Geleia natural de ameixa

Muitas luas atrás, uma leitora deixou um comentário perguntando se eu tinha alguma receita legal de geleia, pois todas as receitas que ela encontrava tinham quilos e quilos de açúcar. Respondi que não, mas fiz uma pequena anotação mental: criar uma receita de geleia sem açúcar. Eu gosto pouco de geleia e Anne não gosta nada, então levou muito tempo pra ideia sair da cabeça e entrar na panela.

Assim que voltei das férias me deparei com uma quantidade e variedade imensa de frutas na feira de Belém. Nessa época do ano as barracas se enchem com as minhas frutas preferidas: manga, pêssego, ameixa… E como as famílias palestinas são grandes, os feirantes têm costume de vender tudo em grandes quantidades, o que é sempre mais barato. Aqui tem até uma medida de peso equivalente à 3kg, o “raatel”. Assim que comecei a fazer minhas compras na feira ficava totalmente perdida. Eu perguntava quanto era o quilo da uva, por exemplo, e eles respondiam “10 NIS o raatel”. Eu colocava uns cachinhos na sacola, pagava um preço diferente do que o feirante tinha dito (claro, já que eu nunca comprava 3kg de uma vez) e saía sem entender nada. Mas hoje aproveito quando é época dos meus vegetais preferidos e sempre compro em raatel, pois, como disse, fica bem mais em conta.

Foi assim que duas semanas atrás voltei pra casa com 3kg de pêssegos, 3kg de uvas e 3kg de ameixas. Aqui em casa só tem duas pessoas e não tinha como a gente comer 9kg de frutas, maduríssimas ainda por cima, em poucos dias. Foi quando lembrei do projeto de geleia sem açúcar.  O meu olho grande acabou servindo pra alguma coisa.

A razão pra se usar uma quantidade obscena de açúcar na preparação de geleias é pra dar o ponto, além de preservar a fruta. Uma fruta fresca apodrece em poucos dias, enquanto um pote de geleia bem feita se conserva mais de um ano. Pensei em várias maneiras de fazer uma preparação doce, mas não enjoativa, e com a consistência de geleias tradicionais, sem usar um grama sequer de açúcar. Uma das ideias que tive foi usar suco de maçã ou uva, pois ambos são doces (e ficam ainda mais doces quando concentrados, o que acontece durante o cozimento) e, graças à quantidade elevada de pectina nessas duas frutas, conseguiria a textura ligeiramente gelificada das geleias tradicionais. Algumas pessoas acrescentam pectina na fabricação de geleias e na França é possível comprar um açúcar com pectina, usado especialmente com esse objetivo. Se você não sabe o que é pectina, aqui vai uma explicação rápida: ela é um dos principais componentes da parede celular das plantas e suas ramificações aprisionam água e a transformam em gel. Por isso elas ajudam a deixar a geleia com consistência de… geleia.

Minha primeira tentativa ficou mais próxima de uma compota do que de geleia, mas comi e achei bom (e ainda dividi com uma amiga, que gostou por demais!). Na segunda tentativa consegui o resultado que estava procurando. O suco de uva funcionou direitinho e, por ser extremamente doce e de sabor discreto, não só deu conta de adoçar a geleia (ninguém vai adivinhar que não tem açúcar aqui) como não interferiu no sabor delicado das ameixas. Coloquei um tiquinho de canela porque acho que casa muito bem com ameixa, mas você pode deixar de fora, se preferir. Na primeira tentativa usei baunilha (usei as sementinhas de um favo, que acrescentei à receita no final) e também ficou muito bom. E nem preciso dizer (mas já estou dizendo) que você pode substituir as ameixas pela fruta que preferir: morango, framboesa, goiaba, mirtilo, pêssego…

Estou muito orgulhosa da minha criação e com aquela sensação boa de “missão cumprida”. Continuo não gostando muito de geleia, mas se essa é a sua praia e você estiver tentando cortar o açúcar da dieta*, você vai adorar a receita.

*Aviso importante: o fato dessa geleia não ter açúcar (me refiro aqui ao pó branco ou mascavo, feito de cana de açúcar), não significa que ela seja aconselhável pra diabéticos. Essa receita tem muita frutose (o açúcar natural das plantas) e embora não seja processada/refinada como as geleias industrializadas e seja feita somente com frutas, não é exatamente um alimento saudável. Considere essa receita como uma guloseima menos “do mal”, mas que ainda assim deve ser apreciada com moderação. Se quiser algo doce e saudável de verdade, coma uma fruta fresca. E tenho dito.

