Por que veg?

 

IMG_7341

O que significa ser vegetariana/vegana ?

Existem diferentes tipos de vegetarianas.

Ovo-lacto vegetariana (ou proto-vegetariana): não come carne de nenhum tipo de animal (terrestre ou marinho) mas consome ovos, leite e seus derivados.

Vegetarians estrita: não consome nenhum produto de origem animal.

Vegana: além de não consumir nenhum produto de origem animal, não usam derivados de animais nas roupas, calçados, cosméticos ou qualquer outro tipo de produto. O veganismo, mais que um regime alimentar, é uma filosofia de vida motivada por convicções éticas. Os veganos rejeitam toda forma de exploração e abuso animal (vivissecção, experimentação animal, circos, rodeios, vaquejadas, zoológicos, etc).

*Uma pessoa que come só “carne branca”, ou só peixe, quem come carne quase nunca, ou só de vez em quando, ou só no natal não é vegetariana, é ONÍVORA.

Por que as pessoas se tornam vegetarianas?

As motivações de cada um para se tornar vegetariano variam muito. Alguns optam por esse regime por motivos de de saúde, outros por compaixão aos animais, razões ecológicas e até religiosas.

Pela saúde

Uma alimentação vegetariana contém todos os nutrientes que nosso corpo precisa, sem a gordura, sem o colesterol e sem os produtos químicos encontrados nos produtos de origem animal. Essa dieta aumenta a quantidade de comida que nos ajuda a lutar contra o câncer (cereais integrais, frutas e legumes) e elimina as comidas que causam câncer. Vegetarianos possuem taxas de colesterol mais baixas, têm menos chances de ter hipertensão e diabetes, têm índices menores de problemas intestinais, artrite, gota, cálculo renal, hemorroidas e varizes. Pessoas que se alimentam de carne são nove vezes mais propensas à obesidade do que vegetarianos. Onívoros também sofrem mais de osteoporose, mal de Alzheimer, asma e impotência. Adotar um regime 100% vegetariano melhora consideravelmente a saúde do diabético e muitas vezes essas pessoas nem precisam mais tomar medicamentos pra controlar a doença.

Todos sabem que carne vermelha causa inúmeras doenças, mas a maioria das pessoas pensa que carne branca é, ao contrário, boa pra saúde. Frango é cheio de antibiótico. Os peixes vivem em águas tão poluídas que você não teria coragem de bebê-la. No entanto, você come os peixes que vivem nessas águas. O corpo do peixe absorve todos os elementos tóxicos (bactérias, metais pesados etc) e esse veneno passa pro seu corpo quando você ingere o peixe. A concentração de produtos nocivos fica ainda maior quando se consume peixes grandes (como atum), pois eles absorveram também todos os tóxicos presentes nos peixes pequenos, que são a base da sua alimentação.

Acha que o leite é o alimento mais saudável que existe? Pra começar, somos os únicos mamíferos que continuam a beber leite depois de adultos e, mais estranho ainda, bebemos leite de outra espécie. Este é um hábito muito novo na nossa história e estima-se que dois terços da população mundial não consegue digeri-lo. Mesmo se você não tem problemas pra digerir a lactose, é bom lembrar que leite e seus derivados são as principais fontes de gordura saturada da dieta onívora.

Pelo planeta

Contrariamente ao que a maioria das pessoas acredita, a maior causa de poluição, aquecimento global, efeito estufa, não é o setor de transportes, mas sim a pecuária. Carros, tratores, caminhões, navios e aviões, todos juntos, são responsáveis por 13% da poluição mundial. A pecuária sozinha é responsável por 18% (fonte: relatório da FAO “Livestock’s long shadow”).

A criação de animais utiliza a maior parte das terras aráveis no mundo, usadas principalmente pra cultivar os cereais usados na alimentação dos animais que acabarão nos nossos pratos. O cultivo de cereais (principalmente a soja) pra alimentar os animais de criação é a causa número um do desmatamento na floresta amazônica. O Brasil é o maior exportador de soja do mundo. A floresta está se transformando em um imenso campo de soja, onde é produzido o grão que vai alimentar o gado europeu e americano. Vale lembrar que o desmatamento das florestas, além de ser uma ameaça à biodiversidade, tem um impacto negativo imenso no aquecimento global. O gás carbônico estocado nos solos e na vegetação terrestre é muito maior do que o presente em todas as reservas de petróleo do mundo e é o dobro do carbono presente na atmosfera. O desmatamento das florestas primárias libera de uma só vez uma quantidade gigantesca de gás carbônico na atmosfera, uma das principais causas do efeito estufa.

A pecuária é a atividade que mais utiliza água. A quantidade de água necessária pra produzir a comida diária de um vegetariano puro (vegano) é de 500 litros. Pra alimentar alguém que come carne uma vez por dia são necessários 2000 litros de água e pra alimentar alguém que come carne em todas as refeições são necessários 4000 litros de água.

Animais criados pra virar comida pros humanos consomem quase toda a nossa comida, quase toda a nossa água e quase todas as nossas terras. E ainda tem mais: como era de se esperar, eles colocam tudo isso pra fora em forma de excrementos, montanhas gigantescas de excrementos! Só nos EUA são 39 toneladas de excrementos por segundo! Isso contamina as águas na superfície, mas também os lençóis freáticos, corrói os solos e contamina o ar. Esses excrementos também liberam metano, um gás 60 vezes mais poluente que o CO2 liberado pelos carros, aviões e usinas.

A terra e o ar estão contaminados e a situação nos mares não é diferente. A pesca industrial esvaziou quase completamente os oceanos. A estimativa dos biólogos é que hoje sό resta 10% da vida marinha que um dia existiu. Os viveiros industriais são outra catástrofe ambiental. Na terra eles poluem as águas da superfície e os lençóis freáticos, no mar eles destroem completamente os ecossistemas e criam zonas estéreis.

Segundo o relatório “Impactos sobre o meio ambiente do uso de animais para a alimentação”, feito pela Sociedade Vegetariana Brasileira, um quilo de carne produzido no Brasil representa 10 mil metros quadrados de floresta desmatada e 15 mil litros de água, além de consumo importante de energia elétrica e de combustíveis fósseis, emissão de metano na atmosfera, despejo no meio ambiente de antibióticos e hormônios, entre outros.

Pra lutar contra a fome no mundo

Metade da agricultura mundial é utilizada pra produzir o alimento dos animais de abate, enquanto que somente 15% da população mundial terá acesso à carne desses animais. 75% de toda a produção mundial de soja é destinada ao gado (algumas fontes afirmam que esse número chega a 90%). Na Europa, 60% de todo o cereal é destinado aos animais de abate, enquanto que nos EUA esse número chega a 70%.

É preciso de 5 a 15kg de cereais pra produzir 1kg de carne. Isto está longe de ser uma maneira eficiente ou inteligente de produzir proteínas. No espaço utilizado pra produzir a alimentação de alguém que come carne, daria pra produzir vegetais suficientes pra alimentar de 12 a 30 pessoas. A Terra tem capacidade de alimentar apenas dois bilhões de pessoas com uma dieta composta de produtos de origem animal. A população mundial atual é de sete bilhões e se todos os habitantes da Terra se alimentassem de carne seria necessário mais de três planetas pra produzir carne suficiente pra todos.

Pelos animais

Eu poderia falar de todo o sofrimento, toda a tortura feita com os animais criados pra abate. Marcação com ferro quente, castração, mutilação… Poderia falar das péssimas condições de vida desses pobres animais, amontoados em galpões sujos, sem ventilação adequada e, às vezes, sem luz natural, dentro de jaulas minúsculas, empilhadas sobre milhares de outras jaulas. Ou são criados ao ar livre, mas em um espaço limitado, tendo que viver dentro de seus próprios excrementos. Poderia falar da alimentação artificial à base de hormônios que causa doenças crônicas nos animais (e também nos que se alimentam desses animais). De todos os antibióticos dados aos animais, pra que sobrevivam nessas terríveis condições. Poderia falar da realidade nos abatedouros, da maneira cruel como esses animais são mortos. Mas na minha opinião, uma frase só é necessária pra explicar porque pessoas se tornam vegetarianas: matar é errado. Tolstói disse “Comer carne é diretamente imoral, já que requer um ato que é contrário ao nosso senso moral: o assassinato”. Só nos EUA, três milhões de animais são mortos… por hora! Como justificar a morte de bilhões de animais se não precisamos disso pra sobreviver?

