Nem vou começar a explicar porque andei tão ausente desse pobre blog, pois o blá, blá, blá de sempre (muito trabalho, pouca energia, pouco tempo na cozinha criando novas receitas) não é nem um pouco interessante. Melhor fingir que ninguém percebeu meu sumiço e retomar a conversa de onde deixei da última vez que estive aqui.

Então, onde estávamos?

Ainda estou morando em Londres, cozinhando comida vegana em vários lugares diferentes, curtindo a cidade, fazendo amizades novas e recebendo pessoas queridas que me visitam de vez em quando. Minha amiga Johanna esteve aqui semana passada e passamos cinco dias inteirinhos comendo, caminhando e conversando. Ela se encantou com as delícias veganas que a cidade tem pra oferecer, principalmente com o iogurte de coco que conquistou o meu coração.

Anne também esteve por aqui mês passado. Algumas leitoras me escreveram perguntando onde ela estava. Como ela está sempre viajando, dependendo do dia a resposta era “Kasaquistão”, “Polônia”, “Berlim”, “Córsica” ou “França”. No final do ano passado nós decidimos não morar mais juntas e apesar de passar a maior parte do tempo na estrada, ela está atualmente morando em Berlim. Por enquanto o casamento em casas, na verdade países, separados está dando muito certo.

A vida londrina está indo muito bem, mas confesso que não vejo a hora de voltar pra Palestina. Fico aqui até o final de setembro e depois embarco em uma aventura de três meses na Terra Santa. (Falando em aventura, ainda tem vaga no tour Papacapim na Palestina. Se eu fosse você não perderia essa oportunidade por nada!)

Estou aproveitando minhas últimas semanas na cidade pra fazer eventos gastronômicos pra lá de especiais. Teve um jantar palestino que me emocionou muito (meu makluba, o melhor que já fiz até hoje, me encheu de orgulho). E teve um brunch vegano, o primeiro evento do tipo que já fiz.

Brunch sempre foi minha refeição preferida, mas infelizmente pra quem é vegana as opçōes dos restaurantes são extremamente limitadas. Então só me resta cozinhar o brunch vegano dos meus sonhos em casa. E de tanto reclamar desse problema pro pessoal do café veg onde eu trabalhava, os donos acabaram me convidando pra preparar um brunch vegano lá. Fiz um menu super bacana, com alguns dos meus pratos preferidos pra essa hora do dia, e eles adoraram. Só fizeram um pedido: o menu tinha que incluir uma rabanada vegana (ou “French toast”, como os anglófonos dizem).

Nunca tinha comido rabanada na vida, pois na minha região ninguém tem o costume de preparar essa iguaria. E como nunca gostei de pratos doces com ovo, tenho certeza que não perdi nada. Mas o pessoal daqui parece que adora a danada, então lá fui eu criar uma versão vegana de algo que eu nunca tinha provado. Fiz meus testes e chamei meu amigo Nimerod, que é vegano, mas que comeu muita rabanada quando era criança, pra ser minha cobaia. Ele me assegurou que tava tudo certinho e bem parecido com o original. Pra ter certeza servi o prato pros donos do café, que são vegetarianos e grandes apreciadores de rabanada. Eles ficaram impressionados com a receita e disseram que nunca teriam adivinhado que aquilo ali não tinha ovo. Ah, as maravilhas do grão de bico, o ovo vegetal…

photo 3-5

Eu também fiquei feliz com o resultado, principalmente porque servimos a rabanada acompanhada de iogurte de coco, morangos e mirtilos frescos e xarope de bordo. Mas aí lembrei que Anne me contou um dia que gostava de fazer rabanada salgada antes de se tornar vegana. Ela batia o ovo com leite, salgava e mergulhava o pão na mistura antes de fritar. Lembro que quando ela me explicou a criação achei a ideia genial! Um omelete grudado numa fatia de pão? Delícia!

Então depois do brunch tratei de continuar os testes em casa pra desenvolver uma versão vegana e salgada. Meu povo! Meu povo!!! Desde então não quero mais comer outra coisa. Me apaixonei perdidamente por essa receita e tenho certeza que vocês também vão adorar.