Geleia natural de ameixa

Como a pectina está concentrada na casca da uva, é preciso fazer o suco em casa e usar uma peneira grossa pra coar, pra aproveitar uma parte das cascas. Sucos de uva industrializados são bem coados (filtrados), logo pobres em pectina e por isso acho que não funcionam nessa receita. Fazer o suco é fácil: basta passar as uvas inteiras no liquidificador, sem acrescentar água nenhuma, e depois coar na peneira grossa (o objetivo é se livrar das sementes, mas aproveitar o máximo de casca possível). Importante: use somente uvas maduras e bem doces. Como a ideia aqui é substituir o açúcar, uvas azedas não servem. Usei uvas brancas porque eram as que eu tinha na geladeira, mas você também pode usar uvas roxas. O sabor do suco de uva roxa é mais forte, além da cor ser mais escura, mas acho que isso só vai deixar a geleia mais interessante. Lembre que, por não ter açúcar, essa geleia se conserva somente algumas semanas na geladeira, portanto não é uma boa ideia fazer uma quantidade grande (a menos que você esteja pensando em presentear os amigos).

4x de ameixas frescas, cortadas em pedaços médios (sem o caroço, com casca)

2x de suco de uva 100% integral e sem açúcar (leia acima)

1cc de canela em pó ou 1 pau de canela (opcional)

Em uma panela pequena, de preferência com o fundo grosso, leve a ameixa, o suco de uva e a canela em pau ao fogo. Se estiver usando canela em pó deixe pra acrescentar no final. Quando começar a ferver baixo o fogo e deixe cozinhar em fogo baixíssimo, destampado, até a ameixa se desintegrar quase completamente e a mistura atingir uma consistência de geleia. O tempo de cozimento varia de acordo com o tamanho da sua panela, da chama do seu fogão e das suas ameixas, mas aqui em casa levou quase uma hora (a chama do meu fogão fica bem baixinha). De vez em quando dê uma olhada na panela, mexa, esmagando alguns pedaços maiores de ameixa com as costas da colher de pau, e verifique se já deu o ponto. Quando achar que a geleia está pronta retire o pau de canela, ou junte a canela em pó, se não estiver usando canela em pau, e transfira pra um pote de vidro (bem limpinho). Feche o pote e deixe esfriar completamente antes de colocar na geladeira. Rende entre 2 e 3x. Se conserva duas semanas na geladeira (talvez mais).

35 comentários em “Geleia natural de ameixa

  1. amo geleia de frutas, essa tal pectina às vezes até uso, mas vou experimentra fazer alguma geleia com suco de uva, quando começar a aparecer bastante morango por aqui, farei algumas geleias… essa de ameixa deve ficar muito boa… amo geleias! Bjus!

  2. Sandra! Eu, como a Samanta, também amo geleias! Acho que por ser descendente de alemães, e a minha mãe desde pequena servir pão com alguma coisa doce pra gente (às vezes era doce de banana, mas na maioria era geleia mesmo, mas sempre comprada pronta), mas o fato é que essa é uma das minhas ‘confort food’ preferidas!

    Depois de virar “natureba”, comecei a querer aprender a fazer substituições mais ‘saudáveis’ das coisas que mais gostava de comer, então aprendi com a minha sogra a minha primeira receita de geleia, que era de damascos secos, fáceis de achar por aqui. Fica deliciosa, e não precisa de nadinha de açúcar, basta deixar de molho por uma noite e cozinhar no dia seguinte do mesmo jeito que você fez a de ameixa.
    Mas quando faço de morangos, por exemplo, costumo usar maçã ou pera raladas, porque ajudam a adoçar e a dar o ponto ideal. Ontem mesmo fiz uma assim aqui em casa. Delícia pra comer no pão! 🙂

    Um beijão, querida!

    1. Menina você adivinhou a minha próxima geleia! Essa foi na verdade a primeira ideia que tive quando pensei em fazer uma geleia sem açúcar: usar frutas secas, que já vêm com o açúcar natural bem concentrado. A abundância de frutas fresca do verão me fez testar essa versão primeiro, mas os damascos secos já estão na minha lista. Beijos

  3. Sandra, muito obrigada por ter lembrado disso! rs
    Nunca fui uma louca da geleia, mas eu gosto – acho que só não gosto mais por causa do doce exagerado que tem. E é isso aqui perto de casa também, algumas épocas tem frutas mais baratas e por mais que a gente se esforce pra consumir tudo, acaba deixando estragar alguma parte, o que é sempre uma pena.