Conclusão

“Existe suficientemente de tudo no mundo para satisfazer as necessidades do homem, mas não o suficiente para satisfazer sua ganância” Gandhi

Sabemos que os recursos da Terra são limitados e que temos que dividi-los com os que virão. Economizamos água e energia. Reciclamos. Tudo isso é importante mas tem algo muito mais eficiente a ser feito, algo que está ao alcance de todos.

Cada vez que enchemos nosso prato fazemos uma escolha. Essa escolha constrόi, dia apos dia, o mundo em que vivemos. Um mundo melhor ou cada vez pior. A responsabilidade é inteiramente nossa, não do governo, não das grandes empresas, não da elite. Mas o poder de mudar também é inteiramente nosso.

IMG_7910

Perguntas frequentes e mitos sobre veganismo

Eu até entendo suas razões, mas ser vegana é difícil demais!

Ser vegana não tem nada de extraordinário, difícil é ter força pra deixar de fazer parte da maioria e encarar as dificuldades cotidianas ligadas a essa escolha. Contrariamente ao que as não-vegetarianas possam imaginar, a dificuldade maior não é equilibrar minha alimentação pra não desenvolver nenhuma carência. Isso até que é bem simples. Difícil é viver em uma sociedade onde nada é adaptado pras vegetarianas (imagine pras veganas, então!), onde as pessoas nos consideram “loucas” ou “irresponsáveis” e onde nem nossas amigas e familiares aceitam nosso modo de vida, tentando nos convencer de que estamos erradas. A boa notícia é que, enquanto nosso país continua na Idade Média do veganismo, em outros lugares do mundo existe uma compreensão e aceitação muito maior do assunto e veganas dispõem de inúmeras opções vegetais, tanto em supermercados e lojas de produtos naturais, como em lanchonetes e restaurantes. Em Berlim encontrei até um supermercado inteiro vegano! À medida que a população vegana aumenta no Brasil, a indústria alimentícia começa a prestar mais atenção nesse grupo de consumidores e as opções vão aumentando. O futuro é verde!

Os humanos são naturalmente carnívoros, a carne sempre fez parte do nosso regime.

Os ancestrais dos homens tiveram regimes variados, segundo os diferentes períodos da História. Os primeiros humanoides apareceram há 24 milhões de anos e se alimentavam exclusivamente de frutos. Com a chegada dos australopitecos, há 5 milhões de anos, o consumo de carne foi aos poucos se instalando. Há 12 mil anos, durante o período Mesolítico, a diminuição da caça acabou quase que completamente com o consumo de carne pelos homens. A partir do período Neolítico o sedentarismo e a revolução na agricultura favoreceu o aumento do consumo de carne. A História nos mostra que o homem é capaz de adaptar sua alimentação, mas “adaptação” não significa necessariamente “adequação”. A ciência está aí pra provar que é possível se manter saudável com diferentes tipos de regime, incluindo o regime 100% vegetal.

E as proteínas? Só existe proteína na carne. (ou então) Não tem todas as proteínas que precisamos nos vegetais, tem proteínas essenciais que só são encontradas nas carnes.

A natureza está cheia de proteínas vegetais. Sim, proteína vegetal existe! Na verdade, carência de proteína é algo que praticamente não existe no mundo (com exceção dos países devastados pela fome), o que vemos na maior parte do tempo é um excesso de proteína. Produtos de origem animal, como carne, leite e ovos, possuem todos os aminoácidos essenciais, sendo considerados proteínas completas. Poucos vegetais contêm os nove aminoácidos essenciais ao mesmo tempo, mas a combinação de vegetais de grupos diferentes garante a ingestão de todos os aminoácidos que o seu corpo precisa. Se a sua dieta contém uma variedade de grãos, legumes e verduras, as necessidades de proteínas são facilmente preenchidas. Deficiência de proteína é algo raríssimo, muito mais provável de acontecer nos países devastados pela fome do que na nossa sociedade, onde um grande número de doenças está ligado ao excesso, e não à falta, de comida.

Alguns exemplos de alimentos vegetais ricos em proteínas:

Tofu firme (1/2 xícara)19.9g
Lentilha cozida (1 xícara)17.9g
Feijão preto cozido (1 xícara)15.2g
Grão de bico cozido (1 xícara)14.5g
Espinafre cozido (1 xícara)5.4g
Arroz integral cozido (1 xícara)5g
Brócolis cozido (1 xícara)4.6g
Pão integral (1 fatia)2.7g

Embora seja comum se referir às proteínas vegetais como “inferiores”, elas na verdade têm muitas vantagens quando comparadas às proteínas animais. Proteínas vegetais não contêm colesterol, são pobres em gordura e possuem duas coisas importantíssimas pra saúde e que não existem nos produtos de origem animal: fito químicos (um tipo de antioxidante) e fibras. Mais informações sobre proteínas nesse post.

Eu malho/faço esporte e preciso de uma alimentação rica em proteínas, logo não posso ser vegetariana, muito menos vegana.

Precisamos de 0,8g de proteína por quilo de peso corporal. Uma pessoa que pratica esportes pode aumentar um pouco esse número, mas é bom ter cuidado com o excesso de proteína. Diversos estudos mostraram que os brasileiros estão ingerindo mais proteínas do que o recomendado. Nosso corpo transforma o excesso de proteína em gordura e o risco de desenvolver doenças cardiovasculares aumenta. Proteína animal em excesso também aumenta a acidez do organismo, que tenta combater o fenômeno utilizando o cálcio dos ossos, causando a perda excessiva desse mineral.

Existem muitas atletas veganas. Tenistas, jogadoras de futebol, triatletas, halterofilistas, lutadoras de boxe, levantadoras de peso… Essas atletas conseguem obter ótimos resultados em competições de nível internacional com uma alimentação exclusivamente vegetal. Um dos melhores exemplos é o americano Scott Jurek, uma lenda das ultramaratonas. Ele ganhou sete vezes consecutivas (e quebrou o recorde da prova em 2004) a ultramaratona mais prestigiosa do mundo, Western States 100 miles, e ganhou duas vezes a ultramaratona mais difícil do mundo, Badwater Ultramarathon (217 km de corrida entre o Vale da Morte e o Monte Whitney, nos EUA, em temperaturas que chegam a 54° C). Se Yurek consegue fazer tudo isso sendo vegano, você também consegue fazer sua caminhada diária ou frequentar a academia sem passar mal. Muito pelo contrário, seu rendimento só vai melhorar.

E o ferro? Só existe ferro na carne e vegetarianos/veganos devem ser todos anêmicos. Eu conheço um vegetariano que é tão amarelo, coitado. Só pode ser anemia.

O regime vegetariano puro fornece o dobro da quantidade recomendada de ferro e quase o triplo de vitamina C. A vitamina C melhora a absorção do ferro e consequentemente veganas não sofrem mais de anemia do que onívoras. Já as vegetarianas precisam tomar cuidado. Elas têm tendência a substituir a carne por queijos, aumentando as chances de desenvolver anemia, pois leite é muito pobre em ferro e interfere na absorção do ferro presente em outros alimentos. Mas uma vegetariana/vegana que se alimenta de maneira variada, comendo legumes, frutas, grãos e cereais integrais todos os dias não terá nenhum tipo de carência.

Quanto à cor amarelada de alguns vegs a explicação pode ser outra. O excesso de alimentos ricos em beta caroteno, como cenoura e jerimum, pode alterar ligeiramente a cor da pele, que ganha um tom amarelado.

O ferro encontrado nos vegetais não é bem absorvido pelo corpo. Uma pessoa com anemia tem que comer carne se quiser se curar.

Carência de ferro (anemia ferropriva) é a deficiência nutricional mais comum no mundo, mas o índice de anêmicas na população vegetariana não é maior do que na população onívora.

O ferro está presente nos alimentos em duas formas, heme e não-heme. Os dois têm o mesmo efeito no organismo, mas são absorvidos de maneira diferente. O ferro presente nos vegetais é do tipo não-heme, enquanto que a carne possui 40% de ferro heme e 60% não-heme. A biodisponibilidade do ferro heme é maior, ou seja, ele é absorvido em quantidades maiores pelo organismo. Mas isso está longe de ser um argumento contra o regime vegetal. A verdade é que nosso corpo consegue controlar a taxa de absorção do ferro não-heme, de acordo com a quantidade desse mineral no nosso estoque. Já o ferro heme é sempre absorvido da mesma maneira, independente das nossas necessidades, podendo causar uma absorção exagerada desse mineral. Excesso de ferro no sangue aumenta a produção de radicais livres, o que enferruja os órgãos e, nos casos mais graves, pode causar cirrose, diabetes, insuficiência cardíaca e problemas na produção hormonal.

