reflete a maneira como viajo.

E falando na maneira como viajo, queria compartilhar algo antes de começar a descrever a comida deliciosa que experimentei em SF.  Eu não sou aquela viajante que programa uma maratona de visitas a cada dia, nem gosto de bater ponto em todos os lugares turísticos da cidade que estou visitando. Pra minha grande felicidade casei com uma viajante igual a mim. E dessa vez nosso ritmo ficou ainda mais lento, pois precisávamos de descanso depois de meses de trabalho intenso. No final adorei viajar de uma maneira totalmente relaxada, curtindo sem pressa cada instante e optando por programas mais singelos (caminhadas no bairro, piqueniques nos parques, manhãs tranquilas com fartos cafés na cozinha da casa que alugamos…). Eu me dizia sempre que não queria explorar tudo de uma vez pra deixar algumas surpresas pra próxima visita à cidade. Não sei se um dia terei a oportunidade de voltar à SF, mas mesmo se isso não acontecer ter adotado essa postura mental acalmou algo dentro de mim e me fez aproveitar a viagem ainda mais.

Pra esse post não ficar muito longo, dividi o guia em duas partes. A primeira terá foco na comida vegana e a segunda parte será dedicada aos lugares mais bacanas que visitei e terá algumas dicas práticas.

Comida vem primeiro, claro, porque descobrir novos sabores é a parte que mais gosto nas viagens. SF é um paraíso gastronômico, mas diferente da maioria da cidades consideradas como tal, pessoas veganas também tem acesso a esse paraíso. A California, principalmente o norte do estado, onde fica SF, é famosa por ser um ninho de pessoas alternativas, com opniões políticas mais progressistas do que o resto do país. O fato de abrigar uma grande comunidade vegetariana há décadas moldou profundamente a paisagem gastronômica da cidade, com uma oferta vegetal extremamente variada e que vai agradar todos os gostos. Tem sucos verdes extraídos a frio, comida japonesa zen, tigelas macrobióticas, fast-food, junk-food, comida mexicana de rua, culinária mexicana mais refinada, restaurantes gastronômicos que merecem estrelas do Michelin (quando vamos ter um guia Michelin vegano?), feiras de produtores orgânicos, supermercados populares com vasta oferta vegana, supermercados-templos de comida orgânica e vegana…Com tantas opções é fácil se aperrear tentando provar o máximo de pratos possível, mas olha a ansiedade da viajante voltando!

Como sempre, aconselho você dar uma olhada no site Happy Cow, onde é possível ver a lista detalhada de todos os restaurantes veganos, vegetarianos e simpatizantes da cidade. Cheguei com uma lista grande, mas acabei visitando menos lugares do que imaginei. Fica pra próxima. Deixei de lado os planos de provar tudo e acabei voltando pra comer novamente em vários lugares, coisa que eu não lembro de ter feito antes durante uma viagem. Também cozinhei bastante em casa, principalmente à noite. Abaixo você encontrará os meus lugares preferidos. Já vou me desculpando pela qualidade das fotos, mas fiz todas com o meu telefone e a luz dentro de restaurantes não é a melhor pra fazer fotografia. Visitem os sites dos restaurantes pra ver fotos que realmente fazem justiça às delícias servidas lá.

Millennium

Vou começar com o ponto alto da viagem. Eu ouvi falar desse restaurante vegano anos atrás e eu já tinha vontade de comer lá muito antes de decidir viajar pra SF. Então a primeira coisa que fiz quando cheguei na cidade foi reservar uma mesa lá. O restaurante é concorrido, por isso a reserva é essencial. Já o brunch no domingo é mais tranquilo, mas pra você não correr o risco de ir parar lá e ficar sem mesa, eu aconselho reservar do mesmo jeito. Jantamos no Millennium e a comida era tão saborosa quanto eu tinha imaginado. Cada prato tinha sido preparado com maestria, tanto na combinação de sabores e texturas quanto na apresentação. É raro ter uma experiência gastronômica em um restaurante quando se é vegana, pois a culinária vegetal ainda está debutando no mundo da alta gastronomia, então vale muito a pena comer lá. Os preços refletem a qualidade dos pratos, mas não são tão mais elevados do que o que você pagaria por um sanduíche em um dos cafés descolados da cidade. Dica: se seu orçamento está bem apertado, vá ao restaurante no horário de almoço e peça o menu do dia. Fica bem mais em conta. Gostamos tanto que voltamos pro brunch no domingo e foi ainda melhor! O serviço é muito simpático, o local é agradável e tem kombucha na torneira (na cozinha dos meus sonhos tem uma torneira de kombucha).