    Obrigada pela receita, farei assim que possível 🙂

  4. Olá Sandra! Tudo bem? Vi seu post sobre a limonada rosa, mas minha filha adora limão e detesta melancia…Vc tem alguma outra opção para adoçarmos a limonada? Pode ser com alguma outra fruta? Obrigada e bjss!

    1. Eu fiz uma versão verde da minha limonada rosa semana passada, usando uvas brancas maduras e bem doces (falei que tinha uvas saindo pelos buracos da geladeira aqui em casa, né?) e ficou uma delícia. Bati as uvas no liquidificador, sem água, coei, coloquei o suco de volta no liquidificador e bati mais uma vez com limão espremido e hortelã. Fica a dica.

  5. Eu fiz semana passada uma geléia sem açúcar de damascos secos. Deixei de molho de um dia para o outro, daí já ficou bem inchado, depois cozinhei com um pouco de água até quase secar, e depois de esfriar passei no processador. Ficou ótima! Acho que daria pra fazer até sem cozinhar, mas como eu ia dar pra crianças achei melhor ferver. Vou testar o mesmo esquema com tâmaras e ameixas secas, acho que dá certo tb…

    1. Eu aqui me achando o máximo por ter pensado em fazer geleia com frutas secas e todo mundo já estava fazendo isso há tempos! Mas quando eu tentar com damascos secos vou deixar os bichinhos crus, mesmo. Tâmaras, ameixas secas e passas devem funcionar também.

  6. Em Brasília recebemos muitas influências fortes de Minas e Goiás… E na minha casa do sul e do Rio, por conta dos meus pais! Meu pai comia quando criança pão, nata e “chimia”… ensinando minha mãe a passar manteiga no pão junto com a geléia de goiaba (eca!)… Mas uma coisa bem típica é o tal queijo com goiabada (romeu e julieta, mineiro de botas, etc etc!), o que nunca mais comi, já que não sei quão certo ia dar tofu com goiabada! De toda forma, adorei sua dica de adoçar a geléia com frutas doces naturalmente! No Brasil não vai faltar opção!! Outro dia testei a tal receita de b-raw-nies, que usa tâmaras secas para o doce! Aprovei! Meu vicio em açúcar está diminuindo, então não tenho mais necessidade de adicionar açúcar branco em tudo! Obrigada pelas suas receitas, que ajudaram muito com isso!

    1. Na França o pessoal também passa sempre manteiga e geleia no pão, um por cima do outro. Confesso que ainda gosto dessa mistura e sempre que estou na França como baguete com margarina e geleia no café da manhã. Juro que não é “eca”, é bem gostosinho:-) Quanto ao tofu com goiabada, acho que não será uma mistura muito feliz, Aline:-( Adoço quase todas as minhas sobremesas com tâmaras, que são baratinhas aqui, e não sei como vou viver sem elas no dia que for embora da Palestina…

    2. Aline,eu compro um tofu tipo queijo fresco e ficou muito bom com geleia de goiaba e acho que daria certo sim com goiabada!
      Mas tem que ser o tofu tipo queijo fresco…Fica bem bom!
      So nao como mais porque acho geleias em geral doces demais pro meu paladar de agora…
      Vou fazer essas geleias de damascos,tamaras e ameixas pra ver como ficam!

  7. Todo ano faço geleias – este ano, fiz de limão-cravo, que recheou nosso bolo de casamento. O ponto negativo é que não tem como fazer geleia de limão sem açúcar. Mas tentei usar o menos possível, usando o seguinte método.

    Uma boa fonte de pectinas são as sementes e a “pele” que cobre os gomos de frutas cítricas, como limão, laranja, tangerina. Dependendo da fruta que será a base da geleia, as sementes e pele de cítricos interferem menos no sabor.

  8. Adorei esta receita! Gosto imenso de geleia, e já tinha lido sobre a sua confecção sem açúcar mas nunca tinha experimentado fazer…
    Uma dúvida, acho que há algum tempo atrás li que o sumo de limão também tinha uma boa concentração de pectina, sabes se é verdade?