Enquanto a absorção de ferro heme não sofre interferências externas (existe uma exceção, que veremos mais adiante), a absorção do ferro não-heme varia de acordo com a presença de outros nutrientes na mesma refeição. A vitamina C (ácido ascórbico), disponível em frutas cítricas e legumes, é a maior promotora da absorção do ferro não-heme. Por outro lado, fósforo, tanino (presente no café, chá, chocolate e vinho tinto) e refrigerantes inibem a absorção do ferro. Doses elevadas de cálcio interferem tanto na absorção do ferro não-heme quanto do ferro heme. Isso não é um problema na dieta vegana, já que geralmente o cálcio é menos concentrado nos vegetais, mas as pessoas que consumem laticínios precisam tomar cuidado pra não misturar esses produtos com um alimento rico em ferro. Fica o alerta: laticínios, além de pobres em ferro, dificultam a absorção do ferro presente em outros alimentos.

Algumas das melhores fontes vegetais de ferro são leguminosas, castanhas de caju, sementes de abóbora, gergelim, vegetais verde-escuros, frutas secas (principalmente damascos, passas e ameixas), aveia, quinoa, linhaça e melado de cana. As necessidades de ferro variam de acordo com o sexo e a faixa etária, mas com uma dieta vegetal variada e rica em alimentos frescos (que são fontes de vitamina C) você não corre risco de desenvolver uma deficiência em ferro.

O leite é necessário pra manter a saúde, principalmente a das crianças. Se eu parar de tomar leite e consumir seus derivados como vou fazer pra ter cálcio na alimentação? E a osteoporose?

Os seres humanos são os únicos mamíferos que bebem leite depois de adultos e, mais estranho ainda, que bebem o leite de outra espécie. Isso não é uma prática antiga, nós sobrevivemos durante centenas de milhares de anos sem leite e dois terços da população mundial nem consegue digeri-lo. A intolerância ao leite é a alergia alimentar mais comum que existe. Os sintomas são: asma, eczema, urticária, problemas crônicos do nariz, sinusite, amidalite, cólicas, problemas intestinais, problemas de pele, hiperatividade e depressão. Outro ponto negativo: os derivados do leite são a principal fonte de gordura saturada na dieta dos onívoros (atenção, vegetarianos!).

Contrariamente ao que se pensa, a osteoporose não é causada por uma carência de cálcio, ela é causada, entre outros, por um excesso de ácido na alimentação. O corpo utiliza então o cálcio presente nos ossos pra se livrar da acidez. É verdade que os laticínios possuem uma grande quantidade de cálcio, mas além desse cálcio não ser tão bem assimilado pelo corpo quando comparamos o cálcio dos vegetais, laticínios, por causa da grande quantidade de proteínas, causa o excesso de acidez que rouba o cálcio, e outros minerais, do corpo. Por isso, por mais irônico que isso possa parecer, as populações que ingerem a maior quantidade de leite são também as que mais sofrem de osteoporose. Com uma ingestão de somente 75g de proteína por dia se perde mais cálcio na urina do que o que é absorvido através da alimentação. Quanto mais proteína animal ingerimos, mais cálcio perdemos.

Como se isso não fosse suficiente, um estudo recente mostrou que o leite acumula um tipo de toxina, chamada zearaleona, que impede a apoptose, ou seja, a morte celular dos tumores cancerígenos. O leite contém naturalmente hormônios que favorecem os cânceres (estrogênio, progesterona, cortisol etc), é um concentrado de poluentes (dióxidos, pesticidas etc) que são igualmente cancerígenos, contém também aceleradores de cancerização (hormônio de crescimento) e, por causa da zearaleona, ainda impede o organismo de combater o câncer.

Acham que as crianças são quem mais precisam de leite? Leite faz nosso corpo criar muco e pode causar problemas como tosse crônica, sinusite, asma e infecções do ouvido. Segundo um estudo feito pela American Academy of Allergy and Immunology Commitee, as alergias de mais de um terço das crianças testadas desapareceram completamente depois que o leite foi tirado de suas dietas. O pediatra mais famoso do mundo, Benjamin Spock, escreveu no seu livro “Baby and Child Care”: “Leite de vaca não é recomendado a uma criança doente, aliás, nem a uma criança sadia. Laticínios podem causar mais muco e mais desconforto quando se tem uma infecção respiratória”.

O cálcio é indispensável a uma alimentação saudável, mas pensar que cortando o leite e seus derivados sua dieta fica sem esse mineral é um mito sem fundamento. E as vacas não produzem cálcio em seu corpo, eles ingerem cálcio exatamente da mesma maneira que veganas: comendo vegetais. É assim que o cálcio vegetal vai parar no leite dela. Os únicos seres que têm realmente necessidade de leite de vaca são bezerros. O leite é perfeitamente adaptado às necessidades deles, não às nossas. Lembrem-se: o cálcio é fundamental, não o leite.

Mas peixe é muito saudável! Alguns nutrientes essenciais só são encontrados nos peixes.

A carne dos peixes e frutos do mar consumida hoje em dia está contaminada com produtos tóxicos que causam câncer e degeneração cerebral. Também é a comida que tem mais chances de ter sido contaminada com bactérias. Por causa da poluição industrial nos mares e rios, a carne de peixe contem PCB, uma substância química que causa danos no fígado e sistema nervoso, dióxidos, que causam câncer, substâncias radioativas como estrôncio 90 e outras substâncias perigosas como mercúrio, chumbo, arsênio e cromo que causam uma infinidade de doenças, entre elas problemas no fígado e tumores no cérebro. Essas toxinas entram no nosso corpo através dos peixes e permanecem lá durante décadas. É importante observar que peixe é a maior fonte de exposição humana ao mercúrio. Esse metal é conhecido por causar danos cerebrais, perda de memória, tremores, abortos espontâneos e problemas no desenvolvimento do feto.

O ômega 3, que é tão bons pra saúde e que encoraja tanta gente a comer peixe, podem ser encontrados em outros alimentos. Assim como no exemplo do cálcio que não é produzido pelas vacas, os peixes não produzem ômega 3 em seus corpos. Mais uma vez, eles ingerem ômega 3 exatamente como nós, veganas: através das plantas. Peixe pequenos comem algas (que contêm ômega 3) e peixes grandes comem peixes pequenos que comem algas, assim o ômega 3 vai se concentrando em seus corpos, junto com os metais pesados que citei acima. Sementes de linhaça, nozes e sementes de chia são ótimas fontes de ômega 3. Logo, peixe não é indispensável e na maior parte do tempo representar um perigo pra saúde humana.

A dieta vegana não fornece um nutriente essencial, a vitamina B12. Isso prova que ela não é natural/adaptada aos humanos.

Faz sentido afirmar que, por ser carente em uma vitamina, o veganismo não é adaptado ao ser humano? Em um passado não muito distante nosso meio não era esterilizado, o solo era rico em bactérias boas e os vegetais forneciam uma quantidade satisfatória dessa vitamina. Se hoje veganos precisam suplementar a B12 é porque o meio em que vivemos mudou radicalmente. Essa foi a explicação que encontrei em todos os artigos que li, com um única exceção. O nutrólogo Eric Slywitch no artigo “Vitamina B12 (30 informações importantes)” afirma que essa história que nossos ancestrais viviam em harmonia total com a natureza, que oferecia todos os nutrientes de que eles precisavam, é um mito. Segundo ele, nossos ancestrais conseguiam B12 provavelmente porque comiam carne. Eu prefiro não entrar nesse debate, pois acho irrelevante saber qual era a fonte de B12 dos nossos antepassados. Vamos nos concentrar no presente.

Existe um volume imenso de pesquisas cientificas provando que uma dieta vegana traz inúmeros benefícios à saúde, como menor risco de obesidade, doenças coronárias, hipertensão, diabetes, câncer e doenças crônicas em geral. A falta de um único nutriente, que depende mais da capacidade do seu corpo em assimila-lo do que da sua dieta, não é um argumento contra o veganismo.

Na França, onde vivi durante vários anos, todas as crianças tomam suplemento de vitamina D durante os primeiros anos de vida (recomendação do pediatra). Nessa parte da Europa as pessoas não recebem sol suficiente pra produzir esse nutriente indispensável, por isso é muito comum tomar suplemento de vitamina D e suplementar o leite, e outros alimentos, com essa vitamina. Usando o mesmo tipo de raciocínio, deveríamos conluir que não é natural viver em países onde o sol não brilha na maior parte do ano?