 

Gracias Madre

Um charmoso restaurante mexicano e vegano. O casal por trás do Gracias Madre é o mesmo dos  Cafes Gratitude, também veganos. Provei alguns pratos quando estive lá e uns estavam deliciosos, outros apenas ok. Mesmo assim gostei muito da experiência e recomendo o lugar pra quem quer degustar uma culinária mexicana que vai além do burrito, preparada somente com ingredientes vegetais. Não deixe de provar o bolo de chocolate com sorvete de coco.

Houve uma polêmica grande ano passado relacionada com esses restaurantes e acho que não posso não tratar do assunto aqui. As pessoas que criaram o Cafe Gratitude e Gracias Madre assumiram publicamente que tinham voltado a consumir animais, depois de décadas de veganismo. Pra piorar ainda mais começaram a criar vacas pra consumo no sítio onde parte dos vegetais dos restaurantes é cultivada. Por causa disso uma parte da comunidade vegana decidiu boicotar os restaurantes. Se alguém aqui se interessar pela minha opinião, lá vai. Sempre me parte o coração ver pessoas veganas voltarem a comer animais. O que acontece na cabeça delas pra fazer com que voltem a comer quem por anos era visto como amigo, não comida, me intriga profundamente. Mas sejamos honestas. Sempre que você descobre que abriu um restaurante vegano na sua cidade, ou ouve falar de um café vegano na cidade que você vai visitar, você procura se informar antes se a proprietária é vegana e só come lá se a resposta for afirmativa? Infelizmente ainda existem poucos restaurantes veganos mundo afora e muitos deles pertencem à pessoas onívoras. Eu mesma trabalhei em um restaurante vegano em Londres cujo proprietário era onívoro. O número de pessoas veganas no mundo está crescendo e vamos ver cada vez mais restaurantes veganos pipocar por aí. Não necessariamente porque veganas adoram abrir restaurantes, mas porque se existe um mercado, existe a possibilidade de lucrar e pessoas onívoras vão querer investir nisso. Se eu souber que as pessoas por trás de um determinado restaurante vegano também são veganas, vou apoiar com mais alegria ainda. Mas se eu descobrir que a dona desse ou daquele restaurante vegano come animais, eu ainda assim vou ficar feliz por ela estar oferecendo comida vegana pra nós quando poderia ter decidido abrir um restaurante que serve animais, causando mais sofrimento e injustiça no mundo.

Papalote

E falando em comida mexicana, esse restaurante (que serve animais) oferece várias opções veganas. Dizem que você encontra o melhor burrito de SF lá e eu acredito que seja verdade. Além de burritos tem tacos e saladas, e você pode pedir praticamente todos os ítens em versão 100% vegetal. Funciona assim: a base dos pratos (tortilla, tacos, dois tipos de arroz, três tipos de feijão) é totalmente vegana, assim como uma parte dos molhos (guacamole, salsa). Aí cada pessoa acrescenta o recheio que preferir, que pode ser um animal ou tofu marinado com anchiote (um molho mexicano), vegetais grelhados, chorizo de soja… As porções são gigantes, os preços são camaradas e a salsa de tomate assado é tão incrível que tive vontade de beber no copo. Tão bom que comi lá três vezes.

Cha-Ya

Restaurante japonês zen, que serve comida tradicional de templo. O menu, 100% vegano, tem mais de 40 opções. Comida de templo é preparada usando métodos simples e poucos temperos, o que os paladares acostumados com sabores fortes podem achar “sem gosto”.Mas muitos dos pratos são mais temperados, justamente pra agradar a um número maior de pessoas. Eu gostei de tudo que provei e almoçamos lá duas vezes.

New tree

Um café que serve animais, mas oferece opções veganas deliciosas. Tudo orgânico e “fair trade”. Tem sanduíches, wraps, saladas, sopas (a sopa do dia é sempre vegana), sobremesas, cookies (alguns veganos e sem glúten), leite vegetal pro seu cappuccino, papa de aveia (cozida na água, com frutas secas e castanhas). Bom pro café da manhã e almoço. O “tempeh burger”, feito tempeh, cogumelos, missô e tomate seco foi um dos melhores que já comi na vida! Menção especial pro maravilhoso mousse de chocolate vegano, feito com abacate, cacau, agave e leite de amêndoas. O local também é uma loja de chocolates e fiquei surpresa ao descobrir que o chocolate quente da casa é sempre vegano (e voluptuosamente delicioso!).

