Pessoas da minha família que votam em Bolsonaro,

Em que momento vocês pararam de se ver como a classe trabalhadora, sempre esmagada pelos poderosos, e passaram a identificar seus opressores como salvadores da pátria? Quando vocês começaram a acreditar que quem votou a favor da PEC que congelou os investimentos na educação, saúde e segurança por vinte anos seria a mesma pessoa que traria mais educação, saúde e segurança pro povo? Como vocês foram confiar em alguém que se diz a favor da tortura e que escolheu como seu maior herói um dos piores torturadores durante a ditadura? Como foram acreditar que alguém que admitiu publicamente ter recebido propina e que está sendo acusado de aceitar milhões de reais de empresas pra espalhar notícias falsas pelo WhatsApp seria a resposta pra acabar com a corrupção?

E, meu coração dói com esse ponto, em que momento vocês elegeram como seu representante alguém que fere a minha existência ao declarar que tem orgulho de ser homofóbico? Se hoje as posições políticas de vocês me afetam emocionalmente, caso esse candidato seja eleito elas terão consequências imediatas terríveis na minha vida e na vida de um número enorme de pessoas. Me pergunto se vocês sempre foram assim e eu não tinha percebido. Se, assim como o candidato que vocês escolheram, vocês somente me toleram, mas nunca me aceitaram.

O meu choque e incompreensão foram enormes, confesso. Como vocês podiam ter escolhido uma pessoa fascista como representante? Vocês, pessoas boas, que nem de longe praticam a ideologia violenta que esse candidato prega?

Mas aí a ficha caiu: manipulação. Não sei quando essas mensagens enganosas e desonestas começaram a penetrar na mente de vocês, mas vejo que já atingiram pra além da razão e que agora toca fundo no emocional. Tentei discutir algumas vezes e foi difícil acreditar que estávamos vivendo no mesmo tempo e espaço, tamanha a realidade que vocês descrevem está longe do que vejo ao meu redor. Foi assustador ouvir vocês repetirem, de novo e de novo, as mesmas distorções de realidade que tinham chegado até vocês, bloqueando qualquer argumento racional que eu pudesse levantar.

Não importa se é possível ver e ouvir, graças a um número enorme de vídeos, o próprio candidato dizendo coisas abomináveis, incitando ao ódio e à violência. Não importa se ele foge dos debates, mostrando total desprezo às suas eleitoras e eleitores. Não importa se a mídia no Brasil noticiou a corrupção dele. Não importa se a mídia internacional estampa nas suas capas que esse candidato é uma ameaça à democracia na América Latina e que é a maior ameaça ambiental pro planeta ou se afirma que seu modelo de campanha é o mesmo de Goebbels,  ministro da propaganda na Alemanha nazista e um dos mais fervorosos seguidores de Hitler. Não importa se celebridades mundiais se solidarizaram com a campanha contra ele e o seu fascismo. Como a realidade onde vocês vivem agora é completamente desconectada da realidade política, vocês continuam repetindo  que é tudo uma grande conspiração petista.

Não acho que conseguirei convencer vocês de repensarem seu voto antes do segundo turno, mas gostaria que vocês entendessem pelo menos que as ideias do candidato de vocês está criando um monstro muito maior e mais perigoso do que o monstro que vocês repetem que é o PT. Poucos dias depois do primeiro turno já vimos os casos de violência se alastrarem pelo país. Pessoas mortas a facadas ou a tiros porque declararam voto no PT ou simplesmente porque vestiam uma camiseta vermelha. Transexuais espancadas, pessoas LGBTs agredidas, uma moça que vestia uma camiseta onde podíamos ler “ele não” teve uma suástica entalhada na pele… Se um candidato que prega a violência e glorifica a tortura for eleito, a violência, a mesma que vocês dizem querer acabar, será normalizada e se multiplicará de maneira incontrolável. Não que minorias já não sofram diariamente com isso, mas as últimas duas semanas nos mostraram que a situação pode piorar muito.

Mas talvez isso não pareça ameaçador pra vocês, “cidadãos de bem” que seguem os “valores da família tradicional brasileira”. Afinal Bolsonaro prometeu “fuzilar petralha”, não seus eleitores. Quando ele diz “violência se combate com violência” ele na verdade está se referindo a bandidos, vocês dizem. Mas sabe quem sofreu as agressões que mencionei acima? Mulheres, pessoas LGBTs, de esquerda, que votaram no PT. E sabem quem também é mulher, lésbica, de esquerda e apoia a candidatura do petista Haddad? Eu.

É realmente desse lado da História vocês querem ficar?

Querem que vocês acreditem que quem é contra o projeto desse candidato se preocupa unicamente com seus interesses pessoais, que prejudicam vocês e o país. Mas isso não é verdade.

A oposição ao projeto de Bolsonaro é composta pela classe trabalhadora, que se organiza na construção de um projeto político popular. Por pessoas que defendem a democracia porque lembram muito bem como era a vida sob a ditadura. Que querem acabar com a desigualdade, porque sabem que essa é a maior fonte de violência e insegurança. Mulheres que lutam pela autonomia dos seus corpos, porque não querem ser presas nem mortas. LGBTs lutando por direitos, inclusive o direito de viver, no país que mais mata LGBTs no mundo. Agricultoras sem-terra lutando por reforma agrária, justiça no campo e produzindo alimento sem veneno pra todas. Trabalhadoras sem-teto lutando pra que moradia seja um direito respeitado, não um privilégio pra alguns. A população negra lutando contra o racismo. Os povos originários na sua luta pela preservação da floresta e contra a limpeza étnica da qual são vítimas há séculos. Pessoas antiespecistas, que querem abolir a exploração do animal não-humano também. Ambientalistas lutando pra acabar com o desmatamento na Amazônia, tentando trazer soluções pro maior problema que a espécie humana terá que enfrentar: o aquecimento global.

Todas essas pessoas se comprometem com a construção de um modelo de sociedade onde todas, incluindo vocês, terão direitos e oportunidades iguais. Sem desigualdade, com liberdade, segurança, com educação e saúde pra todas. Uma sociedade onde os mais fracos não serão sacrificados pra manter os privilégios da elite. Da qual vocês nem sequer fazem parte! O que mais me dói é ver vocês acreditarem que o projeto do candidato que tem o apoio dos empresários e do agronegócio contemplará vocês, remediadas nordestinas, sertanejas, mulheres.

Percebem como queremos as mesmas coisas?

Família, estamos do mesmo lado!

Por isso gostaria que soubessem que mesmo se a esquerda voltar ao poder eu continuarei lutando pelos nossos direitos. Como fiz, junto com tantas pessoas da família, em 2013, nos protestos durante o governo Dilma. Espero que vocês façam o mesmo caso o candidato de vocês seja eleito.

Me doeu ter percebido que esse ano perdemos a presença de vocês na luta por justiça e igualdade social, mas caminhando do meu lado estão minhas irmãs, sobrinhas, cunhadas, primas e mais uma multidão de pessoas. E se em algum momento vocês mudarem de ideia e quiserem se juntar a nós, serão recebidas de braços abertos. O lugar de vocês é aqui conosco.