Outra informação importante que sempre fica fora desse debate é que os animais criados param serem abatidos quase nunca pastam livremente, o que garantiria a ingestão de B12 presente na terra/capim. Esses animais são alimentados com ração enriquecida com B12, então no final das contas, tanto veganas quando onívoras estão suplementando essa vitamina. A diferença é que as primeiras ingerem a vitamina diretamente e as segundas dão a vitamina pros animais e em seguida comem os animais que receberam a suplementação.

O meio em que o homem vive mudou. A maneira que produzimos e consumimos os alimentos também mudou. Por causa disso às vezes é necessário suplementar nossa alimentação com um ou outro nutriente. Muitos dos nossos hábitos modernos não são “naturais”, como comer comida processada e cheia de produtos químicos, viver em ambientes climatizados artificialmente… A questão não é saber se essa ou aquela dieta é a mais “natural” pro ser humano, o importante é saber qual trará mais benefícios. Uma dieta vegana bem planejada e com suplementação de B12 cobre todas as nossas necessidades em nutrientes, melhora a saúde, diminui nossa pegada ecológica e faz prova de compaixão com os animais não-humanos. Eu ainda não encontrei nenhuma desvantagem nisso.

 As plantas são seres vivos. Elas também sofrem!

O que diferencia um animal de um vegetal é que o primeiro tem um sistema nervoso, logo sente dor, e o segundo não. No dia que você escutar uma planta gritar de dor ao ser cortada pode ter certeza que aquilo era um animal, já que a presença de um sistema nervoso classificaria imediatamente essa criatura no reino dos animais.  Nós sentimos dor pra poder reagir a um perigo. Por exemplo, se você tocar algo e sentir dor, o machucado te ensinará a não tocar mais naquilo. Plantas não se locomovem, logo seria absurdo se elas tivessem sensibilidade sem no entanto ter a capacidade de evitar  o perigo. Pode ter certeza que a natureza não faria uma crueldade dessas. Mas se você ama tanto o verde e está tão preocupado com o bem estar das plantas faça o seguinte raciocínio. Sabendo que são necessários em média 7 kg de vegetais pra produzir 1 kg de carne, qual seria a medida mais eficaz pra diminuir o sofrimento das plantinhas?

Não vejo problema nenhum em matar animais, pois eles não têm alma.

Lembra quando, em um passado não muito remoto, a igreja dizia que negro e índio não tinham alma e que os brancos podiam fazer o que quisessem deles? Esse tipo de afirmação sempre serviu para deixar os humanos com a consciência tranquila diante das atrocidades cometidas contra  outros grupos de humanos, como a História nos mostra, e contra animais de outras espécies. O importante não é saber se animais têm ou não uma alma. Cada qual que acredite no que quiser, segundo suas crenças. A verdadeira questão aqui é saber se os animais sentem ou não dor (a resposta é “sim, eles sentem dor”) e se é necessário comer animais pra sobreviver (não é). Por isso impor sofrimento aos animais é imoral.

Você não acha absurdo pensar em salvar animais enquanto tem tanta criança morrendo de fome no mundo?

Se alguém conseguir me provar que ser vegana está causando fome no mundo eu mudo imediatamente de regime. Mas até onde se sabe comer animais é que está destruindo o planeta e causando fome nos países pobres e obesidade nos países ricos. Sabendo que o regime vegano melhora a saúde humana, protege o meio ambiente e mantém a biodiversidade na Terra, pode acabar com a fome no planeta (a produção anual de cereais e legumes destinados aos animais de criação daria pra fornecer a dose diária de calorias de 8,7 bilhões de pessoas), você ainda acha que só pensamos nos animais? A ideia de que veganas preferem animais a pessoas é totalmente absurda. No entanto, é verdade que veganas e vegetarianas em geral acreditam que animais são nossos semelhantes e devem ser tratados com respeito. Existe uma concepção distorcida do amor segundo a qual se amarmos um, estamos necessariamente privando o outro de amor. Pessoas veganas lutam por um mundo sem crueldade e oferecem seu amor aos  animais humanos e não humanos.

A solução não seria comer somente carne orgânica de animais criados em liberdade e que foram mortos de maneira humana?

Do ponto de vista ético, as opiniões podem divergir. Não há dúvidas que nesse caso o animal leva uma vida mais natural, tem uma morte menos dolorosa e que essa carne, livre de hormônios, é melhor pra saúde, mas é menos mal matar um ser que vive em liberdade do que um ser que vive em uma prisão? Porém do ponto de vista nutricional, independente da maneira como o animal foi morto, carne é cheia de gordura saturada e colesterol, podendo causar danos à saúde se consumida em grandes quantidades. Do ponto de vista ambiental, livres ou enclausuradas, as vacas produzem metano (um dos maiores responsáveis pelo efeito estufa).

Deixando de lado as razões nutricionais, ambientais e éticas a resposta a essa pergunta é NÃO. Do ponto de vista puramente prático é impossível se alimentar exclusivamente de carne orgânica de animais criados em liberdade. A indústria da carne não inventou os métodos inumanos de criação usados hoje por acaso. A intenção nunca foi torturar gratuitamente os animais, ou destruir o planeta, ou a nossa saúde. Esses métodos foram inventados por um único motivo: satisfazer o desejo do consumidor de ter carne barata e em abundância. Por melhor que seja sua intenção, é simplesmente impossível continuar comendo a quantidade de carne que comemos hoje (mais de 82kg de carne por pessoa e por ano no Brasil em 2002, quase 125kg nos EUA no mesmo ano, segundo relatório da FAO) usando exclusivamente os métodos tradicionais de criação de animais. Se todos os animais de abate fosse criados livres, como nas fazendinhas de desenho animado, a oferta de carne no mundo seria drasticamente reduzida. Se você quiser realmente fazer uma diferença, sem no entanto se tornar vegetariano, diminua seu consumo de carne (e compre carne orgânica de animais criados em liberdade, claro). Carne devia ser, como já foi um dia no nosso país e ainda é na maior parte do mundo, um luxo.

Você acha que ser veganas vai ajudar o planeta? Estão destruindo as florestas pra plantar soja que será transformada em comida pras vegetarianas!

Já ouvi essa afirmação algumas vezes, inclusive de um dos mais famosos chefs brasileiros. Pior do que a ignorância é a ilusão do conhecimento, como disse Daniel Boorstin. Ninguém está destruindo a Amazônia pra fazer proteína nem leite de soja pras vegetarianas/veganas. Mais de 80% da soja produzida nos EUA é destinada à fabricação de rações pros animais de abate e no Brasil a situação não é diferente. Praticamente toda a soja exportada no nosso país é destinada à alimentação de animais e isso não acontece só com a soja. Cereais como milho e aveia também são cultivados principalmente pra esse fim. Não, não é o tofu no prato da vegetariana que está destruindo a Amazônia, é o bife no prato da onívora.

Você acha que ser vegetariana é melhor pra saúde? Com tantos agrotóxicos jogados nos vegetais você vai acabar mais envenenada do que os que comem carne.

Se os vegetais estão cheios de agrotóxicos, a carne, o leite, o ovo e os outros produtos de origem animal estão mais contaminados ainda. Aquele bife comido no almoço já foi uma vaca e se alimentou de uma quantidade enorme de vegetais, principalmente cereais como a soja e o milho, antes de chegar ao abatedouro. A utilização de agrotóxicos na produção de cereais usados pra alimentar o gado é ainda maior que na produção de cereais usados pro consumo humano. Enquanto a maioria dos vegetais recebem até quatro “banhos” de agrotóxicos antes de serem colhidos, a soja recebe oito! Quanto mais se sobe na cadeia alimentar, maior a concentração de pesticidas, um fenômeno conhecido como “bio-amplificação”. Quando somamos a isso o uso intensivo de antibióticos e anabolizantes na pecuária, a conclusão é evidente: a concentração de veneno na carne e outros produtos de origem animal é ainda mais elevada do que nos vegetais. Claro que comer vegetais orgânicos, cultivados sem agrotóxicos, é o ideal, mas comer plantas em geral, além de indispensável à saúde, ainda é a opção mais saudável.

70 comentários em “Por que veg?

  1. Gostei do texto!

    Sandra, se eu puder falar sobre isso, gostaria de falar sobre o consumo de ovos.

    Hoje, os ovos vendidos no nosso mercado são uma mistura de abuso animal + excesso de hormônios. As galinhas ficam acordadas pelo maior número de horas por dia, comendo raçõs com hormônios para colocar mais e mais ovos.

    Mas existem os ovos “orgânicos”. E eu consumo.

    Minha vó mora na roça. Sempre teve galos e galinhas. Eu amo e galinhas já foram meus bichinhos de estimação. Pena qe vivem poucos anos, pois retribuem o nosso amor como qualquer mamífero!

    Por que eu consumo ovos se eu amo tanto as galinhas?

