Como fazer cuscuz (com coco)

Aproveitando que estou no meu país, o Nordeste, vou compartilhar algumas receitas daqui. Começando com uma das mais simples, o café da manhã de todo dia aqui (pelo menos na parte do Nordeste onde me encontro): cuscuz.

É muito simples e rápido, mas muitas pessoas ignoram 2 coisas essenciais: hidratar o fubá antes de cozinhar e finalizar o cuscuz com um líquido quente e um pouco de gordura. Aqui vai o passo-a-passo.

1- Cuscuz é feito com fubá. Hoje em dia quase todo mundo usa fubá do tipo flocão, que é pré-cozido e produz um cuscuz mais macio e aerado.

2- Hidrate o fubá. Pra cada 2 partes de fubá, junte 1 parte de água. Tempere com sal e misture bem. Deixe descansar coberto por pelo menos 10 minutos (até 30min). 

3- Cozinhe o fubá. Cuscuz cozinha no vapor e você vai precisar de uma cuscuzeira. É possível cozinhar dentro de um pano de prato limpo, também. (Jogue no google pra ver a técnica 😉 Não coloque água demais na cuscuzeira, pois isso molharia a parte de baixo de fubá, que ficaria mais pra polenta do que pra cuscuz. Encaixe o suporte pro cuscuz e despeje o fubá hidratado com cuidado, sem apertar. Se apertar, o vapor vai ter dificuldade pra atravessar os grãos e não vai cozinhar de maneira homogênea. Cozinhe tampado. 

4- Quando o cheiro de cuscuz invadir a cozinha, está pronto. Ele cozinha rápido, de 10 à 15 minutos, dependendo da quantidade. Prove pra ter certeza.

5- Finalize o cuscuz. Assim que ele tiver cozinhado, transfira pra uma cumbuca com tampa. Molhe com leite de coco fresco (receita aqui) e bem quente. Use o suficiente pra deixar o cuscuz molhadinho, mas não ensopado. Prove e corrija o sal, se necessário. Tampe e deixe descansar 10 min antes de servir.

Mais algumas informações úteis:

O cuscuz mais simples é feito com a água quente que sobrou no fundo da cuscuzeira e um pouco de azeite ou óleo da sua preferência. A gordura é essencial pra realçar o sabor e dar maciez (leite de coco já tem gordura).

Se deixar o cuscuz na cuscuzeira e não finalizar como expliquei, ele vai ressecar e descer arranhando sua garganta. Muita gente aqui no Nordeste faz isso e me dá desgosto. Nada mais triste do que cuscuz esturricado.

Tem quem use, além do leite de coco, coco ralado. O fresco, não o desidratado vendido em pacotinhos! Delícia! No cuscuz das fotos usei um pouco do bagaço que sobrou depois de ter coado o leite. (Não é tão saboroso quanto o coco fresco, claro, mas é uma maneira de reaproveitar parte da fibra do coco que sobra quando fazemos leite.) 

Quase todo o milho no Brasil é transgênico, mas é possível achar fubá orgânico (e não transgênico) em alguns lugares, incluindo no Armazém do Campo, a loja do MST (tem em algumas capitais), alguns empórios e mercearias que vendem orgânicos e até em alguns supermercados. 

6 comentários em “Como fazer cuscuz (com coco)

  1. “O cuscuz mais simples é feito com a água quente que sobrou no fundo da cuscuzeira e um pouco de azeite ou óleo da sua preferência”…

    Não entendi.. (sou lenta merrrmo).. depois que vc cozinhar o cuscuz, se não tiver leite de coco, vc molha ele com um pouco da agua da cuscuzeira misturada com azeite ou óleo? é isso?

  2. Oi, Sandra

    Conheci o esse seu blog no mês passado, soube de você pelo vídeo que você apareceu no canal Tese Onze, gostei para caramba daquele vídeo porque foi falado muitas coisas que eu nem sabia. Nesse vídeo foi falado o nome do seu blog e eu nem dei bola na época.
    Faz 1 mês, vi o documentário Vegano Periférico no canal Mídia Ninja, como os membros da página Vegano Periférico não tem canal do Youtube, passei a ver algumas coisas na página Vegano Periférico no Instagram, vi um vídeo no Instagram que você apareceu conversando com eles e isso influenciou a querer conhecer seu blog. E a quarentena foi outro motivo que influenciou a conhecer o blog porque tive um tempo livre um pouco maior.

    No mês passado conheci esse seu blog; gostei muitíssimo porque surpreendeu as minhas expectativas e é um dos melhores blogs que já li.
    Você aborda sobre veganismo político, receitas (de comidas e de produtos não-alimentícios como desodorante natural), como ser vegano viajando em diferentes lugares (como na praia), reflexões sobre paladar (como no texto sobre queijo e leite condensado), dicas sobre nutrição (como os malefícios dos ultra-processados).

    Não cheguei a ler todos os textos do seu canal, mas fiz maratona de leitura de textos desse blog durante alguns dias.

    Mesmo ainda comendo peixes/frutos do mar e coisas que tenham leite e ovos; e usando produtos não-alimentícios (como sabonete). Não como carne de boi, frango e de porco a mais de 10 anos; gosto bastante de comida vegetariana estrita; e por mais que ainda não seja vegano, penso em ser vegano em algum dia da minha vida (pode levar alguns anos, mas eu não tenho pressa).

  3. Cuscuz molhado no leite de coco é minha comida afetiva. Café da manhã feito pela minha avó na casa de praia. Comia bem ensopado mesmo e com açúcar.

Deixe uma resposta para Rogerio Alves Cancelar resposta