Lembram do tour gastronômico que organizei em Paris ano passado? Agora que voltei a morar aqui, esse projeto vai fazer parte das minhas atividades profissionais regulares. A ideia é fazer tours organizados duas vezes por ano (no inverno e na primavera), mas quem estiver de passagem pela cidade fora dessas datas terá a possibilidade de me contratar por um dia (ou mais) em um tour privê.

Meus tours não são convencionais nem tem apelo turístico. Não acompanho ninguém na visita da Torre Eiffel (mas posso te informar qual metrô pegar pra chegar lá), nem ao Museu do Louvre (não precisa de guia pra admirar obras de arte), mas te levo pra comer a melhor comida (vegana) da capital, ofereço explicações sobre a gastronomia francesa e como está se dando a vegetalização dessa culinária (complexo!), conto o que descobri sobre o movimento vegano francês e te levo pra passear pelos meus lugares preferidos, sempre dando o contexto político e de luta dos lugares.

Outra coisa importante: não trabalho pra uma agência de turismo, então não organizo a parte aérea nem reservo hospedagem pras participantes do tour. É uma viagem independente, cada pessoa se vira pra chegar em Paris e o tour só começa quando nos encontramos no primeiro dia.

Os próximos tours acontecerão em dezembro. Tem um grupo do 3 ao 7/12 e um segundo grupo do 24 ao 28/12. São sei participantes em cada grupo e ainda tem algumas vagas, então se você ficou interessada, peço que envie um email pra tourspapacapim@gmail.com (Não passo informações nos comentários, nem adianta perguntar.)

E se a proposta do tour privê te apeteceu, me escreve (também por email) pra gente discutir essa possibilidade. Não precisa ser vegana pra participar do tour, mas saiba que é um tour vegano, logo, não tem comida de origem animal no programa.

Estou escrevendo essas linhas no interior da França, onde vim visitar meu sogro. Domingo fomos colher cogumelos no bosque da família e demos tanta sorte na busca que nos fartamos de cogumelo durante três dias! Aí começo a sonhar em organizar um tour aqui no interior, no outono, pra colher cogumelos e ter o prazer de degustar essa iguaria fresca, recém saída do bosque… Quem sabe um dia.