    Simples: não há abuso delas. Minha avó tem 8 alqueires de terra, onde planta de tudo um pouco. As galinha são soltas de manhã, minha avó joga um punhado de milho que ela mesma planta, e as galinhas saem sítio afora, comendo bichinhos que acham, frutas, folhagens, mandioca, etc. De noite, elas vem sozinhas pro galinheiro e minha avó só fecha a porta pra evitar que gambás e lagartos as peguem. De manhã, solta de novo.

    Nós não temos galos. Então, os ovinhos não tem a mínima condição de serem fecundados.

    As galinhas botam os ovos naturalmente. Minha avó tem cerca de 20 galinhas e isso rende uns 2 ovos por dia. Elas botam um número de ovos e depois ficam chocas, ou seja, o organismo dela fala “cabou ovinhos! Agora esquenta aí pra virar pintinhos!”. E a gente bota elas num outro ninho que não o que elas botam ovos até elas saírem do período de “choca”.

    As galinhas iriam colocar esses ovos de qualquer jeito. E, eles não estando galados, depois de umas 2 semanas a galinha se toca que não estão fecundados. Ou ela abandona o ninho, ou ela empurra com o pé os ovinhos que ela considera não fencundados pra fora do ninho. E depois de uns dias, ela volta a por mais ovos.

    Esses ovos não fecundados iriam estragar. Não tem pintinho, a galinha colocou naturalmente. Por que deixar estragar?

    Eu não sou uma grande consumidora de ovos, mas, durante uma época que eu não entendia muito de nutrição, foi o que me salvou. Ovos são fonte riquíssimas de proteína.

    Hoje muitos sítios tem investido nessa produção de ovos: galinhas criadas sem farelo, sem hormônio, sem galos, sem luz pra manter acordadas.

    Eu não confio em nada que é pra ganhar dinheiro, sabe? Eu só confio nas minhas galinhas, pois eu as vejo todo final de semana. Eu as chamo pelo nome, elas atendem e sei que não estão sendo abusada de forma alguma, que oso ovos que elas botam é um processo natural que aconteceria elas estando ali, na natureza ou em qualquer outro lugar.

    Mas acredito que para quem tem um sítio, ou tem um parente que tenha, e sente dificuldade em encontrar alimentos orgânicos e fonte de proteinas, que a pessoa poderia comprar umas 4 franguinhas e cria-las assim. Principalmente quem quer dar mais proteínas pras crianças, essa é uma boa fonte.

    Gostaria de saber sua opinião sobre os ovos orgânicos comerciais e de quem cria os animais sem abuso.

    1. Mas dizer que comeu os ovos por que eles iriam estragar de um jeito ou de outro não seria a mesma coisa que dizer que as pessoas comem carne por que os animais morreriam de um jeito ou de outro?

      Não quero dizer para você virar vegana mas pense que aquilo vem de dentro dela e que se houvesse um galo ali nasceria então de certa forma e como se vcs estivessem fazendo o mesmo que e feito com os pintinho que nascem e não podem botar ou seja “MATAM”! Eu sei que ainda não existe realmente uma vida ali dentro mas e como se vcs estivessem impedindo algo que a natureza tomaria conta para se deliciar de um liquido que é o responsável pelo nascimento de um ser vivo e como se fosse a agua da vida deles.
      Ta eu sei que pode parecer um exagero mas se não fizer por você faça por ela que tem que botar todos os dias sofrendo (vamos e venhamos um ovo não é pequenino ) para tentar criar novas vidas e você elimina essa chance!

      Desculpa se parece ser leviano mas essa e a minha opnião!

      1. Dielison Carvalho, “dizer que comeu os ovos por que eles iriam estragar de um jeito ou de outro não seria a mesma coisa que dizer que as pessoas comem carne por que os animais morreriam de um jeito ou de outro?”, porra, não é a mesma coisa! HAHAHAHAH É a mesma coisa que comparar uma mulher que doou os óvulos não fecundados com uma mulher que doou o bebê que acabou de nascer. São coisas diferentes.

        Pelo o que a Camila falou, não existe um abuso animal mesmo, e garanto que essas galinhas prefeririam 928398293 vezes dar um ou dois ovos a cada duas semanas do que viver livres na natureza. Ali elas tem abrigo, comida, proteção e até afeto, coisa que não teriam se estivessem na natureza como você disse, e se tivessem, teriam que lutar e fugir o tempo inteiro de outros predadores. Claro que a gente não pode perguntar a preferência delas, daí vai da consciência de cada um.

        Sou contra a produção de animais pra venda e consumo, que fique bem claro, mas não vejo problema quando você cria o animal desse jeito, sem abate, sem hormônios e tal, afinal, é uma relação onde os dois saem ganhando. Mas essa é só a minha opinião, fique à vontade pra discordar.

      2. Esse negócio que se deixar de comer carne não vai adiantar não procede. Se um carnívoro vira vegetariano pelo menos um boi ele poupa por ano. Imagina durante uma vida de 75 anos? = 75 bois, 10 vegs = 750 bois, 100 vegs = 7500 bois. Cada pessoa que deixa de comer carne é importante. Em um ano já salvou muitas vidas.

    2. Na verdade esses ovos de granja, também são os mesmos ovos que vc come sem ter galo, pois a granja força ao extremo produção industrial dos ovos (sem galo), ou seja, todos esses ovos são a menstruação da galinha, então não tem problema em come-los se a galinha viver uma vida mais livre possível, claro.

    3. Oi, Camila!!! Achei perfeita sua colocação!!! Se o foco é não sofrimento, não dor, não desrespeito, não morte, seus ovinhos são deliciosos, iluminados e abençoados!!! Sua frangotas são felizes, livres, têm a vida que uma galinha deve ter + afeto e eventual veterinário se necessário. Essa meninas felizes devem dar ovinhos ainda mais proteicos e ricos!!! Parabéns!!!

  2. Sandra,
    desde o ano passado, diariamente, acompanho seu blog e adoro! Parabéns pelo blog e seu livro! (em breve, vou adquirir o livro) E muito obrigada por me ajudar, com suas dicas e receitas deliciosas, a manter minha dieta vegetariana. Hoje fiz o ensopado marinho, amei! Parabéns!

  3. Olá Sandra!
    Estive pesquisando sobre algas e fui parar no seu blog! Queria te agradecer por proporcionar tão agradável leitura sobre temas tão sublimes.
    Fiz o ensopado marinho também! Que receita deliciosa, parabéns mesmo!
    Meu marido onívoro e eu (ovo-lacto-vegetariana em transição para o veganismo) acabamos com a panela…
    Um abraço, muita paz!

  4. Tenho pensado em me tornar vegetariana pelos motivos que você descreveu muito bem e de repente encontro seu blog! Gostei muito e acho que servirá de inspiração para minha mudança!

  5. Já escrevi o quanto foi salutar neste período da minha vida encontrar este saudável blog. Deixo registrado que, precisaria ser internada por medicações que os médicos foram me “intoxicando” por um problema de enxaqueca que possuo desde criança, e com o tempo comprometendo toda minha qualidade de vida e possíveis realizações (ficar 3 4 dias na cama em quarto escuro, por exemplo, dentre outras…). Só através desta alimentação como encontramos aqui, posso controlar meus sintomas, pude retirar todas as medicações sem INTERNAÇÃO ou substituição de outras (é isso que fazem no desmame para desintoxicação medicamentosa, trocar por outras mais leves, conforme dizem os médicos, rs…). Sou um corpo que funciona apenas consciente do que ingiro pela boca, ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL.
    O BLOG É MUITO IMPORTANTE,nunca vc saberá a dimensão de seu trabalho aqui, obrigada por ele Papacapim.

  6. Sandra, sou a mesma Martha acima, e, todos os dias dou uma lidinha em seu blog,tenho notado que algumas pessoas não ficam sem açúcar nem que seja o mascavo. Dica: cozinhe uma maçã no vapor, na água, ou asse no forno, ela servirá para adoçar suas receitas. Só não sei o que se perderia usando-a desta forma, pois eu a uso assim também como doce, colocando nela própria um palito de canela. A acidez se vai, e os nutrientes? Fiz a receita de chia com leite de amêndoas com uma maçã e uma banana assadas. Ficou uma d e l í c i a!!!

    1. Martha, eu também uso maçã (cozida, não assada) nas minhas receitas. Com certeza uma parte das vitaminas se vai durante o cozimento, mas o que procuramos aqui é uma maneira natural de adoçar pratos, então não vejo problema nenhum. Como frutas frescas diariamente, logo as vitaminas perdidas com o cozimento da maçã não fazem falta:-) Porém sugiro que você use frutas frescas na sua chia com leite de amêndoas, pois elas adoçam do mesmo jeito e oferecem uma dose muito maior de vitaminas.