 

Golden Era

Passei na frente desse restaurante por acaso e que surpresa feliz! Totalmente vegano, ele serve comida vietnamita, chinesa, tailandesa e indiana e tem um cardápio tão grande que vai ser difícil escolher. Rolinhos (com papel de arroz ou do tipo frito), saladas, wraps, pratos à base de arroz, sopas, panquecas vietnamitas… Os rolinhos primavera (recheados com tofu e vegetais crus) servido com molho de amendoim estavam divinos!

Supermercados

Como alugamos uma casa em SF eu tive acesso à uma cozinha equipada e preparei várias refeições em casa. Porque muitas vezes faltava disposição pra sair pra comer à noite, mas principalmente porque SF é uma cidade muito cara e fazer todas as suas refeições em restaurantes vai esvaziar a sua carteira em uma velocidade impressionante. E além da economia, eu acabo me cansando de comida de restaurante e sentindo vontade de comer algo preparado por mim, do jeitinho que eu gosto. Claro que o fato de SF ter uma abundância de vegetais incríveis e oferecer produtos veganos de alta qualidade, como ravioli recheado com ricota de amêndoas, não só facilitou a preparação de refeições em casa, como me inspirou bastante.  Os dois supermercados abaixo possuem vários endereços pela cidade, então procure na internet qual o mais perto de onde você estiver hospedada.

Whole Foods

O templo da comida orgânica nos EUA, onde você encontra tudo que sempre quis comer em um lugar só. Vou logo avisando que os preços são bem elevados e se você se empolgar muito vai ter que empenhar um rim pra pagar a conta. Se eu morasse nos EUA provavelmente não entraria nunca nessa rede de supermercados, mas tinha um Whole Foods pertinho da casa que alugamos e quando estou de férias, pagar mais caro pela facilidade e praticidade pode valer a pena. Principalmente quando o supermercado caro em questão está lotados das coisas veganas mais deliciosas do pedaço! Eu olhava as prateleiras e parecia que eu estava vendo celebridades! Os queijos vegetais que eu tinha visto em sites e revistas estavam todos lá, piscando pra mim. Encontrei, e levei pra casa, os queijos maravilhosos e a manteiga (fermentada, feita de maneira tradicional) da Miyoko’s Creamery e os queijos igualmente maravilhosos da Kite Hill. Fazia muito tempo que eu queria provar os dois e gente, gente…O que é aquilo? Valeu a pena gastar todos os meus tostões lá. Também recomendo os ravioli recheados com ricota de amêndoa, da Kite Hill, que mencionei acima. Eles estão junto com as outras massas frescas, na parte refrigerada.

Trader Joe’s

Um supermercado mais popular que Whole Foods, com preços mais acessíveis. Apesar de não ter os queijos-celebridades, tem muitos produtos veganos. Acabo de descobrir que os queijos da Miyoko’s Creamery são vendidos lá também.

Não posso terminar a parte comestível desse guia sem falar que SF é famosa pelo pão com fermento natural (“levain” ou, em Inglês “sourdough”).  Reza a lenda que os micróbios que povoam a região de SF são especiais, por isso o pão de lá é tão bom. Lenda ou não, o pão é realmente incrível, com um crosta brilhosa e crocante e com um miolo denso e agradavelmente azedo, como todo bom pão feito com fermento natural. O “San Francisco sourdough” é o tradicional, mas você também encontra pães mais elaborados, também feitos com uma longa fermentação natural: com farinhas de cereais diferentes, com sementes, com frutas secas… Provei um com figos e nozes que era de cair da cadeira! Eu comprava pão no bairro onde estava hospedada, mas as padarias mais famosas da cidade são Boudin Bakery e, claro, Tartine. Apesar das várias recomendações que recebi, acabei não visitando nem uma nem outra. Se filas gigantescas não te assustam, vai lá.

Se você for à Berkeley, uma cidade vizinha, aproveite pra passar pela Vegan Republic, uma loja totalmente vegana que usa o lucro pra patrocinar um santuário de animais. Lá você também encontra os queijos Miyoko’s Creamery e Kite Hill, além de vários livros de culinária vegetal. Eu tive a sorte de passar por lá e adorei a loja.

E se café é a sua praia, o templo do café em SF se chama Blue Bottle. Passei em frente, achei o povo tão hipster e o lugar tão moderno, com umas engenhocas de café tão diferentes que, apesar de café ser muito a minha praia, deduzi que eu precisava fazer um curso pra pedir café ali e fui embora. Dias depois me deparei com um lugar que servia o café Blue Bottle e pedi um porque eu precisava provar aquilo. Achei com gosto de café, mas o que danado eu estava esperando? Se a sua pessoa for mais hipster que a minha, vai lá.

(A segunda parte desse guia aparecerá em breve.)