Eu confesso que ovo era uma das coisas que eu mais gostava de comer e apesar de ser vegana há quase oito anos, de vez em quando ainda acontece de bater um desejo de comer um (ou três). Não como porque hoje faço minhas escolhas com a cabeça e com o coração. Não deixo o meu estômago, sozinho, guiar minhas decisões na hora de encher o prato.  Então os deuses da gastronomia vegana resolveram me agraciar com uma descoberta que revolucionou minha vida. Na verdade foram meus amigos Marcelo e João, de Recife (oi, habibis!) que me apresentaram o ingrediente mágico que tem aroma e sabor de ovo, mas é 100% vegetal: sal preto do Himalaia.

Graças a um capricho da natureza ele tem a quantidade exata de enxofre pra imitar o sabor do ovo. Encontrei esse sal aqui em Londres dias atrás e desde então venho fazendo minha rabanada salgada, e meu omelete, com ele. Jesus, Maria, José! Parece que voltei a comer ovo frito, mas dessa vez sem explorar nem machucar nenhuma galinha!

Mesmo se você não tiver esse sal na sua cozinha (uma leitora me disse que é possível encontrá-lo na Zona Cerealista, em São Paulo), a receita vai ficar sublime e com um leve sabor de ovo. Santo grão de bico que, como expliquei, é um verdadeiro ovo vegetal! (Lembram da aquafaba?)

Então aqui vai a receita básica, simplérrima e facílima, da rabanada que me conquistou e impressionou tantas pessoas por aqui. Primeiro a versão salgada, minha preferida, e depois a doce, pois sei que muita gente por aqui aprecia doçuras.

photo 4-2

Rabanada vegana, salgada e doce

Gosto de usar uma baguete amanhecida aqui, pois a textura é ideal pra essa receita e as fatias, por serem pequenas, cozinham mais rápido e de maneira uniforme. Mas nada te impede de usar outro tipo de pão. Porém evite pão de forma, pois ele é mole demais e vai se desfazer quando mergulhado no líquido. Importante: a mistura de grão de bico deve descansar uma noite antes de ser utilizada, então essa não é uma receita que pode ser preparada de última hora.

Salgada

3 cs cheias de farinha de grão de bico

1/2 x de leite vegetal sem açúcar (soja, amêndoa, coco…), ou água

Baguete amanhecida, em rodelas não muito finas

Sal e pimenta do reino a gosto

Azeite pra fritar

Despeje um pouquinho do leite (ou água) sobre a farinha de grão de bico e misture vigorosamente pra dissolvê-la, amassando com as costas da colher as eventuais bolinhas de farinha que se formarem. Só então acrescente o resto do leite/água e mexa bem. Tempere com sal e pimenta do reino a gosto e deixe descansar coberto na geladeira por uma noite.

Na manhã seguinte aqueça uma boa quantidade de azeite em uma frigideira grande. Mexa a massa de grão de bico com uma colher (ela pode separar ligeiramente durante a noite) e mergulhe as fatias de pão, uma de cada vez. Vá transferindo o pão coberto de líquido pra um prato grande e repita a operação até usar toda a mistura. Frite a rabanada, sem perturbá-la, até ficar bem dourada de um lado. Vire e deixe dourar do outro lado.

Sirva imediatamente, junto com uma salada, uma pasta, legumes refogados ou o que mais desejar. Eu sou humilde e degusto minha rabanada pura, com um café preto. Rende 2 porções comportadas.

Doce

3 cs cheias de farinha de grão de bico

1/2 x de leite vegetal sem açúcar (soja, amêndoa, coco…)

Baguete amanhecida, em rodelas não muito finas

1 cc de açúcar

1 cc de extrato de baunilha

1/2 cc de canela em pó

Óleo de coco ou azeite pra fritar

Despeje um pouquinho do leite sobre a farinha de grão de bico e misture vigorosamente pra dissolvê-la, amassando com as costas da colher as eventuais bolinhas de farinha que se formarem. Só então acrescente o resto do leite e mexa bem. Junte o açúcar, baunilha e canela e deixe descansar coberto na geladeira por uma noite.

Siga as instruções de preparo da rabanada salgada.

 A rabanada pura não é muito doce, então ela dever ser servida acompanhada de geleia, xarope de bordo ou agave e frutas frescas (morango, framboesas, mirtilos) ou caramelizadas (banana ou maçã fritas em um pouquinho de óleo de coco, até começarem a caramelizar, caem muito bem aqui). Um elemento cremoso e gelado, como o iogurte de coco (ou outro iogurte vegetal) transforma essa receito em algo inesquecível. Rende 2 porções comportadas.