  7. Bacana, achei super legal conhecer voce no @LarDaVovozinha, aqui em Natal RN.
    Li tudo do seu blog…, fiquei curioso e virei seu fã … Vou acompanhar seu blog e divulgar seu trabalho. Freqüentemente, visito as vovozinhas para cantar com elas, elas gostam de cantar. Como lhe falei, gostaria de ser Voluntario onde houver grupos oprimidos. Fiz trabalhos voluntários em hospital de câncer e hoje mantenho grupos de canto coral… Estou livre para qualquer parada… Ah… Gostei muito de ler as Suas receitas saudáveis… Parabens. Sucesso sempre…abraços para vc e sua Anne.

  8. Muito boas as suas sugestões. Sou vegetariana por amor aos animais à 30 anos mas gostaria de eliminar de uma vez os produtos alimentícios derivados dos animais. A minha dúvida é: e a vitamina B12 ? Dizem que é vital para o sistema nervoso e que só é encontrada nos derivados de animais. Pode por favor dizer alguma coisa sobre isso? Muito obrigada.

  9. Encontrei o seu texto sobre a vit.B12. Muito obrigada. O seu blog é dos mais completos para nós que ousamos em um dia longínquo desafiar o estabelecido.

  10. Adorei o blog !!! Estou tentando me tornar vegetariana, ja ha muitos anos nao consumo carne vermelha e frango, mas o peixe esta dificil, principalmente antes da menstruacao. Meus filhos sao veganos e sempre tento fazer pratos saborosos p todos aqui em casa, respeitando a condicao dos dois meninos maravilhosos. Existem alimentos especificos que possam inibir essa vontade do peixe ? Amo todos os animais e me sinto muito covarde por nao abdicar de vez ao sacrificio dos peixinhos. Bjos

  11. Olá Sandra,

    Adorei conhecer você por meio desse blog. Fiquei sua fã!. Sou vegana e acredito realmente em tudo o que você diz mas como trabalho com educação, queria perguntar se você sabe como podemos chegar aos cálculos que você coloca no blog no item “Porque ser vegano”; “Para acabar com a fome no mundo”; “É preciso de 5 a 15 kg de cereais pra produzir 1kg de carne. Isto está longe de ser uma maneira eficiente ou inteligente de produzir proteínas. No espaço utilizado pra produzir a alimentação de alguém que come carne, daria pra produzir vegetais suficientes pra alimentar de 12 a 30 pessoas.”
    Inclusive, há quem afirme que são necessários “cerca de 16 000 L de água para produzir 1 kg de carne”. Você já ouviu falar disso?
    Você saberia me dizer como são feitos os cálculos que levam a esses valores?
    E na intenção de colaborar um pouco com seu blog e dar um “empurrãozinho” naqueles que “namoram o veganismo” mas não tem certeza se querem “casar com ele”, eu sugiro que assistam os filmes abaixo, disponíveis no youtube.
    Abraços e muita sorte em sua nova morada.

    Martha

    Comida industrializada (Food Inc.):
    http://www.youtube.com/watch?v=VsXIBl7HXKs

    O lado negro do chocolate (The dark side of chocolate):
    http://www.youtube.com/watch?v=ozSRWm7VcVE

    Morrendo por não saber (Dying to Have Known):
    http://www.youtube.com/watch?v=PnNUts8X9jI

    Pão nosso de cada dia (Unser täglich brot)

  12. Dielison Carvalho, entendo perfeitamente a Camila e acho sim que esse seu argumento foi xiita demais. Entendo perfeitamente o pq de os veganos não consumirem carne e o motivo, definitivamente, não é esse. Você viajou na maionese bonito, meu caro, com todo respeito. Não me venha com o argumento de “deixar a natureza agir” pq vc sabe bem o fim dos pintinhos que vão nascer desses ovos casos esses sejam chocados. Quase todos os animais acabam sendo castrados pra evitar um aumento populacional e penso que se um dia o mundo conseguir se tornar vegano, a castração de mtos bichos de fazenda será inevitável, como forma de controle populacional desses e para uma melhor qualidade de vida dos animais e bem do meio ambiente. O ovo nada mais é que a menstruação da galinha. Pode parecer ridículo o que eu vou dizer, mas se eu quiser comer a menstruação de qualquer outro bicho, onde está a violência nisso?É preferível ela comer esses ovos ou “deixar a natureza agir” pra que mais tarde esses futuros galos e galinhas sejam abatidos. Eu estou em processo de me tornar vegana, mas não concordei com teu argumento nem um tiquinho. Tenho um filho de 9 meses e me recomendaram dar ovo pra ele já que não ofereço carne. Parei com os ovos de supermercado e pra minha sorte encontrei um velhinho no sítio que topou vender os ovos “não chocados” das suas galinhas pra mim. Um dia apareci lá e perguntei se tinha ovos e ele disse. “Não tem ainda moça, tem que esperar a vontade da galinha”. E aí…queria que alguém me dissesse nesse caso específico qual é o mal? As galinhas serão abatidas, provavelmente, mas isso seria feito mesmo que eu não consumisse seus ovos…Enfim, os ovos do tal velhinho não são comercializados por ele, mas eu tratei com ele q queria comprar. E aí? E se eu quisesse comprar uma galinha e vez ou outra comer a “menstruação” dela? Está errado? Ela precisaria de um galo pra ter pintinhos não? Ou vc acha q eu deveria tbm adquirir um galo pra deixar com que eles tivesses relações e deixar a “natureza agir naturalmente” pra mais tarde os futuros filhotes acabarem na mesa de algm, Dielison? Óbvio que veganos devem boicotar as indústrias de ovos que cometem atrocidades com os animais, mas esse caso específico não seria uma rara exceção e algo a ser pensado? Teria eu que injetar B12 no meu filho de 9 meses só pra poder deixar a “natureza agir naturalmente”? De resto, adorei o blog e todos os post. Parabéns a autora pelo posicionamento e pela paciência. Já falei, inclusive, em outro post que um posicionamento como o seu pode ter um maior poder de convencer do que mtos outros.
    Abços!

  13. Olá Sandra,
    Não consumo mais ovos, mas estes dias fui confrontada pelo mesmo argumento da Camilla e não soube o que dizer. A base do veganismo é a luta contra a coisificação e exploração da vida, o uso e abuso dos animais, a subjugação e a escravidão. Mas o caso que Camilla citou não pareceu envolver nenhuma destas condutas. Então queria entender: o veganismo é contra o consumo do ovo pelo ovo ou é pelo o que ele representa?
    Muitas pessoas têm esta dúvida e ainda não tive uma resposta satisfatória que me desse segurança para contra argumentar. Gostaria, se e possível de saber o que vc pensa a respeito.
    Éticamente é uma conduta questionável criar galinhas soltas e comer os ovos que seriam descartados?
    bjs
    Susana

    1. Ara, nós comemos muitas coisas descartadas por animais, leveduras por exemplo; só que nesse caso não nos sentimos culpados, já que não estamos vendo os animais que estamos ingerindo.

  14. Parabéns pelo blog, Sandra! Estava procurando receitas com vegetais e tive a sorte de encontrar o seu! Gostaria muito de abandonar o habito de comer carne, o qual me parece cada vez pior, e tenho certeza que as suas receitas irão me ajudar muito. Obrigada.

  15. Não somos os únicos animais que bebem leite (e de outra espécie, ainda por cima) depois de adultos, já vi gato fazer isso, e olha que eles tem sete vidas, né

  16. Camila, não sou vegano e nem pretendo ser, porém não discrimino ou recrimino quem tem essa filosofia de vida; aliás, até gosto das receitas veganas; mas fica uma indagação sobre a filosofia vegana, que afirma não utilizar nada de origem animal ou que proceda de alguma forma envolvendo animais, vide os testes de laboratório com remédios e cosméticos. Será que algum vegano se preocuparia em saber a origem do remédio se estiver num hospital “nas últimas”? Outra coisa, o desmatamento com o propósito de se alimentar o povo teria o mesmo tamanho que o do pasto; além disso, plantações em grande escala exigem tanto veneno e agrotóxico quanto a pecuária, que inclusive tem criações livres de hormônios; e o que dizer dos transgênicos? Temos conhecimento suficiente para saber o que podem provocar no decorrer do tempo?

    Se todo mundo fosse vegano, não deixaríamos de ter governos corruptos e industrias gananciosas, querendo lucro a qualquer custo, e estaríamos no mesmo patamar do mundo onívoro.

