Trufas de bolo (com avelãs e whisky)

Se alguém achar um nome melhor pra essa receita, eu aceito sugestões. Essas são as trufas de bolo que fiz pra comemorar o aniversário da minha irmã (e que ela não pode comer, mas o que vale é a intenção). A receita é minha mas o conceito não. Eu acompanho vários blogs de culinária americanos e vi que lá pelos States está na moda fazer cake balls e cake pops (as tais das cake balls espetadas em palitos de pirulito). A idéia de fazer um bolo, esfarelá-lo, misturar com cobertura, fazer bolinhas e cobri-las com chocolate me pareceu brilhante. Eu gosto de bolos super úmidos e com bastante cobertura, então por que não misturar logo os dois juntos? Quando comecei a procurar uma receita de bolo de aniversário pra minha irmão lembrei das cake balls. Minha irmã faz parte daquele (imenso) grupo de pessoas que só gosta de sobremesa se tiver muito, muito chocolate. Aviso: estômagos sensíveis a chocolate, essa receita não é pra vocês!

Depois de ter derretido quase meio quilo de chocolate eu, que não sou muito amiga dele, fiquei tão enjoada que não consegui comer nenhuma bolinha! Tinha chocolate da pia até o fogão, passando pelas minhas orelhas, e minha casa tinha se transformado na fábrica de chocolate do senhor Wonka (mas sem os umpa-lumpas pra limpar tudo, snif, snif). Eu sentei na mesa com 30 trufas lindas olhando pra mim e comi um pedaço de pão com sal e levedo de cerveja. Depois tranquei as bolinhas na geladeira, longe da minha vista e do meu pobre nariz. Mas as trufas só foram desprezadas  por mim. No dia seguinte fui trabalhar e quando voltei pra casa encontrei Anne com duas amigas, as três com chocolate até as sobrancelhas. Antes de abrir a boca pra dizer “boa noite”, uma das amigas agarrou minhas mãos e disse, em Espanhol (ela é mexicana), que aquilo era a coisa mais deliciosa que ela já tinha comido. A outra amiga (alemã) emendou dizendo, em Inglês, que ela queria namorar comigo (ela é hétero, diga-se de passagem). Eu acho que as amigas de Anne fizeram um pacto pra dizer coisas absurdamente positivas sobre minha comida. Elas têm esperanças que, me sentindo assim tão lisongeada, eu agradeça os elogios com… mais comida. Ou então essas trufas são realmente divinas. Eu não sei porque ainda não consigo olhar pra elas sem ficar enjoada, mas quem provou ficou com vontade de fazer poemas de amor em minha homenagem e jogar pétalas de rosas por onde eu passar.

Voltando ao problema do nome, eu não podia fazer uma tradução literal (“bolas de bolo” ficaria horrível!) então, como elas ficaram com cara de trufas, batizei minha criação de trufas de bolo. Mas se alguém tiver uma idéia melhor, por favor divida comigo.

Trufas de bolo (com avelãs e whisky)

Usei minha receita básica de bolo de chocolate, que faz um bolo super simples e fofíssimo, perfeito nessa receita. O bolo em si é meio sem graça, mas misturado aos outros ingredientes ele adquire uma outra dimensão. Acho que o excesso de chocolate fica ótimo com uma xícara de café.

1 1/2x de farinha de trigo

1/2x de açúcar

1cc de fermento

1/3cc de bicarbonato

1/3x de cacau em pó (sem açúcar)

1/3x de óleo

1x de leite vegetal

1cc de vinagre de sidra (ou suco de limão)

1cc de extrato de baunilha

óleo e farinha de trigo pra untar a forma

Aqueça o forno em temperatura média. Misture o vinagre (ou suco de limão) com o leite e deixe talhar 5 minutos. Peneire a farinha, o cacau, o fermento e o bicarbonato. Acrescente o açúcar e mexa bem. Junte o leite talhado, o óleo e a baunilha e misture bem com um batedor de arame. A massa deve ficar lisa e homogênea. Despeje a massa em um forma untada e enfarinhada e asse até o bolo passar no teste do palito (no meu forno levou meia hora). Deixe o bolo esfriar completamente antes de fazer as trufas.

150gr de chocolate meio amargo (de preferência com 50% de cacau)

150ml de creme de soja (ou outro creme de leite vegetal: arroz, aveia, amêndoas)

açúcar à gosto

1x de avelãs tostadas e picadas grosseiramente

2cs de whisky (ou rum)

Corte o chocolate em pedaços miúdos. Em uma panela pequena, aqueça o creme de soja sem deixar ferver. Despeje o chocolate sobre o creme quente (fora do fogo), espere 3 minutos e mexa delicadamente até o chocolate derreter por completo. Prove e junte um pouco de açúcar se achar necessário (eu não achei). Se estiver usando avelãs cruas, toste-as em uma frigideira seca até elas ficarem douradas. Pique grosseiramente e deixe esfriar. Usando os dedos, esfarele completamente o bolo frio (nenhum pedacinho deve ficar inteiro). Despeje a ganache de chocolate, as avelãs e o whisky (ou rum) e misture com uma colher de pau até todos os farelos de bolo ficarem umedecidos. Retire 1cs da misture e enrole com as palmas das mãos, formando uma bola (como fazemos com brigadeiros). Disponha a bola sobre uma placa de alumínio (dessas de assar biscoitos) e repita a operação com o resto da massa. Quando todas as bolinhas estiverem formadas, transfira a placa pro congelador por no mínimo 2 horas. As bolinhas precisam estar totalmente congeladas na hora de receber a cobertura.

300gr de chocolate meio amargo (de preferência com 50% de cacau)

Pique o chocolate e derreta-o em banho-maria (não deixe a água ferver!). Retire as bolinhas do congelador e mergulhe-as uma por uma no chocolate derretido. Eu uso dois garfos e depois de mergulhar uma bolinha deixo ela escorrer um pouco sobre a panela, pra camada de chocolate não ficar muito espessa. Despeje a bolinha coberta de chocolate sobre uma folha de papel alumínio (ou papel manteiga) e repita a operação com o restante das bolinhas. Sobrou um pouco de chocolate no fundo da panela, então usei uma colherinha pra fazer motivos decorativos com o resto do chocolate (esse foi meu momento Pollock). Como as bolinhas estão congeladas, o chocolate vai endurecer rápido. Deixe elas voltarem à temperatura ambiente antes de degustá-las. Rende 30 trufas. Conserve na geladeira, em um recipiente fechado.