  9. Boa noite,Sandra e grupo prendado!
    É para fechar o vidro com a geleia ainda QUENTE?
    Será que dá para guardar em potes de plástico?
    Obrigada pela receita,ferei nesse fds… e com sua ajuda Sandra, tomo os leites todos dias sem conservantes!!!!!!!!! Que glória!!!!!!!!!! Minha próxima adaptação será com quinoa…dps eu conto.
    Bjs 🙂

    1. Sim, é pra fechar o vidro com a geleia ainda quente. Você pode deixar ela esfriar na panela e guardar em potes de plástico, mas o vidro é muito mais higiênico e sua geleia terá menos chances de se estragar. No plástico ela vai se conservar menos tempo (sempre na geladeira). E eu desconfio muito da toxidade desse material, então tento usar o mínimo possível. Principalmente pra algo como geleia, que ficará semanas em contato com o plástico.

  10. Acabei de terminar a minha geleia! Fiz de morango, com suco de uva roxa, canela em pau e meia maçã ralada para dar uma encorpada.
    Seu blog é muito completo, Sandra! Eu o conheci há pouco tempo, mas já li todas as postagens e vi os seus vídeos também.. Você podia gravar mais, né? Achei muito legal.
    Comecei a me alimentar melhor na gravidez e passei a comer de forma mais natural depois que a minha filha começou a comer, com seis meses. Hoje ela está com um ano e meio e ainda não come açúcar. Fazemos várias refeições veganas durante a semana, algumas receitas suas, inclusive. No entanto, continuamos comendo carne alguma vezes.
    Enfim, seu blog tem sido muito importante pra nossa família 🙂
    Obrigada.
    Beijos
    Mariana

    1. Mariana, muito obrigada pelo comentário e por acompanhar o blog. Fico feliz em saber que ele está sendo útil pra sua família e espero poder continuar inspirando pessoas a incluir mais pratos vegetais no cardápio. E quanto aos vídeos, eu e Anne estamos tão ocupadas ultimamente que esse projeto está dormindo na gaveta. Gostaria de poder fazer outros, mas cada vídeo exige tanto tempo e trabalho… Um abraço e espero te ver mais vezes por aqui.

  11. Oi,Sandra!
    Obrigada por reponder À minha pergunta. Estou para fazer a geleia há tempos…consegui fazer hoje.
    Minha mãe também estava na expectativa, e me dei conta que pedi à ela que comprasse ameixa SECA!
    Fiquei com vergonha e não queria decepcioná-la, e lá fui eu…
    Ttive que dar uma adaptada ,me dei conta que as ameixas não se dissolveriam,resolvi batê-las no liquidificador. Precisei fazer mais suco de uva (não coei pq era sem semente).
    Ficou bem bonita e super gostosa!
    Obrigada,Sandra…mais alimento sem conservante no meu dia a dia!!!!

  12. colega as uvas onde moro sao a maioria azedas e um pouco acidas entao se depender do açucar natural das uvas nada feito

  13. Acabei de preparar esta geleia, incrivelmente saborosa. Não coloquei canela, porque acho que ia esconder muito do sabor das ameixas, e as utilizei com casca, ao invés da canela, coloquei uns grãozinhos de cardamomo. Ficou perfeita 😀

    1. O suco de uva integral pode ser encontrado em supermercados e geralmente é comercializado em garrafas de vidro (fique atenta para o rótulo, que deve indicar que o suco é realmente integral, orgânico e deve ser tinto, tendo cor roxa bem escura). No processo o suco é delicadamente extraído por meio de tratamento térmico e por maceração, mas sem que o grão seja esmagado – para não dar gosto amargo ao suco. A partir daí o suco é pasteurizado e engarrafado. Neste caso teremos o suco de uva integral. Trata-se de um processo que origina um suco diferenciado a cada safra – assim como o vinho – pois esse vai refletir a qualidade e as características de cada ano. Para o suco tinto (indicado na receita) são utilizadas uvas bordô, concord e etc… Mas não pode ser produzido em casa sem equipamentos adequados 😉

  14. Muito útil ,fiquei encantada encantada ,mas sou diabética e não corresponde a 100% spas minhas necessidades mas mesmo assim creio que é muito bom

    Obrigada

Deixe uma resposta para Maria Bione Cancelar resposta