    Alguns estudos também indicam que evoluímos graças a nossa dieta onívora, e se a alimentação vegetariana fosse suficientemente rica, os ursos não precisariam comer imensas quantidades de salmões, ficariam apenas nas frutinhas silvestres.

  17. Olá Sandra, tudo bem???

    Amo o seu blog e há pouco tomei a decisão de me tornar vegana.
    Comecei as mudanças pela inclusão da soja na minha alimentação e… não está muito legal.
    Explico. Tenho sentido muita azia, chegando a ter ânsia de vômito algum tempo após a ingestão de alimentos à base de soja.
    Curiosa, fui pesquisar a respeito e vi alguns sites que criticam severamente o uso da soja, inclusive, da PVT, afirmando que sua utilização deveria ser apenas nos processos em que ela é fermentada.

    Será que você já ouviu relato semelhante? O que você sabe a respeito?

    Um grande abraço,

  18. oi ”papacapim” eu to tentando virar vegano eu tenho 11 anos e estou feliz por causa desse site que me inspirou para parar de comer carne parabens eu to me esforcando muito

  19. Olá Sandra, preciso compartilhar minha atual vivência como quase vegan… digo quase porque tenho assimilado a filosofia, mas vez ou outra entra no meu cardápio uma sardinha “escabeche”, um ou outro ovo quente degustados conscientemente e sem culpa. Porém, enfrentar os almoços na casa da minha filha tem sido um desafio. Sei que nunca fui bem vinda pelo meu genro e na medida do possível recuso os convites. Mas, no último, comemorou-se o aniversário da minha filha. E ir lá significa também ter a oportunidade de ver meus netinhos que eu amo e que são vítimas da síndrome da alienação parental, porque já percebem que “gostar dessa avó” significa desagradar o meu genro. Olha só a minha situação! Domingo foi a comemoração do aniversário e meu genro preparou uma bela lasanha com muito queijo e molho a bolonhesa e um bife tartar…. acho que não preciso dizer que fiquei com o tabule que levei. Além de não ser bem vinda sou obrigada a fazer cara de paisagem e disfarçar o tempo todo que não estou incomodada o que é um esforço inútil já que a intenção do meu genro é essa mesma, me incomodar para ir o menos possível à casa deles. Bem toda essa ladainha é para te pedir para criar um bife tartar vegan…. se possível. Te adoro muito e suas receitas tem feito parte do meu dia a dia. Obrigada pela sua generosidade em publicar tantas delícias. bjssss um grande abraço em Anne

    1. Sinto muito por você ter que passar por essa situação, Sonia. Infelizmente criar um bife tartar vegano me parece missão impossível. Sugiro que ao invés de tentar imitar pratos onívoros, você procure descobrir novos sabores e receitas originais. Acho que, além de serem deliciosos, eles tem mais chances de agradar onívoros. Te desejo muita sorte com esse fardo e espero que você encontre sempre inspiração por aqui.

  20. Desculpe me expressar, não vou entrar no mérito sobre ser vegetariana ou não, mas sim sobre postura. Eu não como feijão, feijoada e qualquer tipo de miúdos então nem pensar, mas não perco uma festa só porque o cardápio não me agrada. Não espere que um almoço (festa,comemoração) mude o cardápio só por sua causa. Leve a sua própria comida e informe a anfitriã que o que importa é a companhia. Faça isso sem a menor cerimônia pois se a pessoa é sua amiga vai entender. Na casa ou festa de estranhos meu conselho é que vá já alimentada, mas POR FAVOR não deixe de ir. Quanto ao seu genro infelizmente é uma situação desagradável, mas vc tbm não deve deixar de ver seus netos por causa dele. Apesar dele ser o pai e poder educar os filhos dele como quiser, vc tbm é avó e pode (e deve) e deve ter um mínimo de contato com seus netos, procure visitá-los em horário que o cidadão não vá estar em casa é uma solução. Quanto aos menus escolhidos por ele para as ocasiões que vc vai a casa deles, tente ver do ponto de vista de uma pessoa que como eu não é vegetariana e muito menos vegana, eu estaria perdida se fosse receber uma pessoa que não come carne, ovos e leite!!!!!! Tudo o que eu faço vai leite e ovos. Será que ele faz mesmo para te desagradar??? Ele fica insistindo para vc comer ou fica tirando sarro da sua escolha vegetariana??? Isso faz dele um bronco sem instrução, pois é seu direito comer o que vc escolher e a filosofia de vida que mais lhe aprouver. Se vc tiver certeza que ele realmente faz isso para lhe afrontar, está na hora de ter uma conversa séria com ele (sem a interferência da sua filha), chama no canto e diga sinceramente como se sente, deixe bem claro que ele não precisa gostar de vc, mas não deve tratá-la mal pois isso é uma ofensa a sua filha e a seus netos. Se isso não resolver a solução é ignorar completamente as atitudes dele e tratá-lo como o ZERO a esquerda que ele deve ser…. Entendeu???
    Não sou vegetariana e nunca serei, mas aprovo a filosofia contra os maus tratos dos animais, não compro cosméticos testados em animais, nem como comida que para serem feitas impliquem em sofrimento desnecessários aos animais ( maior exemplo foisgras). Mas não consigo viver sem a proteína animal, EU PASSO MAL se fico mais de 2 semanas sem carne, ja tentei ficar só nos peixes, leite e ovos, mas me falta alguma coisa. Vcs podem até pensar que é hipocrisia, mas não é. Não existem animais melhores ou piores que outros, mas alguns servem de alimentos aos humanos. Se eu fosse deixa numa ilha sozinha, com animais como vacas, galinhas, porcos e outros que geralmente servem de alimentos, eu viveria de leite e ovos e TALVEZ peixes, ostras, caranguejos e outros frutos do mar. Não me imagino matando um mamífero ou ave qualquer, nem que eu estivesse morrendo. Achei este site procurando uma receita e encontrei várias muito interessantes apesar de todas vegetarianas. Respeito a opinião e a filosofia dos participantes pois tbm tenho a minha.
    Sra Sonia, espero sinceramente ter contribuído. Boa Sorte.

  21. Oi Papacapim,

    Tenho 39 anos, sou onívoro, mas venho naturalmente sentindo cada vez mais repulsa por qualquer tipo de carne, mesmo carne branca. Não é fácil mudar os costumes à essa altura, mas eu sinto essa necessidade e cada vez venho consumindo menos e menos carnes.

    Simpatizo com todos os seus argumentos, que também me ajudam a formar uma idéia mais sólida da minha própria proposta de alimentação e de vida. Os cuidados com a minha própria saúde e o respeito aos animais são meus principais motivadores.

    Queria te escrever para agradecer por publicar textos claros e informativos como este.

    Espero daqui a um ano poder voltar a escrever tendo já avançado mais nessa minha transição ao vegetarianismo. 😉

    Um abraço,

    Daniel

  22. Não foi fácil ler esse texto, mas li depois de assistir inúmeros documentários sobre a vida dos animais que são criados para consumo humano. Tenho inúmeros casos de câncer na minha família, e é por isso que decidi não mais consumir carne. Sou grata a este blog, que me foi apresentado pela Maíra, creio que sua amiga. Sou dona de mim, e decidi viver!

  23. Olá Sandra,
    Sou brasileira e vivo em Portugal já há alguns anos, para onde vim em nome de um projeto chamado AND_Lab, dedicado à “pensação” da convivência sustentável. Em nome desse sonho de abolir a diferença entre teoria e prática e contribuir com o que podia para construir uma ferramenta para operar a sustentabilidade no cotidiano que pudesse ser acessível a todos (e não só a especialistas), já havia abandonado a antropologia acadêmica muitos anos antes de fundar o AND_Lab.
    A história é longa e cheia de esquinas e curvas, como todas. Algum dia, quem sabe, posso contá-la melhor.
    O que me move a te escrever hoje não é diferente do que moveu tantos daqueles que você vem inspirando. Entrei no seu blog ontem por um total acidente – logo pela manha, num pequeno surfe online, fui atraída por um link sobre uma história de amor entre um israelense e um palestino que tiveram um último encontro no seu colchão de hóspedes. Não tinha ideia que estava em um blog de comida vegana quando vim parar aqui, nem tinha ideia de que ia passar o domingo inteiro nesse blog.
    Sandra, dediquei anos a teorizar sobre as relações humanas, depois outros tantos anos – os mais recentes – a tentar transformar numa ferramenta prática e concreta toda essa teoria. Para fazer isso – e para oferecer essa ferramenta a outros, esqueci de usá-la eu mesma na minha própria vida. Como se eu pudesse “ficar para depois,”, e como se fosse quase proibitivo pensar em cuidar de mim, com tanto por fazer ao meu redor.
    Esqueci (venho esquecendo há anos) daquele aviso básico que nos dão todas as vezes que tomamos um avião – “ponha primeiro a mascara de oxigênio em você antes de ajudar os outros”. E o seu blog e as suas palavras me ajudaram a me dar conta disso.
    Minha alimentação é um total equívoco e percebo agora o quanto isso não é nem nunca foi uma decisão deliberada, mas um misto de comodismo, desleixo e inconsciência. Nunca tomei isso nas mãos como questão, simplesmente porque nunca havia conectado o que eu comia com implicações para muito além da minha saúde – implicações diretas para o planeta e a vida, decisiva para a dor ou o bem-estar de outros seres viventes, humanos e não-humanos.
    A sensibilidade, em mim, operou caminhos tortos, e embora não exatamente ignorasse ou fosse insensível às informações que o seu rico blog traz, nunca as tinha posto todas juntas e feito o clic para isso – isso que ao longo desse domingo inimaginável (24 horas de leitura!) é agora uma obviedade tão profunda que já não há hipótese de não ser convertida em prática.
    Escrevo, nesta manhã após a madrugada insone mais desperta que já experimentei, para agradecer a sua generosidade. Você tem uma amiga aqui em Lisboa – se pudesse gritava para você ouvir aí em Bruxelas.
    Obrigada obrigada obrigada

  24. Sou vegetariana a 5 meses, e estou muito contente com a superação.. percebi meu organismo funcionando melhor, me preocupo mais com o meu corpo e com a consciência tranquila que nao estou sacrificando nenhum animal para o consumo. Tenho muita vontade de me tornar vegana, quanto a usar botas e artigos de couro nunca fiz questão de adquirir.. a minha grande duvida ao ser vegano é sobre o não consumo de ovos (nao consumo pois nao gosto), queijo e leite.. Esses alimentos são rico em proteinas.. gostaria de saber, quais alimentos poderiam estar substituindo esses beneficios.. tomo leite pois nao sei em que substituir, tenho medo de ficar doente por carência desses alimentos. O que vcs poderiam me recomendar para a substituição destes?
    obrigada

  25. Frangos e ovos não tem hormônios, por favor não usem esse argumento, todos os outros são válidos e suficientes, e estudem sobre o assunto.

  26. A sua conclusão é tocante, mas é preciso muito amor e respeito pelo planeta terra e suas formas de vida, não vejo muitas perspectivas, a sociedade é tão brutal, egoísta e gananciosa…

  27. Ainda estou na fase “pseudo vegetariana” e sinceramente, já me sinto muito melhor. Comecei a cortar a carne da dieta quando descobri que tinha o colesterol alto, já reduzi a quantidade de leite e cortei aos poucos boa parte dos derivados. Um dia eu chego lá 😀

  28. Eu já pensei em virar vegetariana e vegana algumas vezes, mas por falta de informação correta eu não segui em frente… depois de ler este blog e conseguir achar sentido em cada resposta e explicação, pelos meus pensamentos e pontos de vista, eu vou seguir a diante…. quero muito realizar esse sonho!
    Parabéns pelo trabalho incrível deste blog !

  29. Ola papacapim eu me chamo victor sou ovolacto-vegetariano desde quando eu tinha 11 anos atualmente tenho 13 eu queria muito ser vegano mas minha mae n deixa tipo ela foi criada na roça e acha que faz parte da vida comer carne ate mesmo pela ignorância que era antigamente sabe, entao eu sou ovolacto-vegetariano por que eu tenho muita dó dos animaizinhos eu acho que os animais merecem respeito,amor,carinho e etc… Resumindo eu amo os animais e acho que eles devem viver né mas como a maioria das pessoas pensam diferente simplesmente lamento pois n podemos mudar o mundo

    1. Oi, Victor, meu nome é Ana e eu era bem como você quando criança. Quando bem pequena comia o prato que minha mãe fizesse, gostando ou não, porque era uma crença familiar que deveríamos comer o que tínhamos e nunca jogar fora o que estivesse no prato. Fui crescendo e fui escolhendo o que colocar no meu prato e logo eliminei carnes, leite e ovos, aos poucos minha mãe foi percebendo que não adiantava me forçar a comer o que eu não queria e quando eu tinha 12 anos ela começou a pesquisar e a inventar pratos vegetarianos pra mim, alguns eu preparo até hoje! Até hoje sou a única na minha família, mas foi a minha persistência que levou minha mãe a aceitar minha decisão e a preparar uma refeição diferente pra mim todos os dias enquanto eu morei com ela.

      O que eu quero dizer é que você não deve desanimar e nem desistir por ser o único vegetariano da família, eles perceberão que você fez uma escolha e que precisam respeitá-la. 😉

  30. Com relação a desculpa de que “animais não tem alma” sugiro a leitura do livro de Gênesis 1:20, 24. Estou, gradualmente, tornando-me vegetariano e seu espaço é sobejamente instrutivo e fortalecedor para alcançar meu objetivo. Obrigado.

  31. encontramos muitas coisas ruins na internet, mas de vez em quando encontramos um oásis… quando entrei no blog me senti assim…
    Ser vegetariano é uma honra, é cumprir um código de ética…

  32. Nossa, que incrível. Obrigada por ter tirado minhas maiores dúvidas. Quando escolhi logo no inicio do site o seu blog ñ imaginava q teria tanta informação e tudo q precisava.
    Ha 2 anos que venho mudando meus hábitos alimentares, comecei por eliminar os enlatados, congelados prontos, refrigerantes etc.
    Depois optei pelo consumo de organicos e agora estou retirando a carne da minha alimentaçao. Buscava informaçoes que me auxiliasse e aqui encontrei.
    Muito Obrigada!!!

  33. Como eu gosto de ler o seu site, está virando praticamente uma bíblia da alimentação para mim!
    Hoje faz 2 meses que me tornei ovolactovegetariana, foi uma das melhores escolhas que já fiz na minha vida, e após ler conteúdos sobre o assunto, principalmente no papacapim, estou a caminho de me tornar vegana, e logo mais conseguirei!

    Então estou aqui para dizer 2 coisas, no texto acima você menciona que ‘precisamos de 0,8 g de proteína por quilo de peso corpóreo’, então fiz a conta para o meu peso e na sequencia veio a dúvida se essa quantidade é diária e dos outros nutrientes qual seria a qtde? então gostaria de pedir, caso não tenha no site (pois não terminei de ver tudo rs), se poderia fazer uma tabela das quantidades necessárias que precisamos de cada nutriente e os alimentos que poderíamos encontrar, não sei se é pedir muito, mas aqui vai minha sugestão, pois nem todas as pessoas tem ideia disso, hoje eu me interesso pelo que estou comendo, se faz ou não bem, qual a qtde correta, qual seria a combinação perfeita de alimentos, pois nem todos sabem que derivados de leite dificultam a absorção de nutrientes e que vitamina C potencializa a absorção (palavras da minha nutricionista e no meu linguajar leigo sobre o assuntos rs).

    E a outra coisa é para agradecer por criar um site tão maravilhoso como o papacapim, ele é tão importante, trás conteúdos e inclusive a fonte de pesquisa, na internet tem de tudo e nem tudo é confiável, mas o conteúdo é tão bem feito e esclarecedor que trás 100% de confiança no que estou lendo, me sinto privilegiada por ter me tornado ovolactovegetariana e ter encontrado este site, pois só fortalece minhas convicções.

    Este final de semana um amigo veio questionar a minha alimentação e dizer que nós vegetarianos/veganos estamos acabando mais com o meio ambiente do que ele que come carne, e eu, graças ao papacapim pude rebater todas as acusações, dar números e exemplos que não é bem assim, e mostrar o quanto seria bom adotar uma alimentação sem carne, em nenhum momento fiquei sem respostas graças ao conteúdo que leio no site, principalmente neste post em especial.

    Mais uma vez, parabéns pelo site, e tenha minha gratidão!
    Abraço.

  34. Ola, acabei de me tornar vegana, depois de seis anos de vegetarianismo. Quando me tornei vegetariana eu estudei bastante sobre a causa animal e sobre os efeitos da minha dieta sobre o planeta, porem depois que ingressei na universidade deixei muito disso de lado pois a vida acadêmica e muito corrida, Quero muito voltar a estudar, mas não sei bem por onde começar, Você pode me indicar alguns artigos? não precisa necessariamente ser só sobre direito animal, mas sobre o aspecto ambiental também. Muito obrigado!

Deixe uma resposta